Naturezas (divina e humana) de Cristo Jesus

Um pouco de história…

Os Concílios de Éfeso (325) e de Constantinopla (381) proclamaram a fé de todos os católicos nas duas naturezas (divina e humana) de Cristo Jesus, deixando claro que Jesus era verdadeiro Deus e verdadeiro homem, mas não expuseram de que forma estas duas naturezas estão unidas ou subsistem na pessoa de nosso único Senhor.

Isso deu margem a uma série de erros teológicos que surgiram nos séculos IV e V d.C., entre eles podemos citar: os Eutiquianos, que defendiam que a natureza de Cristo era uma natureza híbrida, uma mistura entre a natureza divina e a natureza humana, ou seja, a natureza de Cristo seria uma terceira natureza, distinta da natureza humana e da divina; os Valentinianos, que afirmavam que Jesus Cristo era verdadeiro homem, mas que negavam que seu corpo humano tivesse sido formado no ventre de Maria – Jesus, segundo eles, não teria recebido nada de Maria, pois seu corpo teria sido formado no céu e trazido à terra por intermédio de Maria, ou seja, Maria seria apenas a mãe de criação de Jesus e não sua mãe biológica; Arianos; Nestorianos…

Vale a pena falarmos um pouco mais dos Nestorianos e do iniciador dessa heresia. Nestório foi bispo de Constantinopla (429 d.C.) e defendeu como verdade o fato de que em Cristo havia duas naturezas (humana e divina) e duas pessoas: a pessoa do Filho de Deus e a pessoa do homem Cristo, filho de Maria. Maria seria, portanto, mãe apenas do homem Cristo, mas não seria mãe de Deus. Contra essa heresia se levantou providencialmente a voz de outro grande bispo: Cirilo de Alexandria.

Cirilo e Nestório trocaram algumas cartas onde se mostravam em posições antagônicas no tocante à maternidade divina de Maria. O primeiro era claramente a favor de que Maria merecia o título de Theotókos, enquanto que o segundo defendia a impossibilidade de uma criatura ser a mãe de Deus.

O fim da questão aconteceu durante o Concílio de Éfeso (431), que teve Cirilo como presidente. Durante esse Concílio, os padres conciliares trataram a fundo a questão da maternidade divina de Maria: Maria era ou não a Mãe de Deus? Ao final deste Concílio a doutrina de Nestório foi condenada e promulgou-se o Dogma da Maternidade Divina de Maria: “Se alguém negar que o Emanuel é verdadeiramente Deus e que por isto a Virgem Maria é a Mãe de Deus tendo ela gerado, segundo a carne, o Verbo de Deus, seja condenado”.

Algumas conseqüências …

Na verdade, o Concílio de Éfeso só fez reafirmar a doutrina dos Concílios anteriores, que afirmavam que Cristo era verdadeiramente Deus e verdadeiramente Homem; portanto, se Maria é mãe de Cristo, ela é mãe de Deus, pois não se pode em Cristo, separar a natureza divina da natureza humana, assim, Maria não pode ser mãe só do homem, mas ela é necessariamente Mãe de Deus, sob pena de se negar a Encarnação do Verbo (Jo 1,14) e conseqüentemente toda a redenção operada por meio de Cristo Jesus.

Através da proclamação desse Dogma, a Igreja nos ensinou que Maria é verdadeiramente a Mãe de nosso Senhor, como disse sua prima Isabel ao recebê-la em sua casa (Lc 1,43) e que esta verdade é tão importante para a fé cristã que não pode ser questionada de maneira alguma.

Maria não foi apenas um simples instrumento que permitiu a Deus tornar-se presente entre nós: instrumento que poderíamos até desconhecer ou desprezar. Não, não e não! A pessoa de Maria, humana e concreta, sua natureza e sua história, estão intimamente ligadas ao grande mistério da Encarnação do Verbo de Deus, por isso Isabel exclamou: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre” (Lc 1,42).

Maria foi e é, por escolha divina, verdadeiramente a Mãe de Deus (Theotókos)!!! Por isso todas as gerações a chamarão bem-aventurada, pois o Senhor operou nela maravilhas… O próprio Lutero certa vez exclamou: “Ela [Maria] não tem somente a glória de ser Mãe e Virgem, de ser Mãe do Filho de Deus, mas tem a salvação sobretudo pela fé (…) porque ela é morada eterna do Espírito Santo e permanece uma perpétua, santa e bem-aventurada Mãe para a eternidade”.

Que grande mistério: uma mulher, uma criatura, tornou-se a Mãe de Deus! Através desse mistério, podemos perceber até onde vai o amor de Deus, que não “calcula”, que não se guia meramente pelas “lógicas” e “sabedorias” humanas e que, muitas vezes, parece, aos olhos do mundo, loucura (cf. 1Cor 1,17-25).

Maria recebeu, sem dúvida, imensa honra da parte de Deus, mas, é preciso que nos atenhamos à seguinte verdade: em Maria, toda a humanidade recebeu o privilégio sem igual de acolher o próprio Deus eterno, que entrando na história se fez Homem, como eu, como você, como Maria … Deus se tornou um de nós, Deus se tornou um conosco (Emanuel – Is 7,14), e nós nos tornamos um com Ele. Você já meditou sobre isso? Você já mergulhou em oração neste mistério?

A Maternidade Divina de Maria é um grande convite que Deus nos faz para que descubramos, ainda que já o tenhamos feito, a imensidade de seu amor por nós. Ele que nos amou tanto, que quis se tornar um de nós, quis ser gerado no seio de uma mulher, como todos nós, quis ser amamentado, educado, ajudado, amado … por uma mãe, como nós… E se Ele a amou de todo coração, aos moldes de um bom filho, como não amá-la? Como é que nós, que somos cristãos, que fomos salvos por Cristo, que, pelo Batismo, nos tornamos partícipes de seu corpo, podemos não amar Maria? Ela que é mãe de Cristo, cabeça da Igreja, é mãe de todos nós que somos membros de Cristo (1Cor 12,12-30).

Dizer que Maria é mãe de Deus é dizer que Maria é Mãe nossa, minha mãe, sua mãe, nossa mãe… e João nos deixa isso claro em seu Evangelho: “Jesus então, vendo a sua mãe e, perto dela, o discípulo a quem amava, disse à sua mãe: ‘Mulher, eis o teu filho’. Depois disse ao discípulo: ‘Eis a tua mãe’. E a partir dessa hora, o discípulo a recebeu em sua casa”(Jo 19,26-27).

Sabemos que a Palavra de Deus é eterna e que você é muito amado por Jesus, portanto, escute o Filho de Maria que te diz: “João, Maria, Fernando, Francisca… eis aí tua Mãe, EIS AÍ NOSSA MÃE !!!”.

Você tem o privilégio de compartilhar com o próprio Deus a filiação à Maria. Bendito seja Deus, que em sua Misericórdia nos deu Maria como nossa Mãe. Nossa Senhora, Mãe de Deus e Mãe nossa, rogai por nós!

Marcado com: , ,
Publicado em Concilios da Igreja, Natureza de Jesus, Patrística
Um comentário em “Naturezas (divina e humana) de Cristo Jesus
  1. A ESSENCIA DE DEUS
    A “ESSENCIA DE DEUS” é composta de todo o “ESPAÇO FISICOU DO UNIVERSO” ocupado por uma “INTELIGENCIA” do mais alto grau de perfeição, para dar a origem no tempo e no espaço, todas as formas de “ENERGIAS”, que “movimentam”, desde o átomo, com suas estruturas infinitesimais dimensões, até todos os corpos celestes, que compõe o Cosmo em perfeita harmonia e equilíbrio em seus movimentos, e a pureza de seus sentimentos de “AMOR” constituído de “PIEDADE”, “JUSTIÇA” e “MISERICORDIA”, nos dá, a existência da vida.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Magnificat anima mea Dominum
Inquisição on Line
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 1
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 2
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 3
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 4
Catecismo de Adultos – Aula 01 – A Revelação Divina – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 02 – O Modernismo, o problema atual na Igreja – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 03 – Deus Uno e Trino – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 04 – A Criação em geral e os anjos – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 05 – Os anjos e o homem – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 06 – A Teoria da Evolução contra a Ciência e a Filosofia – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 07 – Cristo Nosso Senhor e Maria Santíssima – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 08 – Aula 08 – O modo de vida de Jesus Cristo – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 09 – As perfeições de Cristo e a Paixão – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 10 – A Cruz, os infernos e a Ressurreição de Cristo – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 11 – A Ascensão, os juízos particular e final, e o Espírito Santo – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 12 – Como saber qual a verdadeira Igreja de Cristo? – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 13 – A Igreja Católica e a Salvação – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 14 – A Infalibilidade da Igreja e a união da Igreja e do Estado – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 15 – Da comunhão dos santos à vida eterna – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 16 – Os princípios da oração – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 17 – Como rezar bem? – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 18 – Os tipos de oração – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 19 – O Pai Nosso – Padre Daniel Pinheiro

 

Catecismo de Adultos – Aula 20 – A Ave Maria e o Santo Terço – Padre Daniel Pinheiro

 

Catecismo de Adultos – Aula 21 – A Meditação Católica – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 22 – Introdução à moral católica: uma moral das virtudes – Padre Daniel Pinheiro
Lutero e o Protestantismo: A História da Reforma – Profa. Dra. Laura Palma
Lutero e o Protestantismo: Vida de Lutero – Prof. André Melo
Lutero e o Protestantismo: Sola Scriptura – Profa. Dra. Ivone Fedeli
Lutero e o Protestantismo: Sola Fide – Prof. Marcelo Andrade
Lutero e o Protestantismo: Sola Gratia – Pe. Edivaldo Oliveira
Mídia Católica
Atualizações
Translator
Italy
Calendário
agosto 2011
D S T Q Q S S
« jul   set »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  
Visitantes
  • 4.328.396 acessos desde 01/05/2011
religião e espiritualidade
religião e espiritualidade
Categorias
Links
%d blogueiros gostam disto: