Desafio aos Carismáticos

Há algum tempo, eu lancei um desafio aos carismáticos a fim de demonstrar o quanto é absurda a teoria do “batismo no Espírito”.

De fato, as Sagradas Escrituras nos dizem claramente que existe um único Batismo (Ef 4,5).

De onde, então teria surgido a interpretação de que o termo “batismo no Espírito” significaria algo diferente do Batismo católico? Certamente é apenas mais uma heresia, importada do pentecostalismo protestante.

Apesar de tão óbvia conclusão, um carismático não se deu por vencido e lançou a tremenda tese: O “batismo no Espírito” seria o mesmo que a Crisma! O presente tem por objetivo demonstrar o quanto essa tese é absurda.

Na realidade, ela é totalmente desmentida quando comparamos o “batismo no Espírito” pregado pelos carismáticos e a doutrina da Crisma ensinada pela Igreja Católica.

Em primeiro lugar, devemos lembrar que a Crisma deve ser recebida uma única vez.

Repetir os Sacramento da Crisma (assim como o Batismo, por exemplo) é profaná-lo, é duvidar da eficácia do mesmo, e portanto do Deus que opera por meio desse sacramento.

A RC”C”, portanto, não deveria “batizar no Espírito” nenhuma pessoa que já tenha sido crismada. Tal precaução nunca foi tomada nem ensinada pelos carismáticos.

Devemos lembrar, também, que somente o Bispo deve ministrar do Sacramento da Crisma:

Ora, doutrina é da Sagrada Escritura que só o Bispo tem o poder ordinário de administrar este Sacramento [da Crisma]. (…)

Santo Agostinho, por sua vez, protesta energicamente contra o péssimo costume que havia, entre os cristãos do Egito e de Alexandria, onde os sacerdotes se atreviam a administrar o Sacramento da Confirmação.

Catecismo Romano, Segunda Parte, Capítulo Terceiro – Da Confirmação, pág. 251.

Por outro lado, o “batismo no Espírito” é “administrado” por qualquer um, seja padre, seja leigo. Aliás, os primeiros católicos receberam o “batismo no Espírito” das mãos de protestantes!

Essa, inclusive, é a história da introdução do “batismo no Espírito” na Igreja, na segunda metade do século XX, o que desmente qualquer confusão com o Sacramento da Crisma, que foi sempre ministrado. Uma invenção protestante, introduzida na Igreja por dois leigos desobedientes, que foram buscar o tal “batismo” fora da Igreja… Absolutamente nenhuma semelhança com a Crisma.

Voltando aos pontos essenciais do Sacramento, devemos lembrar que a matéria do Sacramento da Crisma é o óleo sagrado, o Santo Crisma:

Ela [a matéria] se chama “crisma”, palavra tirada do grego, que os escritores empregaram para designar qualquer espécie de óleo para ungir. Por tradição geral, os escritores eclesiásticos adaptaram-lhe o sentido de só indicar o unguento composto de azeite doce e bálsamo, e que o Bispo consagra com rito solene.

Portanto, a matéria da Crisma consiste na mistura de dois ingredientes. Esta combinação de elementos diversos simboliza as muitas graças que o Espírito Santos outorga aos crismados, bem como exprime, de maneira notável, a sublimidade do próprio Sacramento.

A Santa Igreja e os Concílios sempre ensinaram que essa é a matéria do Sacramento. Atestam-no São Dionísio e muitos outros Padres de máxima autoridade, entre os quais se sobressai o Papa Fabiano, declarando que os Apóstolos receberam do Senhor a maneira de fazer o Crisma, e no-la transmitiram.

Catecismo Romano, Segunda Parte, Capítulo Terceiro – Da Confirmação, pág. 251.

No “batismo no Espírito” não se usa óleo nenhum. Mons. Jonas Abib, no vídeo em que ele prega o “batismo no Espírito”, insinua até que a pessoa poderia recebê-lo no momento em que assistia ao vídeo. Ele manda o ouvinte pedir ao Senhor Jesus que lhe “batize no Espírito”.

Finalmente, devemos recorrer à Tradição da Igreja.

Nunca, em toda a história, a Crisma foi chamada de “batismo no Espírito”.

O outro nome dado à Crisma é o de Confirmação, assim como a Sagrada Eucaristia é também chamada de Comunhão, e a Penitência de Confissão. Se “batismo no Espírito” fosse sinônimo de Crisma, deviríamos encontrar isso relatado em algum lugar, como nos Catecismos, por exemplo. Tal relato, obviamente, não existe.

O Papa Clemente XIII em sua encíclica “in Dominico Agro”, de 1761, indicava quais são as características da verdadeira doutrina católica: universalidade, antigüidade e consenso doutrinário.

Já foi demonstrado que o pretenso “batismo no Espírito” não preenche nenhum dos três atributos apontados pelo Sumo Pontífice.

Podemos concluir que a insinuação de ser o “batismo no Espírito” a mesma coisa que o Sacramento da Crisma significa, no mínimo, desprezar todo o ensinamento da Igreja sobre este sacramento.

Os breves argumentos apresentados são mais do suficientes para provar o quanto um não se confunde com o outro. A teoria inventada pelo carismático é a saída desesperada de quem prefere defender até o fim o seu ponto de vista, subjetivo, em detrimento da Verdade, objetiva. Aliás, aquela música até parece ter sido feita em homenagem a esses teimosos carismáticos:

“Se o mundo é mesmo parecido com o que vejo, prefiro acreditar no mundo do meu jeito.” (Legião Urbana, eu era lobisomem juvenil)

Essa é uma descrição perfeita do que fazem os carismáticos, que desprezam todos os argumentos racionais e todos os ensinamentos da Igreja a respeito dos sacramentos.

Marcado com:
Publicado em Carismaticos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Magnificat anima mea Dominum
Inquisição on Line
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 1
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 2
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 3
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 4
Catecismo de Adultos – Aula 01 – A Revelação Divina – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 02 – O Modernismo, o problema atual na Igreja – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 03 – Deus Uno e Trino – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 04 – A Criação em geral e os anjos – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 05 – Os anjos e o homem – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 06 – A Teoria da Evolução contra a Ciência e a Filosofia – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 07 – Cristo Nosso Senhor e Maria Santíssima – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 08 – Aula 08 – O modo de vida de Jesus Cristo – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 09 – As perfeições de Cristo e a Paixão – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 10 – A Cruz, os infernos e a Ressurreição de Cristo – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 11 – A Ascensão, os juízos particular e final, e o Espírito Santo – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 12 – Como saber qual a verdadeira Igreja de Cristo? – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 13 – A Igreja Católica e a Salvação – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 14 – A Infalibilidade da Igreja e a união da Igreja e do Estado – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 15 – Da comunhão dos santos à vida eterna – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 16 – Os princípios da oração – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 17 – Como rezar bem? – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 18 – Os tipos de oração – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 19 – O Pai Nosso – Padre Daniel Pinheiro

 

Catecismo de Adultos – Aula 20 – A Ave Maria e o Santo Terço – Padre Daniel Pinheiro

 

Catecismo de Adultos – Aula 21 – A Meditação Católica – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 22 – Introdução à moral católica: uma moral das virtudes – Padre Daniel Pinheiro
Lutero e o Protestantismo: A História da Reforma – Profa. Dra. Laura Palma
Lutero e o Protestantismo: Vida de Lutero – Prof. André Melo
Lutero e o Protestantismo: Sola Scriptura – Profa. Dra. Ivone Fedeli
Lutero e o Protestantismo: Sola Fide – Prof. Marcelo Andrade
Lutero e o Protestantismo: Sola Gratia – Pe. Edivaldo Oliveira
Mídia Católica
Atualizações
Translator
Italy
Calendário
novembro 2011
D S T Q Q S S
« out   dez »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  
Visitantes
  • 4.241.836 acessos desde 01/05/2011
religião e espiritualidade
religião e espiritualidade
Categorias
Links
%d blogueiros gostam disto: