RSS

A SEMANA SANTA

06 fev
Queridos irmãos e irmãs,
a bondade do Senhor nos concede de celebrar mais uma Páscoa.
Para nós, cristãos, esta é a festa mais importante do ano, porque nela fazemos memória e atualizamos o mistério da nossa redenção, operada por Cristo Jesus na Cruz e na Ressurreição.
A Semana Santa inicia com o Domingo dos Ramos.
Fazemos memória da entrada de Jesus em Jerusalém e da alegria do povo em acolhe-lo.
“Hosana ao Filho de Davi”, “Bendito aquele que vem em nome do Senhor”, foram os gritos de aclamação do povo. É o momento da glória, que não vai durar muito.
Depois de poucos dias, o mesmo povo gritará: “Crucifica-o”.
É um pouco a nossa experiência religiosa: temos momentos de exaltação, de euforia espiritual e, depois, períodos longos de afastamento de Deus e da comunidade.
A verdadeira fé é aquela que permanece firme em todas as circunstâncias, alegres e tristes. Deus é pai sempre, portanto devemos procura-lo sempre.
Nos primeiros dias da semana, Jesus permaneceu em Jerusalém, pregando e fazendo curas. Em quanto isso, os sacerdotes e os chefes do povo tramavam como acusar e prender Jesus. Encontraram um dos discípulos, ávido de dinheiro e o contrataram por trinta moedas para entregar Jesus. E isso aconteceu.
E as nossas traições? Cada pecado é renegar Jesus, colocar-se contra o projeto de amor de Deus. Nesta Páscoa, avaliemos a nossa caminhada de fé, tenhamos a coragem de reconhecer os nossos erros e voltemos para o Pai, que nos espera – como na parábola – de braços e coração abertos.Na Quinta Féira Santa, Jesus se reuniu com os apóstolos, que formavam a sua família, para celebrar a Ceia Pascal, em memória da libertação do escravidão do Egito.
Só que nesta ocasião, aconteceu uma mudança radical: Jesus ao cordeiro pascal substituiu a si mesmo, como alimento e sinal da nova e eterna aliança com Deus.
E mandou os apóstolos fazer memória disto até a consumação dos séculos.

E a Igreja sempre celebrou a Eucaristia e reservou um culto especial à presença de Jesus no meio de nós.Terminada a ceia, Jesus, com os discípulos, foi  rezar no horto das oliveiras.

Foi uma oração tremenda, tão terrível que  chegou a suar sangue.

Ele, prevendo todos os sofrimentos que ia ter, pede  ao Pai que afaste aquele cálice, mas – na oração – tem a força de pedir que se  cumpra a vontade dele e vai ao encontro daqueles que iam  prende-lo.

Começa o caminho de sofrimento.

É levado na  casa de Anãs e de Caifás, durante a noite sofre todo tipo de insultos e maus  tratos. De manhã, é levado a Pilatos, que governava em nome de Roma e tinha o  poder de condenar à morte. Ele, reconhecendo Jesus inocente, tendo medo, condena  Jesus.

Jesus é flagelado, coroado de espinhos, carregado da Cruz, que  leva até o Calvário, pregado e elevado. Assim se realiza a Escritura: “Quando  serei elevado da terra, atrairei todos a mim”. É o mistério da nossa salvação.
Quem olhar com olhos de fé em Jesus, isto é acolhendo a sua pessoa e o seu  ensinamento, será salvo.

E, nós? Somos dispostos a segui-lo também no  caminho da Cruz?

Infelizmente, tem uma falsa teologia, chamada da  prosperidade, que quer tirar a cruz da vida humana. É impossível! Não podemos  seguir um caminho diferente daquele que nos mostrou o nosso Mestre. Só através
da cruz, aceita e oferecida com alegria, podemos chegar à luz e à  vida.

Domingo de Páscoa.

Cristo venceu o pecado e a morte:

Ele ressuscitou!

Ele, o primeiro. E nós com ele e atrás dele: é a nossa  esperança, a nossa certeza.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 06/02/2013 em Semana Santa

 

Tags:

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: