RSS

… “Mas NÃO está escrito na Bíblia”. Como responder essa argumentação protestante?

10 set

Em síntese: A Revelação Divina é como um grão de mostarda que se vai abrindo no decorrer do tempo, de modo a explicitar homogeneamente o que se encontra implícito na Bíblia. Os teólogos e os Bispos vão aprofundando o significado das verdades seminalmente reveladas. São Paulo, aliás, falava da evolução do conhecimento infantil para o da idade adulta; cf. 1Cor 13, 11s.

No diálogo ecumênico ouve-se não raro o irmão protestante replicar: “Não está na Bíblia!”. Esta observação parece pôr termo final ao diálogo.

1. Uma fonte e dois canais

A única fonte de fé católica é a Palavra de Deus. Deus quis revelar-se aos homens, e o fez mediante dois canais: a via oral (também dita “Tradição ou Transmissão divino-apostólica”) e a via escrita (chamada “Bíblia”). A oral é anterior à escrita (Já que escrever era outrora uma arte difícil) e a acompanha servindo de referencial para o entendimento correto da Bíblia. O Senhor Jesus instituiu o magistério da Igreja, ao qual Ele assiste (cf. Mt 28, 18-20s) a fim de que seja o fiel porta-voz e intérprete da Palavra de Deus. É o que o Concílio do Vaticano II ensina nestes termos:

“9. A Sagrada Tradição e a Sagrada Escritura são, portanto, intimamente conexas e comunicantes entre si. Pois, derivando ambas da mesma fonte divina ¹, fundem-se de algum modo numa só coisa. De fato, a Sagrada Escritura é a palavra de Deus enquanto redigida sob a inspiração do Espírito Santo; a Sagrada Tradição, por sua vez, transmite integralmente aos sucessores dos Apóstolos a palavra de Deus confiada por Cristo Senhor e pelo Espírito Santo aos Apóstolos para que, sob a luz do Espírito da verdade, eles, por sua pregação, fielmente a conservem, a exponham e a difundam. Donde se segue que a Igreja não tira só da Sagrada Escritura sua certeza a respeito de tudo o que foi revelado. Por isso, ambas [Escritura e Tradição] devem ser recebidas e veneradas com igual sentimento de piedade e reverência” (Const. Dei Verbum nº 9).

Observemos agora:

Cresce, através dos tempos, o entendimento da Palavra de Deus; pois ela foi proposta pelos seus mensageiros em estilo pastoral que pede aprofundamento e sistematização. São Paulo mesmo reconhece ter acontecido isto em sua vida:

“Quando eu era criança, falava como criança, pensava como criança, raciocinava como criança. Depois que me tornei homem, fiz desaparecer o que era próprio de criança. Agora vemos em espelho e de maneira confusa, mas depois veremos face a face. Agora meu conhecimento é limitado, mas, depois, conhecerei como sou conhecido” (1Cor 13, 11s).

No Evangelho a parábola do grão de mostarda propõe a mesma concepção: o Reino dos céus está sujeito a certa evolução ou ao desabrochamento de virtualidades nele inseridas.

O que importa, é que essa evolução seja homogênea, como homogênea é a evolução de uma semente. Como exemplo dessa evolução homogênea, seja citada a doutrina referente à Maria SSma; os Evangelhos a apresentam como Mãe de Jesus, que é Deus e Homem; por conseguinte é Mãe de Deus. Para exercer a maternidade divina, recebendo em seu seio Deus Filho, Maria foi “cheia de graça” (Lc 1,28) ou isenta de pecado ou ainda imaculada desde a sua conceição; e se, jamais esteve sob o jugo do pecado, jamais foi dominada pelo império da morte, ou seja, não conheceu a deterioração do seu cadáver no sepulcro, mas foi elevada em corpo e alma à glória do céu, uma vez terminado o seu curso de vida na terra.

Tal concepção é nitidamente apresentada por São Vicente de Lérins (+ 435 aproximadamente).

2. A explanação de São Vicente de Lérins

Vicente nasceu na Gália provavelmente em fins do século IV. Levou vida militar (dizem alguns; … vida devassa). Após o quê fez-se monge e presbítero do Mosteiro de Lérins, no Sul da Gália. Dedicou-se ao estudo da Teologia, donde resultou famosa obra intitulada “Comonitório”. Desde seja extraída a seguinte passagem, tirada da Exortação 23:

“O desenvolvimento do dogma da religião cristã.

Não haverá desenvolvimento algum da religião na Igreja de Cristo? Há certamente e enorme.

Pois que homem será tão invejoso, com tanta aversão a Deus que se esforce por impedi-lo? Todavia deverá ser um verdadeiro progresso da fé e não uma alteração. Com efeito, ao progresso pertence o crescimento de uma coisa em si mesma. À alteração, ao contrário, a mudança de uma coisa em outra.

É, portanto, necessário que, pelo passar das idades e dos séculos, cresçam e progridam tanto em cada um como em todos, no indivíduo como na Igreja inteira, a compreensão, a ciência, a sabedoria. Porém apenas no próprio gênero, a saber, no mesmo dogma o mesmo sentido e a mesma significação.

Imite a religião das almas o desenvolvimento dos corpos. No decorrer dos anos, vão -se estendendo e desenvolvendo suas partes e, no entanto, permanecem o que eram. Há grande diferença entre a flor da juventude e a madureza da velhice. Mas se tornam velhos aqueles mesmos que foram adolescentes. E por mais que um homem mude de estado e de aspecto, continuará a ter a mesma natureza, a ser a mesma pessoa.

Membros pequeninos na criancinha, grandes nos jovens, são contudo, os mesmos. Os meninos têm o mesmo número de membros que os adultos. E, se no tempo de idade mais adiantada neles se manifestam outros, já aí se encontram em embrião. Desse modo, nada de novo existe nos velhos que não esteja latente nas crianças.

Por conseguinte, esta regra de desenvolvimento é legítima e correta. Segura e belíssima a lei do crescimento, se a perfeição da idade completar as partes e formas sempre maiores que a sabedoria do Criador pré-formou nos pequeninos.

Mas, se um homem se mudar em outra figura, estranha a seu gênero, ou se se acrescentar ou diminuir ao número dos membros, sem dúvida alguma todo o corpo morrerá ou se tornará um monstro ou, no mínimo se enfraquecerá. Assim também deve o dogma da religião cristã seguir estas leis de crescimento, para que os anos o consolidem, se dilate com o tempo, eleve-se com as gerações.

Nossos antepassados semearam outrora neste campo da Igreja as sementes do trigo da fé. Será sumamente injusto e inconveniente que nós, os pósteros, em vez da verdade do trigo autêntico recolhamos o erro da simulada cizânia.

Bem ao contrário, é justo e coerente que, sem discrepância entre os inícios e o término, ceifemos das desenvolvidas plantações de trigo a messe também de trigo do dogma. E se algo daquelas sementes originais se desenvolver com o andar dos tempos, seja isto agora motivo de alegria e de cultivo”.

Como se pode apreciar, o texto é muito elucidativo. Vicente de Lérins viveu numa época conturbada pelas controvérsias sobre a graça e o livre arbítrio, sendo debatedores, de um lado, os discípulos de S. Agostinho (+ 430) e, de outro lado, os pelagianos, e semipelagianos pessimistas aqueles; otimistas estes, em relação à natureza humana.

Precisamente para combater as heresias (que, conforme a etimologia da palavra grega haíresis, são escolhas… de algumas verdades em detrimento de outras), Vicente formulou a norma sempre válidas:

“Na Igreja Católica é preciso procurar que todos demos adesão de fé àquilo que em toda parte, sempre e por todos foi professado (quod ubique, quod semper, quod ab omnibus…), pois isto é própria e verdadeiramente católico, como declara a forma e índole do vocábulo, que abarca todas as coisas em geral” (Comonitório II 5).

Muito sabiamente o autor insiste na continuidade da transmissão que parte dos Apóstolos, passa pelos Padres na Igreja e chega a época mais tardia. Disto difere a heresia, que é a escolha de certas verdades com menosprezo de outras.

3. Conclusão

De quanto foi dito, depreende-se que pode haver artigos de fé não explícita, mas implicitamente incluídos na S. Escritura. Sabe-se que os autores sagrados não intencionaram escrever uma Suma de Teologia, mas redigiram seus escritos ocasionalmente, a fim de atender a questões  e problemas das comunidades destinatárias; conseqüentemente ficaram ditos e feitos de Jesus fora do âmbito bíblico ou na Tradição oral, como duas vezes observa São João no fim do seu Evangelho (cf. 20, 30s e 21, 24). Este depósito oral, projetando-se sobre o escrito, põe em evidência o sentido profundo da Palavra escrita na Bíblia. Além do quê, a própria razão humana penetra a Palavra da Bíblia, analisando seu sentido e concatenando-a em ordem sistemática.

____________________
¹ Antes do Concílio do Vaticano II (1962-65), perguntava-se: há uma fonte da Relação Divina (como dizem os protestantes, acenando para a Bíblia)? Ou há duas fontes: a Bíblia e a Tradição ora, como dizem muitos católicos?

Como se vê, o Concílio respondeu muito sabiamente apontando uma única fonte e dois canais.

Revista: “Pergunte e Responderemos”
D. Estevão Bettencourt, osb
Nº 512 – Ano 2005 – p. 56

 
Deixe um comentário

Publicado por em 10/09/2013 em Apologética

 

Tags:

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: