RSS

Cristo fundou uma Igreja, não uma “cooperativa” cristã

06 nov

No sentido mais literal e absoluto a igreja de Cristo é um corpo. Além disso, este corpo não é um grupo de corpos, como um grupo de pessoas, mas é uma entidade orgânica e espiritual, como o corpo de uma única pessoa. Mais adiante, este corpo, a verdadeira igreja cristã, não é propriamente um corpo humano, mas um corpo divino – isto é, em virtude do fato de que é o Corpo Místico de Cristo. Na verdade, embora misticamente, os verdadeiros fiéis de Cristo são os membros do corpo da Sua igreja, enquanto Ele reina no céu, como a Cabeça do corpo da Sua igreja.

“E ele é a cabeça do corpo, a igreja.” (Colossenses 1:18). “Mas agora, há muitos membros de fato, mas um só corpo … Agora você é o corpo de Cristo, e membros do membro.” (I Coríntios. 12:20-27) “Porque somos membros do seu corpo, da sua carne, e de seus ossos “(Ef 5:30)” Porque, como em um corpo temos muitos membros, mas nem todos os membros têm a mesma função:. Então nós, sendo muitos, formamos um só corpo em Cristo e membros uns de outro. “(Romanos 12:4-5)” Não sabeis que vossos corpos são membros de Cristo? “(I Coríntios. 6:15)

Agora, as passagens acima nos dão alguns esclarecimentos muito bons quanto à estrutura da Igreja de Cristo que a Igreja Católica afirma representar. No entanto, apesar da aparente clareza dos textos das Escrituras, ainda pode haver espaço para interpretações distintas, já que estas passagens não fazem uma clara referência à Unidade da Igreja. Isto é, no entanto, esclarecido nos versos abaixo:

Haverá um só rebanho e um só pastor.” (João 10:16). “Cuidado para manter a unidade do Espírito no vínculo da paz. Um corpo e um só Espírito, como também fostes chamados em uma só esperança da vossa vocação. Um só Senhor, uma só fé, um só batismo. Um só Deus e Pai de todos, que está acima de todos, e por todos e em todos nós. “(Ef 4:3-6). “Rogo-vos, irmãos, para marcá-los que fazem dissensões e escândalos contra a doutrina que você aprendeu, e evitá-los.” (Rom. 16:17).

Porque uma graça especial sobrenatural era necessária para consolidar definitivamente a unidade da Sua Igreja, Cristo providenciou essa graça especial sobrenatural – Ele santificou a Sua Igreja na Verdade:

“Depois de dizer estas coisas, Jesus ergueu os olhos ao céu e disse: … Pai santo, guarda-os em teu Nome, o Nome que Me deste, para que eles sejam um, assim como Nós somos um.

. . . . Consagra-os na verdade. A tua palavra é a verdade. . . que todos sejam um, como tu, Pai, em mim, e eu em ti, para que também eles sejam um em nós. . . Eu neles, e tu em mim;. Que eles sejam perfeitos em unidade…“(João 17:1-23)

Essas passagens desafiam aquilo que muitos aceitam como normal e ‘verdade’, especialmente quando se trata do cada vez maior número de denominações protestantes/evangélicas existentes pelo mundo, processo esse iniciado ha 5oo anos atrás com a reforma protestante, mas que somente agora, principalmente nos EUA tomou dimensões exponenciais. Cada uma dessas igrejas possui sua própria versão da ‘verdade’ do evangelho de Cristo. Whitcomb escreve:

Enquanto protestante, eu fazia parte de uma “cooperativa” cristã, uma “associação inter-denominacional” composta de mais de 30 mil entidades cristãs, cada uma diferente no nome, na crença, no governo, e, em menor medida, na forma de adoração. É verdade, todos eles professavam Cristo como Senhor e Salvador, e todos eles professavam pregar o Seu Evangelho – todos eles proclamaram que seu objetivo principal era a salvação das almas. A esse respeito havia de fato uma identidade comum, ou mesmice. Mas o problema ainda permanece: Eles se recusaram a se reunir no mesmo local para professarem a sua fé em Cristo como Senhor e Salvador, discordavam quanto ao que constitui Evangelho inteiro e verdadeiro de Cristo, e estavam muito em desacordo sobre o que qualifica uma pessoa para salvação eterna.

Por exemplo, um grupo protestante preservava a visão independente de que o altar e liturgia não têm nenhuma necessidade na adoração cristã. Outra defendia a ideia independente de que os sacramentos devem ser excluídos das crianças pequenas. Outra defendia a ideia independente que o homem se torna insensível ao pecado e tem certeza da salvação, uma vez que ele aceita a Cristo como seu Salvador pessoal. Outra defendia a idéia de que a adesão à Igreja de Cristo é restrita a um seleto poucos, e quando um dos poucos escolhidos sai da graça de Deus, nenhuma quantidade de arrependimento pode restaurá-lo de volta. Outra defendia a visão de que o Dia do Senhor não domingo, e sim o sábado. Outra defendia a ideia de que os poderes independentes da administração da igreja não residem com o clero, mas com os leigos da congregação local.

Sim, aqui, neste âmbito inter-denominacional havia comunhão – havia amor, um verdadeiro e genuino desejo por Cristo e Sua promessa de salvação, isso devo admitir. Mas também havia divisão, a divisão no sentido mais explícito e flagrante da palavra. Ali, sem dúvida, havia um conceito do Corpo místico de Cristo na terra que não poderia estar em consonância com o espírito único, uma só fé, o conceito de “um pastor” descrito na Bíblia.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 06/11/2013 em Apologética

 

Tags:

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: