RSS

Refutando a guarda do Sábado

20 fev

Primeiramente temos de lembrar que Jesus é o Senhor do sabado como ele mesmo afirma e quem crer nele nao fica preso somente nos preceitos da lei como esta em :

Atos 13:39 “Todo aquele que crê é justificado por Ele de tudo aquilo que nao pode ser pela Lei de Moisés”

I Coríntios ( XVI, 2) São Paulo diz: “No primeiro dia da semana , cada um de vós ponha de parte e junte o que lhe parecer etc.” São Paulo ordena então que os cristãos se reunam no no primeiro dia da semana e não no sábado.Portanto, São Paulo se reunia com os primeiros cristãos no primeiro dia da semana e não no sábado. No sábado ele ia à Sinagoga tentar converter os judeus que ainda seguiam o sábado, porque não aceitavam a Redenção de Cristo.

Eis como o Apóstolo das gentes nos convida a celebrar os mistérios da nova Páscoa da Ressurreição do Senhor: “Celebremos a festa, não com o fermento velho da malícia e da corrupção, mas com os ázimos da pureza e da verdade”. (1 Cor. 5 ,8) De fato, a Bíblia, no Novo Testamento menciona freqüentes reuniões dos cristãos com a expressa finalidade de celebrar os Mistérios Eucarísticos. E quando mencionam o dia da semana, nunca se referem ao sábado, mas sempre ao domingo, o 1º dia da semana, como sendo o dia normal de tais reuniões cultuais. Exemplos disso encontramos em Atos 20, 7; 1 Cor. 16 ,2. E São João já se refere a esse dia com o nome de domingo, que significa “dia do Senhor”. (Apoc.1,10)É uma clara confirmação de que, já na Era Apostólica, os primeiros cristãos santificavam o domingo com a celebração do Sacrifício Eucarístico, a “Fração do Pão”, como então era chamada a oblação do Corpo e do Sangue do Senhor, a Santa Missa. (1 Cor 10,16; Atos 2, 42) Desse modo eles cumpriam a ordem do Senhor, registrada em Luc. 22,18-19; 1 Cor. 11,23 a 28.

Apocalípse,( I, 10) se lê: “Um dia de DOMINGO etc. Dominica dies. São João já chama o primeiro dia da semana de “DOMINICA DIES , isto é, dia do Senhor, e não dia do sol, como era chamado pelos romanos. Desde o início do cristianismo o dia do Senhor era o primeiro dia da semana, e não o último. E isso também está na Bíblia.

Foi também no domingo que o Senhor apareceu aos discípulos pela primeira vez (Jo 20,19) e no domingo seguinte, oito dias depois, a São Tomé (Jo 20,26).

Fazendo a Exegese das citações Biblicas

“Que ninguém vos critique por questões de comida ou bebida, pelas festas, luas novas ou sabados. Tudo isso nada mais é que uma sombra do que haveria de vir, pois a realidade é Cristo” (Cl 2,16-17).

E note ainda, meu prezado protestante, que a frase de São Paulo inclui um “POIS”.”Ninguém, POIS, vos condene … por um sabado…” ( Col. II, 16-18).E por que esse “POIS ?” Porque essa frase é a conclusão da anterior em que São Paulo diz:”E a vós, [os Colossenses, que eram pagãos incircuncisos que não guardavam o sábado] que estáveis mortos pelos vossos pecados e pela incircuncisão da vossa carne, vos deu vida juntamente com ele [Cristo] , perdoando-vos todos os pecados;cancelando o QUIRÓGRAFO do decreto que vos era desfavorável, que era contra nós e o aboliu inteiramente, encravando-o na cruz, e, despojando os principados e potestades, levou-os (cativos) gloriosamente, triunfando em público deles em si mesmo” (Colossenses II , 13-16)Então, Cristo cancelou o Quirógrafo — isto é a lei que era desfavorável aos gentios, os incircuncisos. E o que cancelou Cristo?São Paulo o diz na frase seguinte que o proprio livro de sua seita cita: comidas proibidas pela Lei Antiga, festas de lua nova e … Sábados.

“E dizia-lhes: O Sábado foi feito para o homem e não o homem para o sabado” (S. Marcos, 2, 27).

A tese dos fariseus que exigiam respeito absoluto pelo sábado, e que acusavam Cristo de não respeitar esse dia. Foi exatamente porque os apóstolos colheram espigas de trigo em um sábado, que os fariseus — como os protestantes fazem hoje com os católicos — foram pedir explicações a Jesus do porquê Ele não repreendia seus discípulos por violarem a lei do Sábado; do porquê Ele não os corrigia, proibindo-os de colher espigas no Sábado.Você meu caro protestante tem a mesma crença dos fariseus: quer guardar o sábado, julgando que, fazendo isso, respeita a lei de Cristo, quando, de fato, está respeitando a lei de Moisés.E Cristo responde ao senhor, como respondeu aos fariseus ; “O sábado foi feito para o homem, e não o homem para o sábado”.Noutras palavras, o sábado não é a essência da lei. A essência da lei, nessa questão, consiste em que, num período semanal, um dia deve ser de descanso, dedicado a Deus.O que é imutável na Lei de Deus, é o que ela expressa da Lei natural, que é a aplicação da Vontade de Deus no governo da natureza.

Dessa Lei é que Cristo afirmou que nem um jota seria tirado, e que passariam o céu e a terra, mas não a palavra de Deus.Mas das leis cerimoniais Deus era senhor e poderia mudá-las, porque elas eram apenas símbolos do sacrifício de Cristo na Cruz. E, chegada a realidade, os símbolos ficam ultrapassados.Por isso Cristo disse que era senhor do sábado, isto é, que poderia mudá-lo, pois que não era o dia a essência da lei.”Porque o Filho do homem é senhor do próprio sábado”(São Mateus, XII, 8). Os fariseus não compreendiam que Cristo, sendo senhor do sábado, podia mudá-lo.Não aceitavam que Cristo não respeitasse todas as prescrições que haviam inventado para o sábado..

Respodendo as Objeções Protestantes
LEI DA EPOCA DE MOISES NAO ERA TOTALMENTE PERFEITA

Não vale a objeção de que a “lei do Senhor é perfeita” (Sal. 110,7-8), porque a perfeição da lei mosaica é relativa. De fato, Jesus a aperfeiçoou: “Não vim abolir a lei, mas aperfeiçoá-la.” (Mt 5,17 – Tradução do texto original) Confira: Mt 5, 21 a 26; 5, 27-28; 5, 33 a 38; 5, 39 a 42. Foi com esses aperfeiçoamentos da Lei que Jesus afirmou: “não passará um jota da lei sem que tudo se cumpra.” (Mt. 5,17)

O SABADO NAO ERA SINAL DE ALIANÇA PERPETUA

Também não vale a objeção de que a lei do sábado é um “sinal perpétuo” da aliança entre Deus e os israelitas (Êx. 31,16-17), pois também era “lei perpétua” e “sinal perpétuo” a Festa dos Tabernáculos (Lev. 23, 41), a Oferta das primícias (Lev. 23, 14) e a Circuncisão. (Gên. 17,12 a 14) E no entanto foram abolidas pela Lei mais perfeita do Evangelho. Porque eram sinais de aliança de Deus com os israelitas em preparação para a vinda de Cristo.

SOBRE O SABADO DITO POR JESUS

Falando aos judeus da Judéía na perspectiva da grande tribulação que estava para vir, Jesus disse: “Rogai que a vossa fuga não seja em dia de sábado.” (Mt. 24, 20) Isso porque os judeus interpretavam o repouso sabático como incluindo a proibição de caminhar nesse dia mais de mil metros. Assim, por essas palavras, Jesus não está se referindo à permanência do repouso sabático para a fase do Evangelho. Ele apenas quis dizer-lhes: “Já que interpretais assim a lei do repouso do sábado, rogai para que a vossa fuga não seja em dia de sábado”, e nada mais.

JESUS NAO PASSOU O SABADO DE REPOUSO

Muito menos tem o sentido de continuidade do sábado o fato de Jesus ter passado um sábado no repouso do sepulcro. Se assim fosse, dever-se-ia pensar que Ele estava aprovando também para repouso, a meta­de do 1º dia da semana, o domingo, pois o dia, para os hebreus, ia do pôr-do-sol de um dia ao pôr-do-sol do outro dia.

O dia da semana a ser guardado com religioso repouso pelo cristão é o Domingo, e não o sábado.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 20/02/2014 em Sábado

 

Tags:

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: