RSS

Os doutrinadores espíritas com seus ensinamentos

27 fev

Segundo vários historiadores, a mais antiga fonte histórica onde se encontram referências à reencarnação estão nos Vedas – escritos filosóficos e religiosos dos hindus. Esta doutrina de reencarnação é bem mais recente do que a doutrina de consulta aos mortos: ela foi inventada pelos sacerdotes que oficiavam os rituais prescritos nos Vedas e introduzida entre o povo pela classe dos brâmanes.

Esses sacerdotes inventaram toda essa história de vidas sucessivas com o propósito de inspirarem respeito das outras classes sociais da índia, para que assim fossem mantidos como superiores e protegerem seus privilégios.

Falando sobre suas próprias encarnações anteriores, os brâmanes faziam com que sua autoridade fosse antiquíssima aos olhos do povo.

Eles passaram a pregar que, de reencarnação em reencarnação, haviam chegado à posição em que se encontravam. E o povo acreditava e mantinha profundo respeito por eles.

Sidarta Gautama, o Buda (iluminado), tomou emprestado essa idéia do bramanismo, acrescentando-lhe outro detalhe: só os sábios é que escapam do círculo de nascimentos e mortes, deixando de reencarnar e atingem o Nirvana, ou seja, a quietude, a serenidade perpétua.

Segundo essa doutrina da reencarnação concebida pelo budismo, onde o espiritismo é um dos seus segmentos, conclui-se que Deus não passa de Ser de ilimitada tolerância, pois não existe pecado. Portanto, roubar, matar adulterar, prostituir-se, mentir e blasfemar não passam de experiências mal sucedidas nesse longo caminho e aprendizado.

Como no budismo, no espiritismo considera-se que essas ações não devem ser cometidas, mas, caso alguém venha a cometê-las, na próxima encarnação deverá expiá-las. Então Herodes, Nero, Hitler e outras monstruosidades que já existiram na história, um dia serão “anjos de luz”.

Não é assim que Deus nos ensina. Eis o que nos afirma a Bïblia em Romanos 14:14: “Assim cada um de nós dará contas de si mesmo a Deus.”

Negar a reencarnação é anular o espiritismo.

Carlos Embassahy, em seu livro “O Mundo Espírita”, Ed. 1953, na pág. 01 assim se expressa:

“A importância da reencarnação é capital. Sem essa doutrina, o espiritismo perderia toda sua base filosófica… sem a reencarnação, estaríamos diante de um completo vazio.”

Por sua vez, Allan Kardec assim se expressa sobre a reencarnação em seu livro “A Gênese”, Ed. 1985, pág. 30:

“A reencarnação é uma das mais importantes leis reveladas pelo espiritismo.”

A doutrina espírita da reencarnação ensina que nossa vida atual neste mundo é repetição de outras existências vividas em outros corpos, ou seja, o estabelecimento de soluções em parcelas, de pendências comportamentais.

No “Evangelho Segundo o Espiritismo”, pág. 67, Kardec afirma que a “reencarnação é a volta da alma à vida corpórea, mas em um outro corpo especialmente formado para ela e que nada tem de comum com o antigo.”

De acordo com a exposição ora feita, observamos que a reencarnação foi concebida como doutrina ou lei do espiritismo, segundo as expressões utilizadas por dois de seus mais respeitados doutrinadores espíritas.

No Cristianismo, aprendemos que a Ressurreição não é lei nem doutrina. É uma realidade que nos foi revelada e vivida pelo próprio Filho de Deus, Jesus Cristo. O seu próprio túmulo está vazio, porque Deus não morre.

O texto bíblico mais antigo a que os espíritas se apegam para “provar” sua teoria reencarnacionalista está em Jó 1:20-21, que assim nos revela:

“Então se levantou Jó, rasgou o seu manto e rapou a cabeça. Depois, caindo prostrado por terra, disse: Nu saí do ventre da minha mãe e nu voltarei; o Senhor deu, o Senhor tirou; bendito seja o nome do Senhor.”

Os doutrinadores espíritas, após esta leitura superficial da Bíblia, se apegam à expressão de Jó: “… e nu voltarei” para tentar provar que o próprio Jó acreditava na reencarnação: após a morte voltaria nu ao ventre de sua mãe, como nascera.

Daí a ânsia constante desses seguidores do budismo, onde o espiritismo é um dos seus segmentos, em recorrer à Palavra de Deus, que eles ignoram em suas doutrinas, para tentar um paralelo ou harmonia entre seus conceitos, o que nos deixam transparecer, claramente, suas grandes dúvidas ou hesitações naquilo que tanto pregam.

Caros irmãos em Cristo Jesus:

Ao abordar um espírita, o cristão CATÓLICO deverá, com bastante amor e à luz da Palavra de Deus, Magistério e Tradição resgatá-lo das trevas onde se encontra e apresentando-o Jesus, não como um “médium”, segundo Kardec, mas como o filho único e Deus e também o único e somente único caminho que nos conduz ao Pai, pois esta é a verdade suprema.

Se porém o cristão for abordado por um espírita e sentir nele o espírito de afronta e de galhofa, deverá, com amor e sabedoria, calar e não fazer o jogo da afronta, como também Jesus calou-se diante de Pilatos ao ser por ele indagado sobre o que era a Verdade, que Ele tanto nos revelou nos Evangelhos.

Pois assim também Jesus nos ensinou:

“Não deis aos cães as coisas santas, nem atireis aos porcos as vossas pérolas, para que não aconteça que as pisem com os pés e, voltando-se contra vós, vos despedacem.” (Mt 7:6)

Louvado seja o santo nome de Deus e do seu Filho Jesus, o que nos concedeu o Espírito Santo, presença constante em nossas vidas.

Amém !

 
Deixe um comentário

Publicado por em 27/02/2014 em Espiritismo

 

Tags:

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: