RSS

O que é o Ministério?

21 jan

MINISTÉRIO DE MÚSICA

Começando a nossa conversa…

O Concílio Vaticano II deu um grande passo ao restaurar os ministérios, redescobrindo sua teologia e a noção de serviço. A partir desta renovação deu-se o florescimento de novos ministérios, principalmente a valorização dos ministérios leigos, realçando o protagonismo do leigo e leiga na ação evangelizadora da Igreja. Sem dúvida nenhuma, isto constitui uma grande riqueza para a própria Igreja.

Mas precisamos esclarecer bem o conceito de ministério para não corrermos o risco de erros ou até mesmo de seu mau uso. O desempenho no ministério depende da consciência da missão que a cada um foi confiada pelo próprio Senhor, que chama.

Mas afinal, o que significa “ministério”?

A palavra “ministério” vem do latim (ministérium) e significa “ofício próprio do servo”. Resumindo, significa serviço. Esta palavra é a tradução de uma outra palavra da língua grega “diakonia”. Podemos dizer que os ministérios eclesiais são todos os serviços prestados em favor do Povo de Deus, tendo em vista a Obra da Salvação, realizada pelo Senhor Jesus Cristo, no exercício de seu ministério público. O próprio Senhor que veio, não para ser servido, mas para servir (cf. Mt 20,28), nos envia, para que façamos o mesmo. Mas na Igreja, nenhum ministério é pessoal, possuem um caráter comunitário: serviço da comunidade. Assim sendo, quando um membro da comunidade eclesial é chamado para servir, deve deixar de lado sua própria vontade para assumir a vontade de Deus. Não é um serviço a si mesmo, mas aos irmãos, principalmente aos mais necessitados, preferidos de Deus. Esta compreensão nos ajudará em muito a atingirmos a gratuidade no serviço e a não fazermos nossa própria vontade, projetos e caprichos em detrimento do bem maior da comunidade e da Igreja.

Mas nem tudo é ministério na Igreja

Embora haja uma variedade de ministérios na Igreja, precisamos saber que nem tudo é ministério, dentro de uma compreensão teológica. Há diferenças mesmo na terminologia para designarmos os serviços na Igreja. Existem os ministérios de fato, e para tal é necessário uma designação das autoridades eclesiais. E temos ainda os serviços que não precisam de uma designação eclesial, e, portanto, não devem ser chamados de ministérios de fato. Ainda em relação à liturgia temos as funções litúrgicas (leitores, acólitos, cantores, etc.).
Hoje é muito comum chamar todo serviço de “ministério”. Precisamos tomar cuidado para não esvaziarmos o seu verdadeiro significado dentro da ministerialidade da Igreja. Mesmo que seja usado, é ainda necessária uma correta compreensão, para que possa ser exercido como tal.
Os chamados “Ministérios de Música”

Os documentos da Igreja que tratam da liturgia não falam de um “ministério de música”. Falam que, a música e o canto possuem um caráter ministerial na liturgia, ou seja, estão a serviço da própria liturgia. Ela, a música, é um meio, não o fim. Porém a Instrução Geral sobre o Missal Romano diz: “Entre os fiéis, exercem sua função litúrgica o grupo de cantores ou coral” (cf. IGMR, nº. 103). A função deste grupo, segundo a IGMR é de executar as partes do canto que lhe cabe e promover a participação da assembléia celebrante no canto. Portanto, a prática pastoral diz que é necessário um grupo para a animação do canto na liturgia. Mas não devemos esquecer que, este grupo faz parte da assembléia, por isso, constitui parte celebrante também. Quem deve cantar é a assembléia, o grupo ajuda, anima, sustenta, mas nunca devem sobressair as vozes dos fiéis, e nem transformar a assembléia em platéia. O grupo de cantores cumpre sua função quando faz a assembléia participar de forma ativa, plena e consciente na liturgia, conforme pede a renovação conciliar sobre a liturgia.
Em muitas comunidades, hoje, é comum encontrarmos os “ministérios de música”. Penso que deveríamos chamá-los de “ministérios de animação do canto litúrgico”. É mais adequado para a função litúrgica que exercem. Muitos destes grupos provem de movimentos eclesiais. Mas, é importante lembrar que, quando um grupo de determinado movimento atua na celebração, ele deve adaptar-se a liturgia da Igreja, onde os cantos devem ser litúrgicos e não simplesmente do movimento a que pertencem, ou de louvor. Estes podem ser usados em outros momentos, como encontros, grupos de oração, etc., mas não na liturgia. É preciso respeitar esta orientação da Igreja.
O que vemos por ai, é que, alguns destes grupos chamados “ministérios de música” não se adaptam as normas litúrgicas, ignorando-as e às vezes desobedecendo ao próprio pastor (presbítero), para impor suas canções à liturgia. Quando um grupo age assim, está deixando de ser um verdadeiro ministério. Uma das qualidades que o “ministério de animação do canto litúrgico” deve ter é a obediência a Igreja. Obediência significa “saber ouvir”. Como uma criança que ouve os ensinamentos dos pais atentamente para saber enfrentar a vida. Saber ouvir o Magistério da Igreja que nos diz como devem ser os cantos na liturgia. Saber ouvir os entendidos em liturgia e música litúrgica para exercer o ministério cada vez melhor. Saber ouvir os Documentos da Igreja que nos dão as normas para a celebração litúrgica. Saber ouvir a voz do pastor. Esta é a verdadeira obediência!

O animador, animadora do canto

A função do animador do canto é uma das mais antigas. Já existia nas sinagogas. Ao cantor cabe a função de animar a assembléia para que ela possa exercer sua participação na celebração através do canto. Deve ter uma boa voz, ouvido musical, senso rítmico e saber comunicar-se com a assembléia celebrante. “Animar o canto da assembléia, de modo que a faça vibrar em uníssono ao cantar estribilhos e refrões ou hinos, ao responder, ao aclamar, com prazer à proclamação das Escrituras, e ainda leva-la a sintonizar profundamente com a Oração Eucarística, dela participando mediante as aclamações, sobretudo o ‘santo’” (CNBB, A Música Litúrgica no Brasil, Estudo 79). Esta função é de suma importância na celebração. É o cantor quem irá coordenar o canto, o grupo de cantores e reger a assembléia, motivando-a para cantar.

O Que é um Ministério de Música

O Ministério de Música é um instrumento de Deus posto a serviço da comunidade para atrair os homens. Seu principal propósito é administrar o Amor, a Palavra e o Espírito de Deus ao seu povo. Com a música e o canto se pode evangelizar, ensinar, inspirar, alentar, profetizar, e é vital na adoração a Deus; por isso, o Ministério de Música deve receber uma atenção cuidadosa.

O Ministério da Música é em si a alegria das assembléias. As pessoas gostam de cantar e Deus gosta que elas cantem, porém é algo mais que entoar um canto, por mais bonito que este seja, é ver o Espírito de Deus amando e formando o homem, transformando-o em criatura nova, moldando-o à imagem de Jesus Cristo. Com os cantos, Deus chega ao coração humano para falar-lhe e atraí-lo para ele; Deus usa os cantos para dar consolo, esperança, gozo, amor e paz. E o homem usa o canto para dar-lhe glória, louvá-lo, para agradecer-lhe, pedir-lhe que, como ele, outro Deus não há.

Um Ministério de Música é formado por pessoas que encontram-se com Deus; converteram-se a ele; freqüentam os sacramentos; conhecem a Palavra de Deus; dão testemunho de vida; vivem uma relação pessoal com Deus, na oração e com os homens na comunidade; formam Igreja; possuem inquietações musicais; encontram seu serviço neste Ministério.
Há nas comunidades muita gente que Deus chamou para este serviço, que resistem a ele, quem sabe ser por forçado compromisso, logrando com isso um pobre crescimento espiritual e um sofrimento, porque não vêem claro, não obedecem ou não entendem qual é a vontade de Deus para eles. Além disso, pelo atrativo deste Ministério, sua simplicidade e sobretudo sua projeção nos grupos de oração faz com que um grande número de pessoas se aproximem dele (em especial jovens), para expressar com cantos o que o seu coração sente. Normalmente se apresentam duas características fundamentais naquele líder que dirige este ministério: Uma é a espiritual e a outra, a musical. Estas duas características podem se apresentar numa mesma pessoa, ainda que não seja de todo necessário, já que existem ministérios que têm dois dirigentes ou cabeças; um dirige a questão espiritual do grupo, enquanto que o outro dirige a musical. O líder deve apresentar claramente a visão do Senhor para o grupo, seus propósitos e suas metas. O cabeça do grupo deve cuidar também dos membros de uma maneira individual, ajudar a cada pessoa a amadurecer e a ser um membro que contribua. O líder deve elevar a expectativa de todos, levá-los a um aprofundamento espiritual, ajudá-los a manter o entusiasmo no que diz respeito ao serviço do Senhor. Se o líder é profundo em sua relação pessoal com Deus, o Ministério de Música ver-se-á acrescentado em seu serviço. A piedade, a confiança, a simplicidade e a alegria são dons que não devem faltar ao dirigente. O líder do Ministério de Música deve buscar a ajuda e submeter-se às decisões feitas por outros líderes, o Conselho Paroquial e o sacerdote, assim como deve estar aberto às sugestões dos membros do grupo. Isto ajuda a evitar que se vanglorie e que se sinta dono de “seu ministério”. Se o líder se submete a outros líderes, crescerá em humildade e serviço, e chegará à conclusão de que o que possui não é seu, mas de Deus. Aprenderá a não extinguir o Espírito, sendo instrumento dele. O dirigente se encarregará de guiar musicalmente o grupo; escolhendo convenientemente os cantos e a música que se expresse, afetará o crescimento dos que recebem a mensagem. O dirigente fomentará o estudo musical no grupo, por meio de ensaio. A paciência é um dom indispensável para realizar este trabalho: O ministério é o reflexo de seus ensaios. Renovará apropriadamente o repertório com cantos novos inspirados pelo Espírito Santo. Não esquecerá aqueles cantos que sejam tradicionais ou formem parte vital de cada um. Partilhará novos cantos com outros Ministérios de Música. Poder-se-ão usar todos aqueles instrumentos com os quais se louva o Senhor (Sl 150). Por outro lado, se evitarão aqueles instrumentos que desviem a atenção dos que oram. Por mais belo que seja o som de uma instrumento musical, sua principal função é e será acompanhar a voz do homem, não sobrepujá-la. Evitar que o som instrumental demasiado forte abafe as vozes. Também se deve evitar que um instrumento abafe outros. A função dos músicos é a de reforçar o trabalho do dirigente, possibilitando a rápida aprendizagem dos cantos. Sua postura é a de refletir Deus e não distrair a atenção do assistente e as celebrações. Entre o coral e o dirigente deve haver tal comunhão que não se precisa de muitas palavras para comunicar-se. Nada mais comovedor que a voz do cantor no templo. Esta música não é somente adorno. Quando o cantor expressa sua fé, chega à essência do culto, do louvor a Deus. Seu canto amplifica o significado das palavras e é uma apaixonada expressão de fé. O canto deve chegar ao coração de Deus. É o cantar do nosso coração ao coração de Deus. A função do animador é a de mover e animar tanto a assembléia como o próprio grupo. Sua participação sempre alegra, ajuda a que todos louvem a Deus. É elemento fundamental de unidade no grupo. Os técnicos se darão à tarefa de manter em ótimas condições a equipe e instrumento musicais. Estudar e analisar os lugares onde o ministério se apresentará com a finalidade de adaptar a equipe à acústica de cada lugar.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 21/01/2015 em Uncategorized

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: