RSS

RAZÕES PARA NÃO SER PROTESTANTE OU PARA NÃO SER CATÓLICO

28 mar

É muito comum na Web encontrarmos textos de católicos e protestantes
justificando porque aderiram ou repudiaram ao catolicismo ou ao protestantismo.
Qualquer pessoa que esteja com dúvidas sobre sua fé por certo terá dificuldades
em entender todos os contextos.
E mesmo que esta pessoa possa compreender a maioria dos apontamentos, não
saberá definir para si próprio o caminho que deve abraçar.
Católicos escrevem razões porque alguém não deve ser protestante.
Protestantes dizem porque deixaram de ser católicos e vice-versa.
Basicamente, os protestantes acusam os católicos de práticas antibíblicas.
Os católicos por sua vez, comprovam que os protestantes não seguem a Bíblia
quando adotam ou eliminam dogmas e credos previstos nas sagradas escrituras.
Mas quem está com a razão ?
Provaremos que são os católicos que estão certos.
Mas como ?
Ora, o protestante parte de um critério de homens para contestar o
catolicismo.
Como assim ?
O critério “Só a Bíblia” ou Sola Scriptura é um critério meramente
humano.
O tal critério não está previsto na Bíblia.
Também sabemos que Jesus nunca disse: “Só a Bíblia”.
E tampouco os apóstolos que lhe sucederam o disseram.
Como surgiu o critério “Só a Bíblia” ?
Partiu de Lutero. Lutero homem e pecador.
Lutero fundador do protestantismo:
Martinho Lutero: “Cristo cometeu adultério pela primeira vez com a
mulher da fonte, de que nos fala São João. Não se murmurava em torno dele: “Que
fez, então, com ela?”, depois com Madalena, depois com a mulher adúltera, que
ele absolveu tão levianamente. Assim Cristo, tão piedoso, também teve de
fornicar antes de morrer.” (Tischreden, nº 1472, ed. Weimer, 11, 107)”.Quando
um protestante diz “Só a Bíblia”, deveria usar pare ele próprio o critério que
pretende estabelecer para os demais.
É no mínimo repugnante que alguém cobre de outro aquilo que ele próprio não
faz.
E como sabemos que os protestantes não seguem a Bíblia ?
Porque deixam de observar regras fundamentais estabelecidas pelo livro sagrado.
Podemos destacar duas destas regras:
1)A Bíblia diz que interpretação alguma é de caráter individual. O protestante
faz o contrário. Ele diz que todo e qualquer homem pode interpretar a Bíblia
com o auxílio do Espírito Santo.
Diz o protestante que a Bíblia é de fácil interpretação.
No entanto para justificar seus desvios e teorias usa aramaico, hebraico e
grego, o que por si só invalida a dita “facilidade” na interpretação da Bíblia
.
Perguntamos se todo e qualquer protestante conhece os idiomas aqui citados ?
Então como o protestante pode dizer que é fácil interpretar a Bíblia ?
E se todos são assistidos pelo Espírito Santo, por que cada um tem sua própria
doutrina, se sabemos que o Espírito Santo nunca se divide ?
2)A Bíblia diz que a Igreja é coluna e sustentáculo da verdade. O que isto
significa ? Significa que sem a igreja a verdade não se sustenta. O
protestante, fazendo o contrário, diz que igreja não serve para nada.
Por outro lado, além das regras não observadas pelos protestantes, outras
disposições bíblicas são totalmente ignoradas por eles em conseqüência da não
observância dos critérios iniciais.
Podemos citar a não observância da Bem Aventurança de Maria, a recitação do Pai
Nosso e a confissão dos pecados. Ora, os apóstolos receberam poder para reter e
perdoar pecados. Como alguém pode reter pecados ou perdoá-los se ninguém irá
confessá-los ? Teria Jesus Cristo dado uma ordem sem sentido aos seus apóstolos
?
Portanto, temos três principais erros que levam o protestante a cometer todos
os demais desvios.
Primeiro: A Bíblia não diz ser a única fonte de revelação. Nem Jesus o disse.
Nem os apóstolos. Pelo contrário, São Paulo nos ensinou que guardássemos as
tradições de tudo que nos foi ensinado. E a própria Bíblia ensina que muitas
outras coisas foram feitas e ditas por Jesus, as quais não foram escritas.
Segundo: O protestante ignora que a Bíblia não pode ser interpretada
privadamente. Ou seja, nem todos podem ser intérpretes. No protestantismo todos
se julgam intérpretes.
Terceiro: O protestante ignora que somente a Igreja é coluna e sustentáculo da
verdade. A Bíblia não fala de si mesma como sendo coluna e sustentáculo da
verdade.
A partir das deficiências protestantes em entender o papel da Igreja e da
Bíblia, todos os demais enganos são consequências de interpretações bíblicas à
margem do magistério da Igreja.
Além disto, existe o ranço contra o catolicismo, que parece ser prioridade
entre os protestantes, e que faz surgir uma animosidade, que elimina qualquer
gesto de boa vontade para compreensão dos dogmas de fé e doutrinas católicas.
Onde está a solução da questão ?
Ora, os católicos não estão obrigados ao “Só a Bíblia”. Este é um critério
meramente humano. Não foi criado por Jesus, nem pela Bíblia e nem pela Igreja,
mas somente por Lutero. E Lutero é ídolo dos protestantes e não dos católicos.
Quem escolheu Lutero e rejeitou a Igreja foi o protestante.
Os católicos não estão obrigados a provarem suas crenças e costumes pela
Bíblia.
Os católicos seguem corretamente o magistério da Igreja, coluna e sustentáculo
da verdade(Timóteo).
Os católicos corretamente ouvem a interpretação da Igreja, pois sabemos que
interpretação alguma é de caráter particular. O que escrevo aqui não ouvi de
mim mesmo.
Ora, uma vez que nem todas as coisas que foram feitas e ditas por Jesus estão
escritas, como poderiam estar todas estas mesmas coisas na Bíblia ?
Ora, se São Paulo nos ensina que devemos guardar a tradição, por que deveríamos
ignorar a transmissão oral que é a tradição viva ?
Ora, se os cristãos dos 350 primeiros anos não dispunham de Bíblia e por certo
eram melhores do que nós e seguramente foram mais provados, como é possível
tornar a Bíblia maior do que Cristo e sua Igreja ?
Ora, não é a Igreja anterior à Bíblia ?
Foi a Igreja que criou a Bíblia ou a Bíblia que criou a Igreja ?
Não é DEUS antes de todas as coisas ? Como é possível ao protestante criar um
DEUS que está restrito a tinta, ao papel e a interpretação de cada homem ?
Sem Bíblia, como foi possível transmitir o cristianismo nos 350 primeiros anos,
exceto pela tradição oral ?
Quem está obrigado ao critério “Só a Bíblia” é quem dele se utiliza para julgar
aos demais.
É o protestante e somente ele que precisa provar pela Bíblia suas teses,
teologias e doutrinas.
É pela Bíblia que devem provar Lutero, Calvino, o protestantismo, o Canon, a
Bíblia protestante, as traduções que usam e também o tradutor “insuspeito” dos
protestante João Ferreira de Almeida.
Não fosse tudo o que já dissemos acima, bastaria verificar que um protestante
não concorda com o outro em matéria de fé e doutrina.
Tão logo surge uma discordância já surge uma nova “igreja”.
Uns batizam e outros não. Uns acatam o divórcio e outros tantos o repudiam. Tem
quem case pessoas do mesmo sexo e tem quem se recuse a fazê-lo. Tem quem
condene e quem aprove o sacerdócio feminino.
As diferenças são tantas que já podemos contar somente no Brasil mais de 50.000
seitas. Tem até quem defenda o aborto ou o evangelho judaizante.
Como podem estar todos certos ao mesmo tempo ?
Como podem todos ter interpretado corretamente a Bíblia se a Bíblia de todos é
a mesma e se as doutrinas de cada um não correspondem às doutrinas de outro ?
Quem procurar na internet não terá dificuldades em encontrar protestantes
chamando outros protestantes de hereges. Uns condenando as doutrinas dos
outros.
Não há protestante que não tenha chamado outro protestante de herege. E quem
chamou outro de herege provavelmente também já foi chamado ou ainda será.
Quando um protestante lista suas razões para não ser católico, reparem sempre
meus amigos que as razões fazem referências a textos bíblicos soltos.
É sempre um tal de “biblicamente correto ou porque a palavra diz isso ou aquilo
ou ainda porque isto não está na Bíblia…”
Além de interpretações equivocadas, já que ao contrário do que diz a Bíblia,
cada protestante sente-se um intérprete e acaba interpretando do seu jeito, o
critério usado “Só a Bíblia” nunca é provado.
O protestante parte de uma premissa falsa para contestar o catolicismo e
esquece-se de provar para si mesmo que o critério que ele utiliza é o critério
adequado.
Tudo isto engana os mais inocentes, que chegam ingenuamente a acreditar que a
Igreja que compilou e traduziu a Bíblia não dispõe de homens que lêem a Bíblia
ou que já leram.
Imaginem se seria possível que nos últimos 2000 anos todos os católicos, vivos
e mortos, incluindo mais de 260 papas, jamais tivessem tido a idéia da
consultar as Sagradas Escrituras ?
Por outro lado, quando um católico lista suas razões para não ser protestante
ou para deixar o protestantismo, sempre são provados os enganos e erros
protestantes a partir da não observância dos critérios bíblicos que
evidenciamos acima.
Reparem que um protestante, contestando textos católicos, nunca esgota um tema.
Vencido em um argumento, ele parte imediatamente para outro tema sem esgotar o
primeiro.
Confrontado, um protestante nunca responde objetivamente o que lhe é
perguntado, mas antes faz outras duas perguntas para desviar seu oponente do
tema para o qual não tem resposta.
E isto acontece rapidamente, tão logo um católico pergunte a um protestante
onde está escrito que a Bíblia ensina “Só a Bíblia”.
Antes mesmo de um protestante listar suas razões para não ser católico, deveria
enumerar os motivos pelos quais ele integra uma determinada denominação
protestante e não as outras 49.999 denominações.
Desejando ser honesto, o protestante deveria mencionar uma a uma e as razões
porque não adere a cada uma das quase 50.000 outras seitas.
Afinal de contas, todo protestante parece conhecer todas as seitas e todos os
crentes do mundo inteiro em todos os tempos.
Como assim ?
Porque ele mesmo, sem conhecer todas as 50.000 seitas e todos os seus crentes,
entende que todos estão salvos a partir do “aceitar Jesus” e porque todos se
consideram “irmãos em Cristo”, ainda que cada um pregue um Cristo diferente ou
ainda que ele protestante não conheça o tipo de cristianismo que é praticado ou
apresentado em outras denominações.
O que “garante” salvação é o rótulo protestante adquirido a partir do momento
que alguém levantou o dedo em uma denominação protestante e fez o favor de
“aceitar” Jesus.
Para finalizar citamos uma outra contradição que prova a debilidade da doutrina
protestante:
O protestante que desconhece a diferença entre infalibilidade e impecabilidade,
contesta a igreja e o papado.
(Comentário: O papa é infalível quando se pronuncia em matéria de fé e
doutrina. Não se ensina no catolicismo que o papa não é pecador).
Diz o protestante que todos os homens são pecadores e portanto falhos em suas
interpretações.
O protestante que contesta a infalibilidade papal pretende impor aos seus pares
e aos católicos sua particular doutrina.
Onde está a contradição ?
O protestante, antes mesmo de convencer os demais que sua doutrina é a doutrina
correta, necessita convencer os demais que homem algum é confiável.
Ora, se o protestante antes mesmo de defender sua doutrina tem que convencer a
todos que o homem algum é digno de confiança em matéria de fé e doutrina, por
que acha que quem lhe ouve deveria com ele concordar ?
Como pretende o protestante impor seus conceitos ao católico, se antes de
qualquer outra coisa pretende negar-se a si próprio como intérprete infalível ?
São os próprios pregadores protestantes que negando a si mesmo dizem: “…não é o
que o pastor está falando, mas é ao que diz a palavra.”
Como pretendem unidade aqueles que contestam o dogma da infalibilidade ?
(Comentário: É de fato impossível ao protestante defender a infalibilidade de
um eventual protestante, seita ou conselho protestante se todos negam o dom da
infalibilidade. Como admitir a infalibilidade entre protestantes e negar a
infalibilidade da igreja peregrina que deu origem a tudo que está relacionado
ao cristianismo ?)
Como pretendem fazer discípulos aqueles que negam a si próprios ?
Como pretendem eliminar do meio protestantes todas as heresias, se todo e
qualquer homem pode ser um intérprete da Bíblia “infalível” para si mesmo ?
(Comentário: O processo que dá origem a uma denominação protestante séria é o
mesmo que dá origem a uma denominação protestante repleta de heresias. Se todos
podem fundar denominações e dizer-se inspirados pelo Espírito Santo, como deter
os maus e ignorantes ? Como saber previamente se aquele que diz ter tido uma
visão para fundar uma nova denominação é um homem temente a DEUS ou se é um abutre
?)
Ora meus amigos, o protestante crê apenas na sua própria “infalibilidade”.
Julgando-se sábios aos seus próprios olhos, ele acaba sendo infalível apenas
para si mesmo.
Concluímos que os filhos de Lutero, mesmo que não queiram, acabam fazendo
exatamente as obras de seu pai:
“Quem não crê como eu é destinado ao inferno. Minha doutrina e a doutrina de
Deus são a mesma. Meu juízo é o juízo de Deus(Martinho Lutero – Weimar, X, 2
Abt, 107)”
Católicos, provem como sempre seus credos pelo magistério da Igreja, pela
Bíblia e pela transmissão oral.
Desta forma, jamais serão vencidos.
Protestantes: Façam um teste. Tentem provar todos os seus credos e costumes
pela Bíblia.
Nem mesmo a rebeldia protestante pode ser provada pela Bíblia.
Agora pense meu amigo que me lê, seja católico ou protestante:
Em tudo na vida, quando temos dúvidas sobre a seriedade e luminosidade das
propostas que nos apresentam, devemos lembrar de algumas regras que podem fazer
cair por terra as doutrinas e ideologias que nos remetem aos erros.
Uma destas regras é a unidade.
Ora, a verdade não se divide. A verdade é una.
Quando te apresentam uma doutrina que mais divide do que agrega, pode acreditar
sem medo de errar que seus defensores estão longe da verdade.
Não existe meia verdade.
Meia verdade também é meia mentira.
No caso específico do debate entre protestantes e católicos, além da regra da
unidade, quando alguém estiver com dúvidas sobre os textos que descrevem as
razões para não ser católico e as razões para não ser protestante, lembre-se de
pedir a cada parte que prove suas teorias, teologias, doutrinas e costumes
pelos critérios que pretendem impor aos outros.
Você pode perguntar sem receio de se deparar com um protestante que
eventualmente viva exatamente de modo correto todo o contexto da Bíblia.
Se isto fosse possível, o tal seria católico e não protestante.
Os católicos vivem exatamente o que pregam para os protestantes. Ninguém pode
nos acusar do contrário.
Atendemos ao magistério da Igreja, coluna e sustentáculo da verdade e por isto
nos chamam de papistas.
Confiamos na transmissão oral e portanto para nós nem todas as coisas precisam
estar na Bíblia e por via de consequência nos acusam em alto e bom som:
“Católicos leiam a Bíblia”.
Pregamos a veneração a Virgem Maria e aos santos e nossos acusadores
protestantes nos dizem: “Mariólatras, idólatras !”.
Pregamos a Eucaristia e a vivemos intensamente. O que dizem os nossos
opositores ? “A hóstia católica é só uma bolachinha.”
Dizem ainda os protestantes sobre a Eucaristia Católica: “Os católicos
crucifixam a Cristo em cada Missa”.
Então Cristo está de fato vivo na Eucaristia Católica ?
Então Cristo está verdadeiramente presente na Santa Missa ?
Enfim,
Pregamos ainda o purgatório e a confissão e por isto somos repudiados.
Pregamos o batismo de crianças e disto nos acusam os protestantes aos gritos:
“As crianças não possuem capacidade de entendimento.”
Ora, no passado alguns perguntaram a Jesus: “Então, tu és o Filho de Deus?”
O que lhe respondeu o Senhor da Glória ?
Respondeu ele: “Vós o dizeis: eu o sou!”
São os protestantes com suas críticas e apontamentos que dão testemunho de nós
e da doutrina da Santa Igreja que pregamos e e vivemos.
Por outro lado, se vivemos tudo que pregamos aos protestantes, provamos também
que os defensores do “Só a Bíblia” não vivem o que a Bíblia ensina e portanto
não vivem pelo conceito que pretendem impor a nós católicos.
Se ainda você tiver dúvidas, pergunte ainda a cada católico e a cada
protestante quais são as suas fontes de revelação.
E uma vez que cada parte respondeu, peça provas de que tais fontes de
revelações são divinas e não apenas meras doutrinas de homens.
E sendo você católico, nunca se esqueça, que não estamos obrigados a provar
tudo pela Bíblia. Foram os protestantes que se obrigaram ao “Só a Bíblia”.
Não estamos dizendo que católicos são melhores do que protestantes.
Não duvidamos que existem protestantes que levam vidas mais saudáveis do que
católicos.
Reconhecemos o direito de todos homens e mulheres aderirem e professarem a fé
que lhes pareçam mais convenientes.
Limitamos nossas questões aos aspectos de fé e doutrina.
O que não aceitamos é o velho “pulo do gato” protestante de exigir de um
católico que prove tudo pela Bíblia antes mesmo do protestante provar para si
próprio e para os demais que o critério por ele escolhido vem de DEUS e não dos
homens.
E todos nós sabemos que o critério protestante “Só a Bíblia” veio da árvore má
que é Lutero.
Quem cobra de mim deve ser o primeiro a fazer o que me pede.
Quem diz “Só a Bíblia” deve de fato considerar a Bíblia e assim não pode
ignorar que interpretação alguma é de caráter pessoal e tampouco que a Igreja é
coluna e sustentáculo da verdade.
Quem diz “Só a Bíblia” deve provar todos os seus conceitos pela Bíblia que jura
defender, inclusive que todas as coisas estão na Bíblia e que a Bíblia é a
única fonte de revelação.
Autor: A.Silva/V.de Carvalho

 
1 comentário

Publicado por em 28/03/2015 em Uncategorized

 

Uma resposta para “RAZÕES PARA NÃO SER PROTESTANTE OU PARA NÃO SER CATÓLICO

  1. Marcos

    03/04/2015 at 3:08 pm

    Parabéns pelo valioso texto, de suma importância para nós católico que professamos verdadeiramente a nossa fé.

     

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: