RSS

Defendamos a Missa Católica!

22 set

Algumas pessoas podem correr o risco de participarem da Missa apenas de modo emocional e sentimental. Buscam Missas diferenciadas apenas para celebrar seus momentos sociais ou procurarem por cura e libertação. De fato, pela Missa podemos agradecer a Deus tantas coisas e podemos pedir outras, no entanto, esse não pode ser o nosso foco. Sobretudo, não podemos antagonizar a Missa Católica a um “novo estilo de Missa”, como se o modo de celebrar, seguindo as normas litúrgicas e o Missal, sem adendos, fosse “morto”, “sem emoção”, sem “tocar”. Ora, o Rito romano é único para todas as nossas paróquias e nenhum ministro ordenado pode modificá-lo sem que haja um ordenamento da Igreja. Se algum movimento da Igreja vive a Missa de uma maneira diferente, ele é livre para isso, desde que não se firam as normas litúrgicas, nem se menospreze a Missa que não siga tal escopo. Missa é Missa, não precisa de adjetivos!

A grandeza infinita da Santa Missa deve fazer-nos compreender que não somos sujeitos da Liturgia, protagonistas dela, mas sim Jesus. Amor e adoração devem ser as práticas mais dominantes nos ritos e não a nossa emoção; mesmo que eu não “sinta” nada, a Missa continua com seu valor; mesmo que eu não tenha vontade de ir à Missa, devo ir porque objetivamente ela é meritória e me santifica. O estado de alma, na hora da celebração, deve ser o mesmo em que se achava o nosso divino Redentor, quando fez o sacrifício de si mesmo: uma humilde submissão do espírito, isto é, a adoração, o amor, o louvor e ao agradecimento à Suma Majestade de Deus. E mesmo que eu não consiga dispor minha alma para isso, o Senhor completa em mim o que não posso ou que não consigo. O verdadeiro modo de assistência à Santa Missa é aquele que nos torna vítimas imoladas como Jesus, que nos põe à Mesa de seu Banquete, mesmo sem merecimento. É unir nosso sacrifício ao Dele, sem resistências de modo a “reproduzir em nós os sofrimentos de Jesus”, dando-nos “uma união comum com Cristo em seus sofrimentos e a conformidade com Ele e sua morte” (Fl 3,10).

São Gregório Magno ensinava: “O santo Sacrifício do altar será para nós uma Hóstia (vítima) verdadeiramente aceita por Deus, quando nós mesmos nos fizermos vítimas.” Por isso, nas antigas comunidades cristãs os fiéis, para a celebração da Santa Missa, tendo à frente o Papa, iam em procissão até o altar, vestidos com vestes de penitência e cantando a Ladainha dos Santos. Na verdade, quando vamos à Santa Missa, devemos ir, repetindo com São Tomé: “Vamos nós também para morrermos com Ele!” (Jo 11, 16); vamos nós também para nos entregarmos a Ele, nos unirmos ao seu amor! Vamos nós também para nos comprometermos com os pobres, os esquecidos, os doentes, para sermos sal e luz deste mundo! Quando Santa Margarida Maria Alacoque assistia à Santa Missa, e ficava olhando o altar, não deixava nunca de lançar um olhar para o crucifixo e para as velas acessas. Para que se imprimissem bem duas coisas na mente e no coração: o crucifixo fazia-lhe lembrar o que Jesus tinha feito por ela; e as velas acesas lhe recordavam o que ela devia fazer por Jesus, isto é, sacrificar-se e imolar-se por Ele e pelas almas, se consumir de amor pelos irmãos, em todas as suas necessidades, sem discriminação; servir aos humildes e ter misericórdia para com os pecadores.

Nunca refletimos bastante sobre o Mistério maravilhoso da Santa Missa que renova sobre os nossos altares o Banquete Sagrado da última Ceia e o Sacrifício do Calvário. Nunca amaremos demais a Eucaristia; nunca nos curvaremos demais à Liturgia; nunca refletiremos o bastante sobre nosso compromisso de amor aos pequenos; nunca receberemos tantas graças de misericórdia, senão pela Missa. Santa Teresa de Jesus dizia às suas filhas: “Sem a Santa Missa, que seria de nós? Tudo pereceria neste mundo, pois somente ela pode deter o braço de Deus.” Sem a Santa Missa, certamente muitos de nós já teríamos nos perdido, certamente viraríamos animais e não homens. “Sem a Santa Missa, a Terra já teria sido aniquilada, há muito tempo, por causa dos pecados dos homens.”, ensinava Santo Afonso de Ligório. Segundo São Tomás de Aquino: “A Eucaristia é o sacramento do Amor, significa amor, produz amor”. Defendamos a Missa Católica, ela é nosso dever, nosso direito e nossa salvação.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 22/09/2015 em Uncategorized

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: