Qual a diferença entre o padre diocesano e o padre religioso?

Muita gente pergunta e muita gente não sabe responder: qual a diferença entre o padre diocesano e o padre religioso? Antigamente usávamos a indicação de “padre secular” e “padre regular”, indicando a mesma diferença específica. Esta diferença não é formal, substantiva ou meramente de ordem jurídica ou prática, mas de ordem teológica e histórica. O padre dito “diocesano” possui a vocação e a missão próprias de representar Cristo cabeça e Pastor da Igreja diante de uma comunidade paroquial ou função dada pelo Ordinário local (quase sempre o Bispo). Foi esse o chamamento de Cristo: evangelizar, pregar, curar, exortar, ensinar e estar à frente das ovelhas.

Ligado a uma diocese (incardinado), o presbítero diocesano cumpre seu dever de pastor intimamente ligado ao seu Bispo, à serviço do território diocesano (incardinado e residente) ou fora dele, segundo as prescrições e mandatos do Ordinário local (incardinado e não residente). Este padre cumpre sua vocação servindo às necessidades da diocese. Possui uma espiritualidade singular: a de ser Cristo Sacerdote e Pastor em qualquer realidade a que seja enviado ou investido. Tal espiritualidade não exclui outras possíveis, que o sacerdote abraça segundo sua consciência e gosto pessoal.

O padre dito “religioso” é verdadeiro sacerdote, porém antes de ser representante de Cristo diante da comunidade, é chamado – em razão de sua vocação primeira que é a vida consagrada – a representar uma comunidade específica, que pode ser uma “Congregação” ou uma “Ordem”. Nestas instituições, o consagrado faz primeiro sua “Consagração”, através de votos solenes, assumidos de forma pública ou privada. Normalmente, esses votos são em número de três: pobreza, castidade e obediência, podendo variar de um Instituto para outro. O presbítero religioso é vocacionado acima de tudo a um autêntico ministério profético, que se chama “carisma”, e que é próprio em cada Instituto de Vida Consagrada. Cada Congregação ou Ordem religiosas possuem um carisma que é desenvolvido tanto internamente, entre os Irmãos, quanto externamente, junto do povo.

O padre religioso é incardinado em seu Instituto e deve obediência primeira ao seu Superior próprio Geral e também aos superiores imediatos. Enquanto estão inseridos na realidade de uma paróquia e de uma diocese, devem também obediência ao Bispo diocesano, em especial ao que tange aos assuntos pastorais e financeiros do lugar onde trabalham. Estes padres são estão ligados a um território ou função – como os diocesanos – mas à sua missão à qual é delegada pelo Superior de cada Comunidade religiosa. Assim, este padre tanto pode trabalhar na arquidiocese de Niterói quanto do Rio; ir para o Nordeste ou para sul e, até mesmo, para fora do Brasil.

Não se entra na vida consagrada religiosa para a realização da vocação presbiteral. Quem quer ser padre, deveria procurar a diocese. Entra-se numa Congregação ou Ordem para ser um “religioso”, alguém que se identifica com aquele carisma próprio do Instituto e que deseja consagrar-se segundo os votos de pobreza, castidade e obediência. Portanto o padre religioso tem uma vocação própria, uma índole própria que não pode, de forma alguma, ser confundida com a do padre diocesano.

Concluo, lembrando que antigamente usava-se a nomeação de “secular” para os padres diocesanos e “regular”, para os religiosos. Essa razão baseia-se no fato de que os padres diocesanos estariam missionando mais no “século” (mundo) e vivendo nele mais que os religiosos. Estes, através normalmente de uma “Regra” (“regula”, em latim), que seriam determinações precisas para a vida cotidiana, estariam agrupados em conventos ou mosteiros. Até fariam missão fora, mas deveriam viver em associação em casas comuns. Até hoje é assim: o padre diocesano reside na paróquia em que trabalha ou noutro lugar segundo as recomendações de seu Bispo e pode estar sozinho. Já os religiosos habitam em conventos, em mosteiros ou em paróquias, mas com a obrigação da vida comum e fraterna com outros membros do Instituto religioso.

Anúncios
Publicado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Sugestão de Leitura
Nós Somos a Igreja Católica

 

 

Santa Missa – Passo a Passo

 

A Santa Missa parte por parte – Professor Felipe Aquino
Curso de Mariologia – Introdução, AT – profecias sobre a mãe do Messias, NT – Maria nos textos de Paulo, Marcos e Mateus – Frei Diones Rafael Paganotto
Curso de Mariologia – Maria nos textos de Lucas – Frei Diones Rafael Paganotto
Curso de Mariologia – Maria nos textos de João – Frei Diones Rafael Paganotto
Curso de Mariologia – Ave-Maria e Irmãos de Jesus – Frei Diones Rafael Paganotto
Curso de Mariologia – Maria nos apócrifos – Dogma, Heresia, Revelação – Frei Diones Rafael Paganotto
Curso de Mariologia – Dogmas sobre Maria – Frei Diones Rafael Paganotto
Curso de Mariologia – Ano litúrgico, Liturgia e Manifestações devocionais – Frei Diones Rafael Paganotto
Curso de Mariologia – Comunhão dos santos, Intercessão, Culto mariano, Imagem, ídolo e ícone – Frei Diones Rafael Paganotto
Curso de Mariologia – Rosário, Documentos do Magistério e Aparições – Frei Diones Rafael Paganotto
Curso de Mariologia – Maria e o Cristianismo, Nossa Senhora Aparecida e Conclusão – Frei Diones Rafael Paganotto
Sagrada Escritura – Parte 1 – Professor Felipe Aquino
Sagrada Escritura – Parte 2 – Professor Felipe Aquino
Pentateuco – Professor Felipe Aquino
Os Livros Sapienciais do Antigo Testamento | Prof. Felipe Aquino
Sagrada Tradição da Igreja – Professor Felipe Aquino
Sagrado Magistério da Igreja – Professor Felipe Aquino
Uma história que não é contada (Parte 1) – Professor Felipe Aquino
Uma história que não é contada (Parte 2) – Professor Felipe Aquino
O Santo Terço Explicado – Professor Carlos Ramalhete

 

Formação sobre canto e música litúrgica

 

Curso de Canto Gregoriano – Parte 1

 

Curso de Canto Gregoriano – Parte 2

 

Curso de Canto Gregoriano – Parte 3

 

Curso de Canto Gregoriano – Parte 4
Curso de Canto Gregoriano – Parte 5
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 1
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 2
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 3
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 4
Introdução ao estudo dos Dogmas da Igreja Católica – Márcio Carvalho
Curso Teologia Fundamental – Parte 1 – Padre Vitor José
Curso Teologia Fundamental – Parte 2 – Padre Vitor José
Curso Teologia Fundamental – Parte 3 – Padre Vitor José
Mídia Católica
Magnificat anima mea Dominum

 

Atualizações
Translator
Italy
Calendário
setembro 2015
D S T Q Q S S
« ago   out »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  
Visitantes
  • 3,125,231 acessos desde 01/05/2011
religião e espiritualidade
religião e espiritualidade
Categorias
LINKS
%d blogueiros gostam disto: