O Dogma da Virgindade perpétua de Maria

Que a Virgem de Nazaré, tenha sido mesmo virgem, este é um dado claramente atestado no Novo Testamento. Os Evangelhos de Mateus e Lucas não deixam lugar para dúvidas de que Maria era virgem no tempo de conceber o Filho de Deus.

Vejamos o que diz o dado bíblico:

Em São Mateus 1,18-25 encontramos quatro referências à virgindade da Mãe de Jesus:

v.18 “[…] e, antes de coabitarem juntos, ela ficou grávida pela ação do Espírito Santo”.

v.20 “[…] não tenha medo de receber Maria como esposa, porque ela concebeu pela ação do Espírito Santo”.

v.23 “Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho […]”

  1. 25. “e, sem que José a tivesse conhecido, ela deu à luz um filho […]”.

E o evangelista Lucas 1,34-35 nos diz que: “Maria perguntou ao anjo: ‘Como vai acontecer isso, se não vivo com nenhum homem?’ O anjo respondeu:’ ‘Espírito Santo virá sobre você, e o poder do Altíssimo a cobrirá com sua sombra. Por isso, o Santo que vai nascer de você será chamado Filho de Deus’”. Veja. A Bíblia usa conhecer para “ter relações”. Ora, Maria aqui diz que não as teve.

Por isso, os primeiros Padres da Igreja e os primeiros credos sustentam sem exceção a verdade da concepção virginal. Por que a Igreja sempre insistiu que os cristãos creiam em Jesus ‘nascido da Virgem Maria’? Porque a maternidade virginal de Maria é a garantia da divindade e da humanidade de Jesus.

No Símbolo dos apóstolos, no credo de Nicéia, nos primitivos credos batismais de Roma e África, os cristãos professavam constantemente crer em Jesus ‘nascido da Virgem Maria’. Para os primeiros cristãos, crer em Jesus era crer na virgindade de Maria.

Por tanto, nós católicos professamos que ‘a Santíssima Virgem Maria’, foi virgem antes do parto, no parto e depois do parto. Cremos que somente teve um filho, Jesus, e este foi gerado por obra e graça do Espírito Santo.

Muitos cristãos não católicos, hoje em dia, não compartilham a mesma opinião. Por isso queremos aprofundar esse tema a luz do que a palavra de Deus nos ensina.

Estudaremos agora os argumentos que nossos irmão não católicos utilizam para afirmar que Maria não permaneceu sempre virgem.

  1. a) Argumento 1: A Bíblia fala dos irmãos de Jesus

Devido o que a Bíblia fala dos irmãos de Jesus, nossos irmãos não católicos interpretam que são filhos de Maria. Vejamos quais são estas passagem em questão:

“Não é ele o filho do carpinteiro? Não se chama a mãe dele Maria e os seus irmãos Tiago, José, Simão e Judas? E as suas irmãs não vivem todas entre nós?” (Mt 13,55-56).

“Não é este o carpinteiro, o filho de Maria, irmão de Tiago, Joset, Judas e Simão? E as suas irmãs não estão aqui entre nós? E se escandalizavam por causa dele” ( Mc 6,3).

“Chegaram então sua mãe e seus irmãos e ficando do lado de fora, mandaram chama-lo. Disseram-lhe: “Eis que tua mãe, teus irmãos e tuas irmãs estão lá fora e te procuram” ( Mc 3,31-32).

“Todos estes unânimes, perseveravam na oração com algumas mulheres, entre as quais Maria, a mãe de Jesus, e com seus irmãos” (At 1,14).

Se estudarmos mais a fundo a Bíblia poderemos ver que a palavra irmão é utilizada em quatro contextos:

1) Para indicar irmãos de sangue (filhos da mesma mãe e do mesmo pai): como utiliza a Bíblia para definir o parentesco entre Caim e Abel (porque são filhos de Adão e Eva). “O homem conheceu Eva, sua mulher; ela concebeu e deu à luz Caim, e disse: ‘Adquiri um homem com a ajuda de Iahweh. Depois ela deu também à luz Abel, irmão de Caim” (Gn 4,1-2). Neste exemplo Caim é irmão de Abel porque são ambos filhos de Adão e Eva.

2) Para indicar familiares ou parentes: “Abrão disse a Ló: ‘Que não haja discórdia entre mim e ti, entre meus pastores e os teus, pois somos irmãos” (Gn 13,8). Nesta passagem vemos Abraão chamando Ló de irmão, quando realmente Abraão é seu tio: “Eis a descendência de Taré: Taré gerou Abrão, Nacor e Arã. Arã gerou Ló.”

O mesmo sucede com Labão que chama Jacó de seu irmão apesar de ser seu tio (cf. Gn 29, 12-15).

3) Para indicar membros do mesmo povo ou tribo: “Naqueles dias, Moisés, já crescido, saiu para ver os seus irmãos, e viu as tarefas que pesavam sobre eles; viu também um egípcio que feria um dos seus irmãos hebreus” (Ex 2,11). Nessa passagem vemos que a Bíblia narra como Moisés viu que golpeavam um hebreu, e por ser de seu mesmo povo a Bíblia disse que é um de seus irmãos.

4) Para indicar irmãos espirituais: “Ele perguntou: quem é minha mãe e meus irmãos? E, repassando com o olhar os que estavam sentados ao seu redor, disse: ‘eis minha mãe e os meus irmãos. Quem fizer a vontade de Deus, esse é meu irmão, irmã e mãe” (Mc, 3,33-35).

Esta diversidade do uso da palavra irmão é porque no aramaico (que era a língua de Jesus e seus discípulos), não havia um equivalente a primo, primo em segundo grau e outros, de modo que costumava ser usado em vez disso, a palavra “aja” = irmão, e era mais fácil dizer “irmão”, que “o filho da irmã de meu pai.”

Uma breve conclusão sobre esse primeiro argumento: Quem seriam esses “irmãos” de Jesus então? Seriam os parentes próximos de Jesus. Disso há várias provas: a) é o modo bíblico de falar como vimos nos exemplos acima; b) Tiago e José (chamados em Marcos 6,3 e Mateus 13,55 “irmão de Jesus) são em verdade filhos de outra Maria, como se sabe lendo, mais adiante, Marcos 15,40.47 e 16,1; Mateus 27,56; c) Jesus moribundo não teria confiado sua Mãe ao Discípulo amado (que era filho de Zebedeu) caso tivesse tido outros irmãos carnais.

  1. b) Argumento 2: Jesus é chamado Primogênito

Vejamos os textos bíblicos usados por aqueles que contestam a virgindade de Maria: Lucas 2,7.22-23:

v.7  “e Maria deu à luz o seu filho primogênito […]”.

  1. 22 e 23 – “Terminados os dias da purificação deles, conforme a Lei de Moisés, levaram o menino para Jerusalém, a fim de apresentá-lo ao Senhor, conforme está escrito na Lei do Senhor: “Todo primogênito de sexo masculino será consagrado ao Senhor.”

Como Jesus na Bíblia é chamado primogênito, então os irmãos não católicos interpretam que é o primeiro de outros filhos. Afirmam que se Jesus fosse o único filho de Maria seria chamado unigênito em vez de primogênito, assim como Jesus sendo filho único do Pai é chamado seu unigênito em passagem como João 1,14.18; 3,16.18.

Isso é falta de aprofundamento da palavra de Deus. Pois ‘primogênito’ não é um termo cronológico, de sucessão, de quantidade, ‘primogênito’ é um termo litúrgico. Para os judeus o que importava era cumprir a lei do culto que estabelecia que todo o varão primogênito seria consagrado a Deus e por isso ao seu primeiro filho chamavam primogênito ainda que não sabiam e haveriam de ter mais filhos depois.

A palavra ‘primogênito’ é utilizada para significar preeminência, predileção, a importância de um filho predileto, consagrado e receptor das bênçãos da primogenitura.

Por fim, veremos o último argumento usado para afirmar que a Virgem Maria teve mais filhos.

  1. c) Argumento 3: Interpretam que a Bíblia diz que José conheceu Maria portanto tiveram relações sexuais.

Este argumento se baseia na passagem de Mateus 1,25 donde se pode mal interpretar que José conheceu Maria. Vejamos: “e não teve relações com ela até que ela deus à luz um filho […]” (Mt 1,25).

Essa palavra ‘até’ para algumas pessoas significam que não houve nada antes, mas depois de dar a luz sim houve algo. É importante esclarecer que a palavra ‘até’ na Bíblia não sempre significa que depois teve algo. Por exemplo, vejamos alguns textos que mostram isso.

“Eis que eu estarei com vocês todos os dias, até o fim do mundo.” (Mt 28,20). Isto significa que Jesus não estará conosco depois do fim do mundo? Não, a passagem não está dizendo isso, somente está fazendo especial ênfase em que não nos abandonará até o fim do mundo.

“E Micol, filha de Saul, não teve filhos até o dia de sua morte” (2Sm 6,23). Será que Micol depois da morte teve filhos? Não, não teve filhos, simplesmente quem escreveu quer colocar ênfase especial em que não teve mais filhos.

Então, em Mateus 1,25 o evangelista não estava afirmando que José conheceu (teve relações) Maria depois de dar a luz, senão estava dando ênfase em que Jesus nasceu sem intervenção de José.

Anúncios
Publicado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Magnificat anima mea Dominum
Doutrina Católica, Visão de Conjunto e Implicações na Sociedade – Prof. Emerson Takase
Nós Somos a Igreja Católica

 

 

Santa Missa – Passo a Passo

 

Cantar a Liturgia – Padre Anderson Marçal

 

Símbolos na Santa Missa – Prof. Carlos Tadelle
Erros Litúrgicos do Pe. Marcelo Rossi – Dom Armando Bucciol
Padre Demétrio: Os abusos litúrgicos e a riqueza da Santa Missa
Abusos na liturgia da Igreja – Padre Alex
A Missa – O certo e o errado – Padre Raphael
Mariologia – Apresentação
Mariologia – Introdução
Historia da Mariologia
Maria no Antigo Testamento
Maria em Gálatas 4,4 5
Maria em Mateus
Maria em Marcos
Maria nas Sagradas Escrituras do Antigo ao Novo Testamento – Pe. Guido
As Bem-aventuranças e Nossa Senhora – Prof. Lucas Parra
Nossa Senhora Corredentora – Prof. André Melo
O Ministério de Pedro e a Igreja Primitiva
O Pentateuco | Estudo Bíblico com Pe. Guido
Os 7 Livros Sapienciais do Antigo Testamento | Estudo Bíblico Católico com Pe. Guido
Os Livros Proféticos do Antigo Testamento | Estudo Bíblico Católico com Pe. Guido
Os Evangelhos na História da Igreja
Evangelho de Mateus | Estudo Bíblico Católico com Frei Diones Rafael Paganotto
Evangelho de Marcos | Estudo Bíblico Católico com Frei Diones Rafael Paganotto
Evangelho de Lucas | Estudo Bíblico Católico com Frei Diones Rafael Paganotto

 

 

Evangelho de João | Estudo Bíblico Católico com Frei Diones Rafael Paganotto

 

Atos dos Apóstolos | Estudo Bíblico Católico com Pe. Guido
Cartas de São Pedro | Estudos Bíblicos com Pe. Guido
Cartas de São Paulo | Estudos Bíblicos com Pe. Guido 1/3
Cartas de São Paulo | Estudos Bíblicos com Pe. Guido 2/3
Cartas de São Paulo | Estudos Bíblicos com Pe. Guido 3/3
Cartas de São Paulo | Introdução | Estudo Bíblico com Frei Diones Rafael Paganotto
Cartas de São Paulo | Corpus Paulinum | Estudo Bíblico com Frei Diones Rafael Paganotto
Cartas de São Paulo | 1 Tessalonicenses | Estudo Bíblico com Frei Diones Rafael Paganotto
Cartas de São Paulo | 1 Coríntios | Estudo Bíblico com Frei Diones Rafael Paganotto
Cartas de São Paulo | 1 Coríntios | Estudo Bíblico com Frei Diones Rafael Paganotto

 

Cartas de São Paulo | Gálatas | Estudo Bíblico com Frei Diones Rafael Paganotto
Cartas de São Paulo | Cartas Pastorais 1 | Estudo Bíblico com Frei Diones Rafael Paganotto
Cartas de São Paulo | Cartas Pastorais 2 | Estudo Bíblico com Frei Diones Rafael Paganotto
Apocalipse: o Livro Profético do Novo Testamento | Estudo Bíblico Católico com Pe. Guido
Apocalipse | Estudo Bíblico Católico com Frei Diones Rafael Paganotto

 

 

 

Sagrada Tradição da Igreja – Professor Felipe Aquino
Sagrado Magistério da Igreja – Professor Felipe Aquino
Breve comentário sobre a História da Igreja | Prof. Felipe Aquino
O Santo Terço Explicado – Professor Carlos Ramalhete

 

Doutrina Social da Igreja (introdução) – Padre Douglas Pinheiro Lima

 

Formação sobre canto e música litúrgica

 

Curso de Canto Gregoriano – Parte 1

 

Curso de Canto Gregoriano – Parte 2

 

Curso de Canto Gregoriano – Parte 3

 

Curso de Canto Gregoriano – Parte 4
Curso de Canto Gregoriano – Parte 5
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 1
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 2
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 3
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 4
Introdução ao estudo dos Dogmas da Igreja Católica – Márcio Carvalho
Grandes Heresias da História da Igreja – Pe. Guido
Curso de Iniciação a Teologia Católica/ Apresentação – Professor Joel Gracioso
Curso de Iniciação a Teologia Católica/ Identidade da Igreja Católica – Professor Joel Gracioso
Curso de Iniciação a Teologia Católica/ A Fé como resposta à Palavra de Deus – Professor Joel Gracioso
Curso de Iniciação a Teologia Católica/ A busca da Compreensão da fé – Professor Joel Gracioso
Curso de Iniciação a Teologia Católica/ A Sagrada Escritura e a Sagrada Tradição – Professor Joel Gracioso
Curso de Iniciação a Teologia Católica/ Sagrada Tradição: Os Padres da Igreja – Professor Joel Gracioso
Curso de Iniciação a Teologia Católica/ Os Santos Padres e as Heresias/ Parte I -Professor Joel Gracioso
Curso de Iniciação a Teologia Católica/ Os Santos Padres e as Heresias/ Parte II -Professor Joel Gracioso
Curso de Iniciação a Teologia Católica/ Os 21 Concílios, a Infabilidade Papal e Tradições/ Professor Joel Gracioso
Curso de Iniciação a Teologia Católica/ Sensus Fidei, Magistério e a função do teólogo / Professor Joel Gracioso
Curso de Iniciação a Teologia Católica/ A Teologia e sua relação com a Filosofia/ Professor Joel Gracioso
Catecismo de Adultos – Aula 01 – A Revelação Divina – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 02 – O Modernismo, o problema atual na Igreja – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 03 – Deus Uno e Trino – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 04 – A Criação em geral e os anjos – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 05 – Os anjos e o homem – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 06 – A Teoria da Evolução contra a Ciência e a Filosofia – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 07 – Cristo Nosso Senhor e Maria Santíssima – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 08 – Aula 08 – O modo de vida de Jesus Cristo – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 09 – As perfeições de Cristo e a Paixão – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 10 – A Cruz, os infernos e a Ressurreição de Cristo – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 11 – A Ascensão, os juízos particular e final, e o Espírito Santo – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 12 – Como saber qual a verdadeira Igreja de Cristo? – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 13 – A Igreja Católica e a Salvação – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 14 – A Infalibilidade da Igreja e a união da Igreja e do Estado – Padre Daniel Pinheiro
Lutero e o Protestantismo: A História da Reforma – Profa. Dra. Laura Palma
Lutero e o Protestantismo: Vida de Lutero – Prof. André Melo
Lutero e o Protestantismo: Sola Scriptura – Profa. Dra. Ivone Fedeli
Lutero e o Protestantismo: Sola Fide – Prof. Marcelo Andrade
Lutero e o Protestantismo: Sola Gratia – Pe. Edivaldo Oliveira
Mídia Católica
Atualizações
Translator
Italy
Calendário
setembro 2015
D S T Q Q S S
« ago   out »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  
Visitantes
  • 3,352,755 acessos desde 01/05/2011
religião e espiritualidade
religião e espiritualidade
Categorias
Links
%d blogueiros gostam disto: