RSS

Como explicar a diversidade evangélica/protestante?

02 abr

Como o Espírito Santo, sendo um espírito de verdade pode “ensinar” tantas doutrinas diferentes e contraditórias como as que encontramos entre evangélicos e protestantes
e tudo tirado da Bíblia?

Uma das tantas coisas que os evangélicos/protestantes NUNCA SABEM RESPONDER, apesar de usarem um rebuscado jogo de palavras – que na verdade só se contradizem
mais ainda – é por que sendo o Espírito Santo um só, este dito “espírito santo” “inspira” diferentes e mesmo antagônicas doutrinas.

São muitos os “Jesus”…

Como 40.000 igrejas protestantes/evangélicas espalhadas mundo a fora, podem ter o mesmo “espírito santo” com tantas doutrinas diferentes?

Eles nunca conseguem responder… Ficam desnorteados… Balbuciam algumas escrituras, entretanto, tão flagrantemente distorcidas que só os desavisados e embebidos na emoção evangélica consomem…

Chegam a infantilidade de afirmar que esta “diversidade” são “dons do espírito”. E aí se complicam mais, pois o espírito não pode se contradizer e além disso, os frutos do espírito são outros, conforme Paulo ensinou em Gal. 5, o que nada tem a ver com o que pregam para explicar a tremenda babel doutrinaria criada por quem não tem revelação de Deus e vive pela letra morta.

Outra fraca e tênue desculpa que usam é dizerem que uns são chamados para evangelistas, outros para mestres, etc, etc, e esquecem ou não querem ver, que aqueles que exerceram estas funções NUNCA ENSINARAM NADA QUE FOSSE CONTRARIO uns dos outros, como notoriamente encontramos nas denominações evangélicas e protestantes.

Ainda tem aquela outra desculpa, mais desprovida de entendimento, ao dizerem que o importante são meia-dúzia de doutrinas que eles “coincidem” e crêem juntos, que são “doutrinas fundamentais”.

Entretanto, quem define quais são as doutrinas “fundamentais” são os próprios evangélicos/protestantes – como que legislando em causa própria – para darem “ares” de verdades as “meias-dúzias” que concordam, através de “pactos” e “alianças” realizados para esse fim.

Esses “pactos” e “alianças” foram estabelecidos através de estudos e de discussões interpretativas e de voto vencido das igrejas e de seus respectivos teólogos que ficaram em minoria naqueles debates.

Nada de revelação… nada de ter a sanção de Deus… Não eram pactos ou alianças entre Deus e os homens ou Deus e um Profeta, mas apenas firmado entre eles e suas respectivas igrejas… apenas conclusões de homens.

Apenas incautos e desavisados engolem tamanho sofisma.

E ainda assim acabam – mesmo indiretamente – afirmando que o Espírito Santo só é bom para meia-dúzia de ensinamentos. E o restante? Ele pode se contradizer e ensinar tudo diferente…?

Outra desculpa apresentada para tentar manter “as aparências” é quando afirmam que  Pastores de diferentes denominações evangélicas e/ou protestantes pregam em diferentes igrejas, como por exemplo, Pentecostais pregando em Igrejas Batistas,
Pastores Batistas pregando em Igrejas Presbiterianas, e Presbiterianos pregando nas Assembléias de Deus!, etc, etc.

Isso é verdade, mas meia verdade apenas…

Eles até fazem isso, mas apenas para “deixar a imagem” de união para seus fiéis, até porque as “pregações” são somente sobre assuntos mais brandos e, digamos, “comuns” em função dos pactos e das alianças entre eles.

Agora, veja se um pastor presbiteriano consegue falar sobre a predestinação num culto da assembléia ou da batista?

Veja se um pastor luterano consegue falar de Maria com a ênfase que eles dão a ela num culto assembleiano, por exemplo?

Ou um assembleiano ou um batista peniel pregando sobre o “falar línguas estranhas” na igreja luterana?

Acreditar nessas desculpas é como querer “tapar o sol com a peneira”.

O ESPÍRITO SANTO NÃO PODE TESTIFICAR “verdades” tão diferentes e contraditórias.

Deus não um deus de confusão.

É notório, os diversos “Jesus” que são criados e desenvolvidos dentro das igrejas evangélicas e protestantes.

Se fosse o mesmo Jesus, seria a mesma pregação, a mesma doutrina, a mesma igreja e não essa salada ou babel de doutrinas a-gosto-do-freguês como vemos escancaradamente exposta sem pudor algum por diversas igrejas evangélicas e protestantes mundo a fora.

Isso é um fato.

O Espírito Santo não pode testificar verdades diferentes.

A verdade é uma só. O Espírito Santo é um Só. Deus não é um Deus de confusão.

O caminho é um só. A verdade é uma só. Jesus é um só e sua doutrina uma só. O Espírito Santo prega uma só doutrina, uma só verdade, um só Jesus.

Será que foi o Espírito Santo quem afirmou aos presbiterianos a doutrina da predestinação, e inspirou os demais crentes a afirmar que isso está errado e não passa de uma teoria?

Será que foi o Espírito Santo quem inspirou alguns evangélicos a aceitar mulheres no presbitério, e levou outros a não aceitarem essa atitude?

Terá sido o Espírito de Deus quem faz alguns protestantes não crerem nos “dons espirituais”, e aos pentecostais dizerem que isso vem de Deus?

Foi o Espírito Santo quem levou algumas divisões evangélicas a “preverem” a data da volta de Cristo, e a outras afirmarem que só o Pai sabe desse dia?

Acaso foi o Espírito Santo quem ensinou aos luteranos a doutrina da consubstanciação e aos demais evangélicos a da representação na santa ceia?

Foi o Espírito Santo quem ensinou a alguns evangélicos imitarem o que ocorre em “terreiros” com Sessões de Descarrego, banho com sabonete de extrato de arruda, emprego de sal grosso e entrevistas com Exu-Caveira e outras entidades da mitologia afro nos cultos, e depois teria inspirado outros evangélicos a não concordarem com isso?

Teria sido o Espírito Santo quem revelou a algumas igrejas a importância da hierarquia, e a outras a não obedecerem ninguém além do presbítero?

É o Espírito Santo quem ensina a algumas doutrinas que a Teologia da Prosperidade é neo-testamentária e, a outros, afirmarem que isso é não é cristianismo autêntico?

A verdade é uma só, e não essa confusão ou babel doutrinaria com a qual os evangélicos estão envolvidos e se desculpam dizendo que isto são “manifestações” ou dons do espírito para não terem que enfrentar a realidade de suas doutrinas
contraditórias e divergentes e ainda terem que dizer que é o Espírito Santo que assim ensina…

O Espírito Santo não pode ensinar tantas coisas diferentes e Jesus ser o mesmo em todas estas divergentes colchas doutrinarias que encontramos mundo evangélico e protestante a fora.

E tudo isso saído da Bíblia…

É como diz Prov. 29:18:“Não havendo profecia [não tendo profetas], o povo perece.” Ou é tremendamente manipulado.

Um ledo e tremendo engano acreditar em tantas doutrinas diferentes e dizer que é o mesmo Jesus e o mesmo Espírito Santo que ensina…

Um enorme engano que custará a alma de muitos…

Assim fica a pergunta: Como o Espírito Santo sendo um espírito de verdade pode “ensinar” tantas doutrinas diferentes e contraditórias como as que encontramos entre evangélicos e protestantes e tudo tirado da Bíblia?

O Espírito Santo não é o que testifica a verdade?

E quantas verdades existem no protestantismo e evangelicismo?

E não me venham com aquela outra famosa desculpa que a “verdade é Jesus”, que é “Jesus que salva”, etc, etc, conversa que só atende aos embebidos no mosto evangélico e protestante…

A verdade é uma só. Jesus é um só e não esses multifacetados “Jesus” que em nome dele, muitas igrejas evangélicas e protestantes “pregam” verdades tão diferentes e contraditórias e ainda se dizem “orientadas” ou “inspiradas” pelo Espírito Santo…

De sã consciência dá para entender isso…?????

Pode o Espírito Santo se Contradizer?

E se não pode – como também cremos – como explicar as bizarras, incoerentes e contraditórias doutrinas e “inspirações” do Espírito Santo de evangélicos e protestantes e tudo vindo da Bíblia?

E ainda dentro desse contexto qual é a autoridade que tem um evangélico ou protestante para dizer que está certo, que tem o Espírito Santo, que suas práticas estão certas?

Por que se uma dessas religiões estiverem certas, as outras estarão todas erradas.

Se, por exemplo, o “Jesus e seus apóstolos” (da Batista Peniel) que ensina como verdade “falar línguas estranhas” está certo, então o Jesus da Batista (a da Batista original) estará errado.

Se, por outro exemplo, o “Jesus e seus apóstolos (da Batista Peniel) ensinaram
que batizar criança recém-nascida é pecado, então o “Jesus e seus apóstolos” da Luterana estão errados, porque estes, os Luteranos, batizam crianças recém-nascidas.

Então, digam qual é a autoridade de uma dessas igrejas evangélicas e/ou protestantes para se acharem certas no que pregam, no que fazem?

A Bíblia?

Mas e os outros também não fazem ou dizem o mesmo?

É aprovado pelo Espírito Santo?

Mas e os outros também não dizem o mesmo?

 
Deixe um comentário

Publicado por em 02/04/2016 em Uncategorized

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: