RSS

Diferença entre Sacramentos e Sacramentais

08 jun

SACRAMENTOS  

Os Sacramentos são “os canais por onde flui a salvação” de todos os homens, que Cristo conquistou com a sua morte e ressurreição.

Eles se relacionam intimamente com Cristo, com a Igreja e com toda a Liturgia. Há em todos eles um denominador comum, que é o sinal (seméion, em grego) eficiente ou sinal que realiza o que Ele assinala.

A santíssima humanidade de Cristo é o grande sinal eficiente, transmissor da graça. Também a Igreja, como corpo de Cristo prolongado na história dos homens (cf. Cl 1, 24), e a Liturgia, com seus ritos sagrados, continuam essa função.

Cristo toca todo o cristão pelos Sacramentos não apenas de maneira psicológica ou afetiva, mas de uma forma concreta.

Os Sacramentos são esses sinais comunicadores da graça divina. Por isso, o cristão não pode ficar sem os Sacramentos. O Cristianismo não é apenas uma filosofia religiosa; é muito mais; é uma “comunhão de vida com o próprio Deus” da maneira que Ele estabeleceu, especialmente pelos Sacramentos-

Todo Sacramento é um sinal, que não apenas “assinala”, mas que “realiza o que assinala“; assim, a água do Batismo indica a purificação da criança e a realiza. Os Sacramentos continuam a santíssima humanidade de Cristo, que assinalava e realizava a salvação dos homens. Por isso, a Igreja com os sete Sacramentos forma o “Grande Sacramento – a ordem sacramental através do qual a vida eterna do Pai flui até cada indivíduo em particular” (E. Bettencourt).

Cada Sacramento consta de matéria (água, pão, vinho, gestos…) e forma, que são as palavras proferidas sobre a matéria, declarando o sentido da mesma. Os Sacramentos são sinais visíveis porque o ser humano é formado de corpo e alma; ele passa do visível ao invisível.

Os Sacramentos agem “ex opere operato”, quer dizer, pela força do próprio rito, independentemente da santidade do ministro. Em outras palavras, é Cristo quem ministra todo e qualquer Sacramento, pois Ele é o único sacerdote do Novo Testamento; os demais ordenados são seus ministros, como disse Santo Tomás de Aquino.

Todo Sacramento produz dois efeitos: o caráter e a graça santificante. O caráter é uma marca, “um selo espiritual” que é impresso na alma do cristão pelos três Sacramentos que não podem ser repetidos: Batismo, Crisma e Ordem. Os demais Sacramentos imprimem um “quase-caráter”; por exemplo, o vínculo conjugal para os validamente casados.

Esta marca significa uma “pertença a Cristo”, e não depende das disposições morais da pessoa que recebe o Sacramento.

A graça santificante comunicada pelo Sacramento é a “participação na vida divina” de que falou São Pedro (1Pd 1, 4), que a pessoa pode não receber caso ponha obstáculo a ela. Por isso os frutos dos Sacramentos dependem do esforço de conversão da pessoa; das suas disposições interiores.

Há na Igreja sete Sacramentos: o Batismo, a Penitência, a Eucaristia, a Confirmação ou Crisma, o Matrimônio, a Ordem e a Unção dos Enfermos (CIC 1113).

Os Sacramentos encerram em si todas as graças que precisamos durante a vida para que a imagem de Cristo seja formada em nós.

SACRAMENTAIS

O Catecismo da Igreja Católica ensina:

“Chamamos de sacramentais os sinais sagrados instituídos pela Igreja, cujo objetivo é preparar os homens para receber o fruto dos Sacramentos e santificar as diferentes circunstâncias da vida. Entre os sacramentais, ocupam lugar as bênçãos. Compreendem ao mesmo tempo o louvor a Deus por suas obras e seus dons e a intercessão da Igreja, a fim de que os homens possam fazer uso dos dons de Deus segundo o espírito do Evangelho” (1677 e 1678).

O objetivo dos sacramentais é consagrar toda a vida do homem a Deus e também o seu ambiente de vida, para que ele esteja livre dos perigos e voltado sempre para Deus, livrando-se sempre dos pecados.

Os sacramentais são sinais sagrados, de dois tipos: objetos (medalhas, crucifixos, rosários, escapulários…), e orações, presentes nas bênçãos (alimentos, oficinas, casas, carros, imagens, máquinas, campos, doentes…), nas consagrações (igreja, altar, cálice, Abade, Virgem, criança após o Batismo, esposa, esposo…) e nos exorcismos.

O número dos sacramentais é muito grande; à medida que se diversificam as situações da vida moderna, a Igreja também diversifica e aumenta as suas orações; pois nada é profano na vida do homem. Diz o Sacrossantum Concilium que “quase não há uso honesto de coisas materiais que não possa ser dirigido à finalidade de santificar o homem e louvar a Deus” (SC, 61).

Sacramentais, diferentes dos Sacramentos!

A eficácia santificadora dos sacramentais é diferente dos sacramentos. Ela tem a sua força na oração da Igreja e das disposições da pessoa que recebe ou utiliza o sacramental. Esta eficácia é chamada de ex opere operantis Ecclesiae, depende da fé e da devoção do ministro e do fiel. Nos Sacramentos é diferente, sua eficácia (realização) de Cristo independe da santidade dos ministros e do fiel, pois é ação de Cristo (ex opere operato).

Não se pode exagerar o valor do sacramental, como se fosse um rito mágico ou um amuleto, superstição ou fanatismo. Por outro lado, não se pode desprezar o seu valor, pois o Concílio Vaticano II reafirmou o seu valor e a sua necessidade.

O homem é o representante de Deus no mundo, e deve dominá-lo pela técnica e pelo trabalho. Os sacramentais; quando a Igreja não os dá ao povo, este corre o sério risco de buscar as superstições, amuletos, benzedeiras, etc.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 08/06/2016 em Uncategorized

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: