Respostas as dúvidas mais frequentes sobre Liturgia

Resultado de imagem para instrução geral do missal romano e introdução ao lecionário

1. Comunhão na mão ou na boca?

Disse Jesus: “Tomai todos e comei […] tomai todos e bebei”. Não encontramos aqui nenhuma referência à forma como Jesus distribui o Pão e o Vinho a seus discípulos. Parece óbvio, no entanto, que ele seguiu os costumes judaicos da época.

Temos muitos testemunhos dos primeiros séculos que nos indicam que o pão consagrado era dado, então na mão do comungante e os fiéis bebiam do Cálice.

Vejamos esta linda catequese de São Cirilo de Jerusalém:

“Quando vieres para receber a comunhão , não te aproximes com as mãos abertas, nem com os dedos separados, mas com a tua mão direita faze um trono para a esquerda, que vai receber o Rei. Recebe o Corpo de Cristo no côncavo da tua mão e responde: “Amém”. Com atenção santifica então os teus olhos vendo o santo Corpo, come-o cuidando para que nada se perca. Se perderes um pedaço, isso seria como a perda de um de teus membros. Dize-me, se alguém te desse um pedacinho de ouro, não terias o maior dos cuidados, para não perderes algum pedaço, sofrendo com isso um dano? Não deverias, pois, estar ainda mais atento àquilo que é bem mais valioso que o ouro ou as pedras preciosas, para não deixares cair sequer uma migalha? Para não perder nada daquilo que é mais precioso que o ouro e as pedras preciosas?”

Ainda segundo São Cirilo, para beber o vinho consagrado, o fiel deveria também primeiro inclinar-se, em atitude de adoração e de respeito, e dizer “amém”. É importante que a pessoa que comunga diga o “amém”, como afirmação de fé na presença do Senhor. O fiel deve comungar em frente ao ministro, antes de regressar ao seu lugar.

Hoje, os fiéis são livres para escolher a forma (na boca ou na mão) de receber a comunhão do Corpo de Cristo. Mais importante do que a forma é a atitude interior de fé, comunhão e dignidade que precisamos ter quando nos aproximamos da mesa do Senhor. Como sempre, o mais importante, na liturgia é unir a interioridade do espírito com a exterioridade do rito e do símbolo.

Para valorizar ainda mais o sacramento que receberemos, devemos estar em jejum uma hora antes da sagrada comunhão (à exceção das pessoas idosas e doentes,  bem como das que cuidam delas).

2. Ajoelhar-se ou ficar em pé no momento da consagração?

“Ao nome de Jesus, se dobre todo joelho, no céu, na terra e debaixo da terra” (Fl 2,10).

Diz o texto oficial da Instrução Geral do Missal Romano e Introdução ao Lecionário da CNBB a respeito dos gestos e posições do corpo durante as celebrações (tanto do sacerdote, do diácono, dos ministros, como do povo): “Ajoelhem-se, porém, durante a consagração, a não ser que, por motivo de saúde, ou falta de espaço ou o grande número de presentes ou outras causas razoáveis não o permitam. Contudo, aqueles que não se ajoelham na consagração, façam inclinação profunda enquanto o sacerdote faz genuflexão após a consagração… Cuide-se, contudo, que correspondam ao sentido e à índole de cada parte da celebração.  Onde for costume o povo permanecer de joelhos do fim da aclamação do Santo até ao final da Oração eucarística e antes da comunhão quando o sacerdote diz Eis o cordeiro de Deus, é louvável que ele seja mantido. Para se obter a uniformidade nos gestos e posições do corpo numa mesma celebração, obedeçam os fiéis aos avisos dados pelo diácono, por um ministro leigo ou pelo sacerdote de acordo com o que vem estabelecido no Missal.” (IGMR, n. 43).

Este texto da Instrução geral tem em conta diversas situações.

Primeiro caso: se os fiéis não estiverem doentes, a posição correta é de pé, do princípio ao fim da Oração eucarística, exceto durante a consagração, que é de joelhos. Este é o caso normal e habitual. É bom não o esquecer. Os casos que se seguem é que são exceção à regra.

Segundo caso: se os fiéis estiverem doentes, ou tiverem dificuldade em ajoelhar por causas físicas (dificuldade em dobrar os joelhos, câimbras nas pernas logo que se ajoelham, etc.) ou por causas exteriores a si próprios (multidão, estreiteza do lugar, solo molhado, terra com pó, pedras ou areias debaixo dos joelhos, etc.), ficam sempre de pé, do princípio ao fim da Oração eucarística, mas neste caso, durante a consagração, fazem uma inclinação profunda enquanto o sacerdote faz a genuflexão após a consagração.

Terceiro caso: se em determinada terra, país ou região se tiver mantido, como opção de toda a assembleia e com o acordo do seu pastor (e não apenas como decisão privada de algumas pessoas da assembleia), o costume antigo (que era lei geral antes da reforma litúrgica) de permanecer de joelhos desde o fim da aclamação do Santo até ao final da Oração eucarística, é louvável manter tal costume, mas atenção, porque louvável não quer dizer obrigatório para ninguém. É louvável mas não é obrigatório.
Quarto caso: se em determinados dias e circunstâncias o presidente, o diácono ou outra pessoa disso encarregada, derem determinadas indicações para se conseguir a uniformidade dos gestos e posições do corpo por parte de toda a assembleia, os fiéis devem obedecer com serenidade e paz interior.

3. Ritos de Encerramento da Missa

O texto oficial da Instrução Geral do Missal Romano e Introdução ao Lecionário da CNBB, esclarece que pertencem aos ritos de encerramento da Missa:

a) breves comunicações, se forem necessárias;

b) saudação e benção do sacerdote, a qual, em certos dias e ocasiões é enriquecida e expressa pela oração sobre o povo ou por outra fórmula mais solene;

c) despedida do povo pelo diácono ou pelo sacerdote, para que cada qual torne às suas boas obras, louvando e bendizendo a Deus;

d) o beijo do altar pelo sacerdote e o diácono e, em seguida, a inclinação profunda ao altar pelo sacerdote, o diácono e os outros ministros (n. 90).

Anúncios
Publicado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

A Santa Missa – Passo a Passo

 

Os erros da Missa Nova. A Santa Missa Tridentina e os problemas do Vaticano II
Como celebrar Missa tridentina – passo a passo
Evangelho do Dia – 21/11/2017, com o Padre Rodrigo Vieira

 

O Milagre da Vida
Ideologia de Gênero – Padre José Eduardo (18/11/17)
Twitter do Papa
Mídia Católica

 

Atualizações
Translator
Italy
Calendário
dezembro 2016
D S T Q Q S S
« nov   jan »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Visitantes
  • 2,785,661 acessos desde 01/05/2011
religião e espiritualidade
religião e espiritualidade
Categorias
LINKS
%d blogueiros gostam disto: