Genuflexão e rezar ajoelhado

Resultado de imagem para Genuflexão e rezar ajoelhado

Dobrar os joelhos é um ato de adoração, realizado com o corpo, que expressa respeito e humildade profunda diante de Deus. De fato, só fazemos genuflexão diante de Deus e não diante do altar ou de imagens. Diferente do ajoelhar-se, que é uma posição estável, a genuflexão é um gesto pontual, realizada com a flexão do joelho. É feita pelo padre, na Missa, depois de cada uma das consagrações (Pão e Vinho) e antes da comunhão. Os fiéis manifestam pela genuflexão ou por outro gesto de adoração, o respeito para com a Eucaristia, diante do tabernáculo, onde se encontra o Santíssimo Sacramento.

A genuflexão com um único joelho foi introduzida no século VIII com muita relutância, pois se alegava que a mesma era equiparada ao gesto de desprezo que os soldados romanos faziam diante de Jesus, durante a flagelação.

Fora da Missa, a genuflexão simples, como é conhecida, é feita ao se passar diante do Santíssimo Sacramento, no tabernáculo, e em alguns momentos de celebrações solenes relacionadas ao mistério divino na vida humana, como acontece durante a recitação do Credo, no momento que se canta “et incarnatus est” (e se encarnou).

A Liturgia Oriental não faz genuflexão.

Na história

O gesto da genuflexão, no decorrer da história tem sido prescrito para ser feito com um único joelho ou com ambos os joelhos. Na antiguidade, a genuflexão se caracterizava como um gesto demorado, no qual o orante apoiava-se num joelho para rezar. Na Missa, por exemplo, acontecia como seguinte rito: o padre convidava para a oração dizendo: “oremus”, ao que o diácono indicava o gesto orante para os celebrantes dizendo: “flectamus genua” (dobremos o joelho (no singular). Depois de um breve momento de oração, o subdiácono convidava para levantar-se dizendo: “levate” (levantem-se). Este uso desapareceu da Liturgia da Missa, mas foi conservado na Sexta-feira Santa, acompanhando a Oração Universal dos Fiéis daquela celebração quando, depois de cada intenção, todos se ajoelham num só joelho para rezar em silêncio.

A genuflexão com ambos os joelhos, como gesto de adoração, foi introduzida para ser feita diante do Santíssimo Sacramento, quando este está exposto para adoração solene.

Rezar ajoelhado

A genuflexão com os dois joelhos — rezar ajoelhado — não fazia parte da maior parte do costume cristão de rezar, excetuando as orações penitenciais. O cristão sempre reza de pé, sinal de ressuscitado. Rezar ajoelhado, com ambos os joelhos, vem dos antigos ritos pertencentes ao catecumenato e ao rito da reconciliação dos penitentes que, em sinal de penitência e de súplica de perdão, coloca-se de joelhos para rezar, principalmente na Quaresma. Depois, este costume passou como uma posição natural de oração.

O costume de rezar de pé está presente nas antigas basílicas e igrejas que não tinham bancos e nem genuflexórios, pois todos participavam das celebrações ficando de pé. Alguns historiadores da Liturgia anotam que os bancos entraram nas igrejas a partir do século X.

As antigas orientações da Missa indicavam que os fiéis ficassem ajoelhados durante toda a celebração, exceto no Evangelho. A única exceção era para o Tempo Pascal, quando os cristãos não rezavam de joelhos, mas sempre de pé.

Publicado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Magnificat anima mea Dominum
Inquisição on Line
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 1
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 2
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 3
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 4
Catecismo de Adultos – Aula 01 – A Revelação Divina – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 02 – O Modernismo, o problema atual na Igreja – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 03 – Deus Uno e Trino – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 04 – A Criação em geral e os anjos – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 05 – Os anjos e o homem – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 06 – A Teoria da Evolução contra a Ciência e a Filosofia – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 07 – Cristo Nosso Senhor e Maria Santíssima – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 08 – Aula 08 – O modo de vida de Jesus Cristo – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 09 – As perfeições de Cristo e a Paixão – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 10 – A Cruz, os infernos e a Ressurreição de Cristo – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 11 – A Ascensão, os juízos particular e final, e o Espírito Santo – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 12 – Como saber qual a verdadeira Igreja de Cristo? – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 13 – A Igreja Católica e a Salvação – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 14 – A Infalibilidade da Igreja e a união da Igreja e do Estado – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 15 – Da comunhão dos santos à vida eterna – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 16 – Os princípios da oração – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 17 – Como rezar bem? – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 18 – Os tipos de oração – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 19 – O Pai Nosso – Padre Daniel Pinheiro

 

Catecismo de Adultos – Aula 20 – A Ave Maria e o Santo Terço – Padre Daniel Pinheiro

 

Catecismo de Adultos – Aula 21 – A Meditação Católica – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 22 – Introdução à moral católica: uma moral das virtudes – Padre Daniel Pinheiro
Lutero e o Protestantismo: A História da Reforma – Profa. Dra. Laura Palma
Lutero e o Protestantismo: Vida de Lutero – Prof. André Melo
Lutero e o Protestantismo: Sola Scriptura – Profa. Dra. Ivone Fedeli
Lutero e o Protestantismo: Sola Fide – Prof. Marcelo Andrade
Lutero e o Protestantismo: Sola Gratia – Pe. Edivaldo Oliveira
Mídia Católica
Atualizações
Translator
Italy
Calendário
dezembro 2016
D S T Q Q S S
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Visitantes
  • 4.561.168 acessos desde 01/05/2011
religião e espiritualidade
religião e espiritualidade
Categorias
Links
%d blogueiros gostam disto: