Disciplina litúrgica para a gestualidade e ajoelhar-se – IGMR 43c

Imagem relacionada

 

Compete, porém, à Conferência dos Bispos adaptar, segundo as normas do Direito, à índole e às legitimas tradições dos povos, os gestos e posições do corpo descritos no Ordinário da Missa. Cuide-se, contudo, que correspondam ao sentido e à índole de cada parte da celebração. Onde for costume o povo permanecer de joelhos do fim da aclamação do Santo até ao final da Oração Eucarística e antes da Comunhão quando o sacerdote diz Eis o Cordeiro de Deus, é louvável que ele seja mantido.

O terceiro parágrafo da Instrução Geral do Missal Romano (IGMR 43c) refere-se à disciplina litúrgica quanto a posição corporal em geral e dirige seu foco ao ajoelhar-se durante a Oração Eucarística e antes do convite para participar da Comunhão Eucarística.

A Igreja sempre assumiu o direito e o dever de estabelecer uma disciplina para o culto litúrgico, como lemos nesta IGMR 43c e em outras referências. Para casos que envolvem conceitos teológicos e Bíblicos, as instruções disciplinares são feitas pela Santa Sé. Em outros casos, como este da IGMR 43c, a Santa Sé passa a competência às Conferências dos Bispos de cada nação.

Disciplina litúrgica: duas anotações

Nos primeiros tempos da Igreja, a Liturgia era celebrada de modo espontâneo, mas com princípios disciplinares gerais propostos pela Igreja, como se conhece pela História da Liturgia. Nunca houve uma espontaneidade total, do padre ou bispo fazer como quisesse. Com o passar dos anos e dos séculos, devido a desvios teológicos de bispos e padres, principalmente na Idade Média, a Igreja se viu na necessidade de regularizar (colocar regras) para a celebração Litúrgica de todos os Sacramentos. Existe, portanto, uma legislação litúrgica, e existem orientações litúrgicas que formam o corpo disciplinar da Liturgia. É o que se denomina de disciplina litúrgica.

Minha segunda anotação é considerar que a disciplina litúrgica não pode ser vista como impedimento à espontaneidade, mas entendê-la como uma proposta de comunicação disciplinada, como acontece com toda comunicação que envolve grande número de pessoas. Além disso, é útil considerar a disciplina litúrgica como manifestação eclesial de unidade, de todos celebrarem o Mistério da Salvação com o mesmo espírito eclesial e não de acordo com os sentimentos de um bispo ou de um padre individualmente. É sempre a Igreja que celebra.

Critérios para a “adaptação” dos gestos

O primeiro critério, dizem as entrelinhas da IGMR 43c, que não compete nem ao bispo e nem ao padre, isoladamente, determinar ou introduzir gestos na Missa. Esta competência vem da Santa Sé e, no caso presente, necessita do parecer das Conferências Episcopais, que determina como proceder.

Para disciplinar a gestualidade e posições corporais (que também são gestos), a IGMR 43c considera três aspectos: primeiro as normas do Direito Canônico, ou seja, naquilo que diz respeito à legislação litúrgica presente no Código de Direito Canônico. Depois, o respeito pela índole do povo, considerando que gestos têm significados diferentes em diferentes contextos sociais de países e povos. Terceiro, uma consequência, o respeito pelas tradições dos povos em favor da da participação e compreensão da celebração por parte dos celebrantes.

Como se pode intuir, não é algo muito simples, considerando que algumas linhas depois, a IGMR 43c ressalta que mesmo estando de acordo com a índole e as tradições dos povos, esta não pode afetar o sentido original daquilo que a Igreja propõe com os gestos e as posturas corporais na Liturgia.

Vários elementos gestuais, como a genuflexão ou inclinação, o beijo no altar ou o tocar o altar com a testa, a saudação do abraço da paz com um aperto de mão ou com abraço ou beijo… comunicam uma mensagem de adoração, de acolhimento, de prece, de partilha da paz e reconciliação de acordo com o costume de cada povo. Em alguns países com culturas bem diferentes da nossa, não se faz genuflexão, mas inclinação; em outros, não se beija o altar ou o Evangeliário, mas o tocam com a testa porque tais gestos têm significados diferentes. Tudo isso em vista de se comunicar gestualmente com aquilo que é próprio do povo onde é celebrada a Eucaristia e para que os celebrantes, entendendo, participem ativa e compreensivamente.

 

Ajoelhados na Oração Eucarística e antes da Comunhão

A IGMR 43c, depois de lembrar o principio disciplinar que regular a Liturgia, conclui dizendo ser louvável respeitar o costume de comunidades onde se permanece de joelhos durante toda a Oração Eucarística e não somente no momento da epíclesis (invocação do Espírito Santo) e consagração. O mesmo é considerado quanto ao modo de acolher o convite para a Comunhão Eucarística de joelhos.

Para o Brasil, a orientação da CNBB para a participação da consagração é de ajoelhar-se no momento da invocação do Espírito Santo (epíclesis) até o final da consagração do vinho. Isto significa que a aclamação do “Mysterium fidei” é feita de pé. O mesmo se diga quanto a postura corporal, de ficar de pé, no momento do convite para participar da Comunhão Eucarística, depois do “Cordeiro de Deus”.

Anúncios
Publicado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Magnificat anima mea Dominum
Doutrina Católica, Visão de Conjunto e Implicações na Sociedade – Prof. Emerson Takase
Nós Somos a Igreja Católica

 

 

Santa Missa – Passo a Passo

 

Cantar a Liturgia – Padre Anderson Marçal

 

Símbolos na Santa Missa – Prof. Carlos Tadelle
Erros Litúrgicos do Pe. Marcelo Rossi – Dom Armando Bucciol
Padre Demétrio: Os abusos litúrgicos e a riqueza da Santa Missa
Abusos na liturgia da Igreja – Padre Alex
A Missa – O certo e o errado – Padre Raphael
Mariologia – Apresentação
Mariologia – Introdução
Historia da Mariologia
Maria no Antigo Testamento
Maria em Gálatas 4,4 5
Maria em Mateus
Maria em Marcos
Maria nas Sagradas Escrituras do Antigo ao Novo Testamento – Pe. Guido
As Bem-aventuranças e Nossa Senhora – Prof. Lucas Parra
Nossa Senhora Corredentora – Prof. André Melo
O Ministério de Pedro e a Igreja Primitiva
O Pentateuco | Estudo Bíblico com Pe. Guido
Os 7 Livros Sapienciais do Antigo Testamento | Estudo Bíblico Católico com Pe. Guido
Os Livros Proféticos do Antigo Testamento | Estudo Bíblico Católico com Pe. Guido
Os Evangelhos na História da Igreja
Evangelho de Mateus | Estudo Bíblico Católico com Frei Diones Rafael Paganotto
Evangelho de Marcos | Estudo Bíblico Católico com Frei Diones Rafael Paganotto
Evangelho de Lucas | Estudo Bíblico Católico com Frei Diones Rafael Paganotto

 

 

Evangelho de João | Estudo Bíblico Católico com Frei Diones Rafael Paganotto

 

Atos dos Apóstolos | Estudo Bíblico Católico com Pe. Guido
Cartas de São Pedro | Estudos Bíblicos com Pe. Guido
Cartas de São Paulo | Estudos Bíblicos com Pe. Guido 1/3
Cartas de São Paulo | Estudos Bíblicos com Pe. Guido 2/3
Cartas de São Paulo | Estudos Bíblicos com Pe. Guido 3/3
Cartas de São Paulo | Introdução | Estudo Bíblico com Frei Diones Rafael Paganotto
Cartas de São Paulo | Corpus Paulinum | Estudo Bíblico com Frei Diones Rafael Paganotto
Cartas de São Paulo | 1 Tessalonicenses | Estudo Bíblico com Frei Diones Rafael Paganotto
Cartas de São Paulo | 1 Coríntios | Estudo Bíblico com Frei Diones Rafael Paganotto
Cartas de São Paulo | 1 Coríntios | Estudo Bíblico com Frei Diones Rafael Paganotto

 

Cartas de São Paulo | Gálatas | Estudo Bíblico com Frei Diones Rafael Paganotto
Cartas de São Paulo | Cartas Pastorais 1 | Estudo Bíblico com Frei Diones Rafael Paganotto
Cartas de São Paulo | Cartas Pastorais 2 | Estudo Bíblico com Frei Diones Rafael Paganotto
Apocalipse: o Livro Profético do Novo Testamento | Estudo Bíblico Católico com Pe. Guido
Apocalipse | Estudo Bíblico Católico com Frei Diones Rafael Paganotto

 

 

 

Sagrada Tradição da Igreja – Professor Felipe Aquino
Sagrado Magistério da Igreja – Professor Felipe Aquino
Breve comentário sobre a História da Igreja | Prof. Felipe Aquino
O Santo Terço Explicado – Professor Carlos Ramalhete

 

Doutrina Social da Igreja (introdução) – Padre Douglas Pinheiro Lima

 

Formação sobre canto e música litúrgica

 

Curso de Canto Gregoriano – Parte 1

 

Curso de Canto Gregoriano – Parte 2

 

Curso de Canto Gregoriano – Parte 3

 

Curso de Canto Gregoriano – Parte 4
Curso de Canto Gregoriano – Parte 5
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 1
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 2
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 3
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 4
Introdução ao estudo dos Dogmas da Igreja Católica – Márcio Carvalho
Grandes Heresias da História da Igreja – Pe. Guido
Curso de Iniciação a Teologia Católica/ Apresentação – Professor Joel Gracioso
Curso de Iniciação a Teologia Católica/ Identidade da Igreja Católica – Professor Joel Gracioso
Curso de Iniciação a Teologia Católica/ A Fé como resposta à Palavra de Deus – Professor Joel Gracioso
Curso de Iniciação a Teologia Católica/ A busca da Compreensão da fé – Professor Joel Gracioso
Curso de Iniciação a Teologia Católica/ A Sagrada Escritura e a Sagrada Tradição – Professor Joel Gracioso
Curso de Iniciação a Teologia Católica/ Sagrada Tradição: Os Padres da Igreja – Professor Joel Gracioso
Curso de Iniciação a Teologia Católica/ Os Santos Padres e as Heresias/ Parte I -Professor Joel Gracioso
Curso de Iniciação a Teologia Católica/ Os Santos Padres e as Heresias/ Parte II -Professor Joel Gracioso
Curso de Iniciação a Teologia Católica/ Os 21 Concílios, a Infabilidade Papal e Tradições/ Professor Joel Gracioso
Curso de Iniciação a Teologia Católica/ Sensus Fidei, Magistério e a função do teólogo / Professor Joel Gracioso
Curso de Iniciação a Teologia Católica/ A Teologia e sua relação com a Filosofia/ Professor Joel Gracioso
Catecismo de Adultos – Aula 01 – A Revelação Divina – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 02 – O Modernismo, o problema atual na Igreja – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 03 – Deus Uno e Trino – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 04 – A Criação em geral e os anjos – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 05 – Os anjos e o homem – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 06 – A Teoria da Evolução contra a Ciência e a Filosofia – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 07 – Cristo Nosso Senhor e Maria Santíssima – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 08 – Aula 08 – O modo de vida de Jesus Cristo – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 09 – As perfeições de Cristo e a Paixão – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 10 – A Cruz, os infernos e a Ressurreição de Cristo – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 11 – A Ascensão, os juízos particular e final, e o Espírito Santo – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 12 – Como saber qual a verdadeira Igreja de Cristo? – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 13 – A Igreja Católica e a Salvação – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 14 – A Infalibilidade da Igreja e a união da Igreja e do Estado – Padre Daniel Pinheiro
Lutero e o Protestantismo: A História da Reforma – Profa. Dra. Laura Palma
Lutero e o Protestantismo: Vida de Lutero – Prof. André Melo
Lutero e o Protestantismo: Sola Scriptura – Profa. Dra. Ivone Fedeli
Lutero e o Protestantismo: Sola Fide – Prof. Marcelo Andrade
Lutero e o Protestantismo: Sola Gratia – Pe. Edivaldo Oliveira
Mídia Católica
Atualizações
Translator
Italy
Calendário
dezembro 2016
D S T Q Q S S
« nov   jan »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Visitantes
  • 3,352,755 acessos desde 01/05/2011
religião e espiritualidade
religião e espiritualidade
Categorias
Links
%d blogueiros gostam disto: