O QUE AS SAGRADAS ESCRITURAS ENSINAM SOBRE O CELIBATO?

Resultado de imagem para Motivações bíblicas da virgindade e do celibato pelo Reino dos Céus

Diferente do que muitos pensam, a bíblia menciona em diversas passagens a possibilidade do celibato. A ideia de vida consagrada não surgiu dentro do ambiente eclesial, ao contrário disso, o próprio Jesus Cristo manifestou sua vontade de possuir homens que dedicassem suas vidas inteiramente ao Reino de Deus.

A primeira referencia que encontramos, está no evangelho segundo Mateus:

“Eunucos por amor ao Reino de Deus”

Mt 19,10-12“Os discípulos disseram-lhe: Se é assim a condição do homem em relação a mulher, não vale a pena casar-se. Eles acrescentou: Nem todos são capazes de compreender essas palavra, mas só aqueles a quem é concedido. Com efeito,  há eunucos que nasceram assim, do ventre materno. E há eunucos que foram feitos eunucos pelos homens. E há eunucos que se fizeram eunucos por causa do Reino dos Céus. Quem tiver capacidade para compreender, compreenda!”   

Alguns versos antes desses aqui expostos (Mt 19,1-9), mostra-nos Jesus em conversa com os Fariseus a respeito do “matrimônio”. Cristo ensina que o casamento é insolúvel e aquele que larga sua esposa para desposar outra mulher, comete adultério. Como conclusão dessa conversa, os apóstolos questionam o Senhor sobre tal prática e concluem que o ideal seria não se casar. Em reposta, Jesus usa de exemplo uma posição que na época antiga, em alguns casos, eram de homens que trabalhavam como servidores domésticos: o eunuco.

Eunuco é um homem que não possui os “testículos” por motivos congênitos (má formação no período de gestação) ou porque teve seu órgão removido por orquidectomia (remoção dos testículos), em outras palavras, são homens “celibatários” de forma involuntária. Jesus Cristo usa dessa ideia para dizer aos discípulos que alguns são eunucos não por escolha, mas por consequência ou obrigatoriedade, entretanto, o messias coloca uma nova classe: os eunucos que assim se tornaram por amor ao Reino de Deus. Esses novos eunucos, se ofertaram por amor ao Reino e optaram por não se casar. Os eunucos do reino não passaram por uma espécie de castração física, mas sim, optaram pela castidade por amor a Deus e aos irmãos. Cristo deixa isso claro ao dizer que o celibato é possível ao decidir-se por guardar os ímpetos carnais.

As próximas referencias que identificamos sobre o celibato, encontram-se no capítulo 7 (sete) da primeira carta aos coríntios. Em alguns versículos, conseguiremos visualizar que o pensamento paulino sobre a castidade é a principal formação da Igreja usada até os nossos dias.

“Quisera que todos fossem como eu”

I Cor 7,7-8“Quisera que todos os homens fossem como sou; mas cada um recebe de Deus seu dom particular, um, deste modo, outro, daquele modo. Contudo, digo aos celibatários e às viúvas que é bom ficarem como eu”.

As sagradas escrituras não nos concedem informações se Paulo foi casado ou se possuiu algum relacionado anterior a sua conversão, o que sabemos por suas cartas é que o apóstolo foi um dos primeiros a defender o celibato. O capitulo sete da primeira carta aos coríntios é dedicado inteiramente ao assunto de “matrimonio e virgindade” e é aqui que encontramos os reais motivos que levaram a Igreja durante os séculos a aceitar o celibato com naturalidade.

Em sua primeira instrução, Paulo afirma que gostaria que todos os cristãos fossem como ele e que guardassem a castidade por amor ao Reino de Deus, entretanto, sabe que esse dom não é de todos e que somente alguns poderiam assim fazer, entretanto, o apóstolo deixa claro que aqueles que ainda não contraíram matrimônio e até mesmo as viúvas, fiquem como ele e assumam uma posição de celibato perante a Igreja.

“Quem não é casado cuida das coisas do Senhor”

I Cor 7,32-34“Eu quisera que estivésseis isentos de preocupações. Quem não tem esposa, cuida das coisas do Senhor e do modo de agradar ao Senhor. Quem tem esposa, cuida das coisas do mundo e do modo de agradar a esposa, e fica dividido. Da mesma forma, a mulher não casada e a virgem cuidam das coisas do Senhor, a fim de serem santas de corpo e de espírito. Mas a mulher casada cuida das coisas do mundo; procura como agradar ao marido”.

Paulo inicia esse verso dizendo que gostaria que os cristãos de Corinto não tivessem “preocupações”. As preocupações que o apostolo se refere são daqueles que são casados. Na conclusão do seu raciocínio, ele demonstra o que realmente pensa sobre os que contraem matrimonio. Nestes dois versículos, vemos que a preocupação do apóstolo é dizer que o homem e a mulher que se decidem pelo celibato, estão inteiramente prontos a assumir um compromisso onde descobrirão a melhor forma de agradar ao Senhor. Já para os casados, o discurso parece ser duro: “quem tem esposa, cuida das coisas do mundo”.

É interessante afirmar que em nenhum momento, Paulo quer desmerecer o matrimonio que para a Igreja, é um sacramento do amor de Deus, ao contrário disso, o apóstolo quer afirmar que aquele que se guarda em castidade, se dedicará inteiramente a Deus, ao contrário dos casados, que terão que se preocupar em como agradar o esposo ou a esposa.

“Os que não se contaminaram e são virgens”

Ap 14,4“Estes são os que não se contaminaram com mulheres: são virgens. Estes seguem o Cordeiro, onde quer que ele vá. Estes foram resgatados dentre os homens, como primícias para Deus e para o Cordeiro”.

Diferente do antigo testamento que possuía a concepção de que a falta de descendentes seria uma desonra (Jz 11,37), o novo testamento revela uma perspectiva diferenciada; aqueles que se guardam, são os que realizam a vontade do Senhor de uma forma plena, isto porque, possui um tempo inteiramente dedicado a Deus. Aquele que se casa, faz bem, porém, o que guarda sua virgindade, o faz melhor!

Aqueles que tomam a iniciativa de “seguir o Cordeiro, onde quer que ele vá”, assume um compromisso perante o Reino de Deus, faz seus votos de castidade para que assim, se entregue verdadeiramente a obra do Senhor no serviço comunitário.

O verso do apocalipse aqui citado, nada fala sobre sacerdócio, entretanto, trazendo para a realidade da Igreja, podemos sim fazer um comparativo com todos aqueles que se ofertam a vida celibatária por amor a Deus. Estes são resgatados como primícias e seguem ao Senhor com alegria missionária em todos os lugares do mundo.

CONCLUSÃO

O celibato não é um dogma que a Igreja promulgou, ao contrário do que muitos pensam, a “castidade” é uma regra disciplinar interna que poderia ser alterada se assim, o magistério, unido ao Papa, quisesse. Contudo, a fé católica tem o total respaldo em afirmar que o voto celibatário é um Dom oferecido aos homens, que dotados da graça de Deus, são convidados a assumir um “casamento” com a comunidade cristã, a fim de servir ao Senhor e aos irmãos.

As sagradas escrituras nos concedem provas irrefutáveis, confirmando aquilo que a Igreja preserva para os religiosos: muitos possuem a vocação do matrimonio, porém, outros são chamados a serem “eunucos” pelo reino de Deus e dessa forma, ofertam suas vidas em pró da construção do Reino do Senhor.

Este dom que é tão criticado pela sociedade atual, é a verdadeira prova de que a Igreja Católica tem seguido fielmente as palavras dos apóstolos que deixaram tudo para seguir o Senhor Jesus Cristo. O pensamento secular jamais influenciará as doutrinas, dogmas e regras da Igreja, afinal, remamos na maré contrária ao mundo.

Lc 18,29-30“Disse, então, Pedro: ‘Eis que deixamos nossos bens e te seguimos’! Jesus lhes disse: ‘Em verdade vos digo, não há quem tenha deixado casa, mulher, irmãos, pais ou filhos por causa do Reino de Deus, sem que receba muito mais neste tempo e, no mundo futuro, a vida eterna’”.

Publicado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Magnificat anima mea Dominum
Inquisição on Line
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 1
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 2
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 3
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 4
Catecismo de Adultos – Aula 01 – A Revelação Divina – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 02 – O Modernismo, o problema atual na Igreja – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 03 – Deus Uno e Trino – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 04 – A Criação em geral e os anjos – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 05 – Os anjos e o homem – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 06 – A Teoria da Evolução contra a Ciência e a Filosofia – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 07 – Cristo Nosso Senhor e Maria Santíssima – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 08 – Aula 08 – O modo de vida de Jesus Cristo – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 09 – As perfeições de Cristo e a Paixão – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 10 – A Cruz, os infernos e a Ressurreição de Cristo – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 11 – A Ascensão, os juízos particular e final, e o Espírito Santo – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 12 – Como saber qual a verdadeira Igreja de Cristo? – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 13 – A Igreja Católica e a Salvação – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 14 – A Infalibilidade da Igreja e a união da Igreja e do Estado – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 15 – Da comunhão dos santos à vida eterna – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 16 – Os princípios da oração – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 17 – Como rezar bem? – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 18 – Os tipos de oração – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 19 – O Pai Nosso – Padre Daniel Pinheiro

 

Catecismo de Adultos – Aula 20 – A Ave Maria e o Santo Terço – Padre Daniel Pinheiro

 

Catecismo de Adultos – Aula 21 – A Meditação Católica – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 22 – Introdução à moral católica: uma moral das virtudes – Padre Daniel Pinheiro
Lutero e o Protestantismo: A História da Reforma – Profa. Dra. Laura Palma
Lutero e o Protestantismo: Vida de Lutero – Prof. André Melo
Lutero e o Protestantismo: Sola Scriptura – Profa. Dra. Ivone Fedeli
Lutero e o Protestantismo: Sola Fide – Prof. Marcelo Andrade
Lutero e o Protestantismo: Sola Gratia – Pe. Edivaldo Oliveira
Mídia Católica
Atualizações
Translator
Italy
Calendário
fevereiro 2017
D S T Q Q S S
« jan   mar »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728  
Visitantes
  • 4.241.780 acessos desde 01/05/2011
religião e espiritualidade
religião e espiritualidade
Categorias
Links
%d blogueiros gostam disto: