A Liturgia na história da Igreja

1. UMA PARTE MUTÁVEL E OUTRA IMUTÁVEL.

No conjunto da liturgia, especialmente na celebração eucarística, se exerce a obra da nossa redenção (SC 2). Tal conjunto ficou sujeito a um devir ao longo da história. Nele existe uma parte imutável, porque de instituição divina; mas existem também partes suscetíveis a mudanças, que podem ou não variar com o decorrer do tempo. Veremos tais mudanças no devir da história que lentamente deram vida ao imponente edifício da liturgia na Igreja, a partir da origem divina estabelecida em Jesus Cristo.

2. JESUS CRISTO, CENTRO DO CULTO CRISTÃO.

Para Cristo tende toda a história da salvação : “Deus que quer salvar e fazer chegar ao conhecimento da verdade todos os homens… nos falou por meio do seu Filho na plenitude dos tempos” (SC 5). Essa é a obra salvífica, realizada na história da salvação, que se acha no centro de nosso culto, que teve seu prelúdio nos admiráveis feitos do AT e foi plenificada por Jesus Cristo através do mistério pascal da sua sagrada paixão, ressurreição e gloriosa ascensão.
A realização do mistério salvífico da páscoa de Cristo é tarefa verdadeira e específica da liturgia, em adoração e glorificação do Deus vivo e santificação de todos os homens, que se realiza através do sacrifício e dos sacramentos. Nisso podemos afirmar que a liturgia é continuadora da obra de salvação realizada por Cristo. Para que isso se tornasse possível, os apóstolos pregaram e congregaram fiéis para pôr em prática ações cultuais.

3. O CULTO NA ÉPOCA DO NOVO TESTAMENTO.

AS PRIMEIRAS FORMAS DE AÇÕES CULTUAIS : Se deram na época apostólica, muito especificamente nas confissões de fé no Senhor Jesus ressuscitado. Mas, o fundamento e os pontos de partida para tais ações devem ser procurados na vida de Jesus antes sua ressurreição.

Os evangelhos delineiam o âmbito espiritual e cultual de Jesus : Circuncisão (Lc 2,21); purificação (Lc 2,22); peregrinação anual ao Templo para a páscoa (Lc 2,41); batismo (Mt 3,13); ensino e atividade no culto da sinagoga (Lc 4,14.17-21); intensa vida de oração (Lc 6,12). Como sabemos ele toma com os discípulos a ceia pascal, a qual insere a nova ação memorial; defende a pureza do culto quando expulsa os vendilhões do Templo. Enfim, o evangelho de João põe nos lábios de Jesus palavras relativas ao verdadeiro culto de Deus : “Vem a hora em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e verdade” (4,23). Vê-se a explícita intuição de ações cultuais : a ordem de batizar ( Mt 28,19) e do encargo de celebrar a ceia (Lc 22,19).

Com a ressurreição e ascensão do Senhor, o culto a Deus centra-se no crucificado que foi ressuscitado pelo poder de Deus. A comunidade dos primeiros discípulos é fascinada pela luz pascal. Enviados eles ministram o batismo, se reúnem para a fração do pão e oração (At 2), pregam a boa nova da ressurreição; a eucaristia celebrada em memória do Senhor realiza-se depois de um ensinamento doutrinal (At 20, 7-11), precisamente no “primeiro dia da semana”; a vida de oração aos moldes do ensinamento do Senhor se faz com constância (At 3,1; 16,25); a oração e a unção sobre os enfermos (Tg 5,14-15).

UMA CONCENTRAÇÃO CRISTOLÓGICA NO CULTO : Com tal liberdade do Espírito, no abandono dos usos cultuais relacionados as imagens do tempo passado, vai-se delineando em poucas formas a liturgia do novo povo de Deus : O evento Cristo é a realização do culto definitivo.

4. A LITURGIA NA IGREJA DOS MÁRTIRES.

Até meados do século II a Igreja nutriu-se de uma intensa vida espiritual, consolidando-se, foi descobrindo a originalidade que a distanciava do judaísmo. São tempos que a Igreja viveu de modo “intra”, onde, somente a partir da metade do século II vai-se iniciar um período de forte expansão; a Igreja procura impregnar o mundo com o espírito cristão, diferenciando o cristianismo de uma seita.

O MARTÍRIO : O poder político vê no fenômeno religioso, crescente e misterioso, uma ameaça para o Império, onde, a partir desse enfoque, começa a surgir ondas de perseguições que porão a prova os seguidores de Cristo. Esses terão que em tribunais justificar a sua fé com a própria vida. Serão os mártires (“testemunhas”, em grego) que diante das mais absurdas acusações (serem acusados de ateus por não terem deuses), aprenderão que a adesão ao Crucificado impõe duras provas.

As Igrejas começam a valorizar o martírio como o testemunho perfeito que o cristão pode dar, e desenvolve toda uma espiritualidade do mesmo. Eles, os mártires, são os cristãos perfeitos que se unirão a Paixão do Senhor. O martírio é um verdadeiro culto, onde, são descritos em termos cultuais e eucarísticos.

O CATECUMENATO : Uma das instituições mais fecundas da Igreja primitiva.Surge da necessidade de formar verdadeiros cristãos junto ao combate as heresias primitivas. O seu desenvolvimento consta de : longa aprovação de três anos, apadrinhamento por um membro da Comunidade, incompatibilidade com profissões ligadas ao culto pagão (serviço militar, administração do império) , instrução doutrinal e admissão (feitos cristãos) na noite santa da Páscoa.

UMA MUDANÇA FUNDAMENTAL : Talvez a maior de toda a história da liturgia : o abandono do banquete como suporte da celebração. Essa mudança produz modificações : desaparecem as mesas; caem em desuso os termos “fração do pão” e “ceia do Senhor”; começa-se a usar o termo “eucaristia”(ação de graças) ao conjunto de toda a celebração.

ESTRUTURA FUNDAMENTAL DA LITURGIA DOMINICAL : Em meados do século II : Início com a dupla liturgia da palavra (proclamação dos Evangelhos e dos Profetas) seguida de homilia; momento comunitário da oração dos fiéis; apresentação das oferendas seguida da oração eucarística. A segunda parte : conexão entre o banquete e a caridade para com os necessitados.

A ORAÇÃO EUCARÍSTICA :É quase igual a nossa oração II. Sua estrutura contém : diálogo entre o bispo e a assembléia; não há sanctus desembocando direto na narrativa da instituição; segue anamnese sacrificial; epiclese; doxologia trinitária e amém.

A CELEBRAÇÃO PENITENCIAL : Marca a ruptura com Deus e com a assembléia. Ocorria a manifestação pública do pecado a toda assembléia seguida de exclusão da comunidade (plenitude da vida eclesial). A comunidade acompanhava o processo penitencial dos pecadores rezando por eles, para que não fraquejassem no duro caminho de conversão, até serem readmitidos à comunidade.

5. A LITURGIA NA IGREJA DO IMPÉRIO (313 – 590)

NOVA MUDANÇA : O império, com Constantino, muda sua atitude de perseguição e adota o cristianismo como religião oficial. A Igreja passa por uma adaptação à situação nova, tendo que enfrentar um novo fenômeno : as conversões em massa e os benefícios e privilégios recebidos do Estado.

NOVO PROBLEMA : A baixa qualidade dos candidatos. Ser cristão passa a ser um benefício restrito a alguns, assim como, as funções reservadas à corte eclesial.

O MONAQUISMO : Surge da necessidade de se atingir a perfeição (vida cristã mais qualificada = santidade), frente as fraquezas que atinge muitos cristãos. O deserto do Egito é o campo de ação desses cristãos que buscam com a vida ascética substituir o antigo martírio, já não tão visto na Igreja. A celebração do Senhor ocupa lugar central na espiritualidade monástica, demonstrando especial dedicação à liturgia.

NOVA SITUAÇÃO ECLESIAL : A sinceridade das conversões diminui; o crescimento do número de batismo de crianças põe em crise a fecunda instituição do catecumenato, que assegurava a qualidade dos cristãos; o sistema de penitência mostrava-se muito severo (pecados não eram perdoados, penitências pagas por toda vida ou por longos períodos); o poder político se une e se identifica ao religioso. Isso levou muitos a postergar o batismo até momentos antes da morte.

AS HERESIAS : É uma época de grandes controvérsias teológicas, onde, os concílios vão impor a ortodoxia da Igreja. Nicéia (325), a fé na divindade de Cristo contra o arianismo. Constantinopla (381), afirma o Espírito Santo. Em ambos concílios se afirma a doutrina trinitária. Éfeso e Calcedônia se concentram no problema cristológico : uma única pessoa (Éfeso), contra Nestório, e duas naturezas (Calcedônia), contra o monofisismo.

FORTE INFLUÊNCIA LITURGICA : Sendo a liturgia a celebração da fé, ela vem em afirmação da mesma contra as controvérsias impostas : introdução da doxologia como afirmação da consubstancialidade trinitária, orações dirigidas a Jesus seguida da arte (os pantocrator). Tudo para fixar a fé na divindade de Jesus.

FIXAÇÃO DE TEXTOS LITÚRGICOS : Uma Igreja expandida pelo mundo e ameaçada por heresias não podia ficar a mercê das improvisações nas celebrações eucarísticas e expor sua doutrina a mercê de qualquer inspiração. Desse modo, as diferentes Igrejas começam a fixar por escrito suas formas de celebrar, seus textos oracionais. Vive-se momentos de grande criatividade na história da liturgia.

Publicado em Uncategorized
Um comentário em “A Liturgia na história da Igreja
  1. Falsidade Histórica.” O império, com Constantino, muda sua atitude de perseguição e adota o cristianismo como religião oficial. ” Não foi Constantino quem tornou oficial a Religião cristã; foi o imperador Teodosio em 395.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Magnificat anima mea Dominum
Inquisição on Line
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 1
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 2
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 3
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 4
Catecismo de Adultos – Aula 01 – A Revelação Divina – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 02 – O Modernismo, o problema atual na Igreja – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 03 – Deus Uno e Trino – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 04 – A Criação em geral e os anjos – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 05 – Os anjos e o homem – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 06 – A Teoria da Evolução contra a Ciência e a Filosofia – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 07 – Cristo Nosso Senhor e Maria Santíssima – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 08 – Aula 08 – O modo de vida de Jesus Cristo – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 09 – As perfeições de Cristo e a Paixão – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 10 – A Cruz, os infernos e a Ressurreição de Cristo – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 11 – A Ascensão, os juízos particular e final, e o Espírito Santo – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 12 – Como saber qual a verdadeira Igreja de Cristo? – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 13 – A Igreja Católica e a Salvação – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 14 – A Infalibilidade da Igreja e a união da Igreja e do Estado – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 15 – Da comunhão dos santos à vida eterna – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 16 – Os princípios da oração – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 17 – Como rezar bem? – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 18 – Os tipos de oração – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 19 – O Pai Nosso – Padre Daniel Pinheiro

 

Catecismo de Adultos – Aula 20 – A Ave Maria e o Santo Terço – Padre Daniel Pinheiro

 

Catecismo de Adultos – Aula 21 – A Meditação Católica – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 22 – Introdução à moral católica: uma moral das virtudes – Padre Daniel Pinheiro
Lutero e o Protestantismo: A História da Reforma – Profa. Dra. Laura Palma
Lutero e o Protestantismo: Vida de Lutero – Prof. André Melo
Lutero e o Protestantismo: Sola Scriptura – Profa. Dra. Ivone Fedeli
Lutero e o Protestantismo: Sola Fide – Prof. Marcelo Andrade
Lutero e o Protestantismo: Sola Gratia – Pe. Edivaldo Oliveira
Mídia Católica
Atualizações
Translator
Italy
Calendário
novembro 2017
D S T Q Q S S
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  
Visitantes
  • 4.561.177 acessos desde 01/05/2011
religião e espiritualidade
religião e espiritualidade
Categorias
Links
%d blogueiros gostam disto: