RSS

O que pensavam os reformadores sobre a virgindade de Maria ?

06 set
Resultado de imagem para virgindade de maria
João Calvino ( 1509-1564) =>  “Virgindade de Maria”
Calvino em Genebra (Suíça) foi muito mais radical do que Lutero na Alemanha. Imprimiu notas pessoais à Reforma, entre as quais as do presbiterianismo.
Em relação a Maria, professa a Maternidade virginal:
“Professo que da genealogia de Cristo não se pode deduzir que Ele foi Filho de Davi a não ser através da Virgem” (Calvini Ópera 2,351).
A respeito de Mt 1,25 escreve: “Jesus é dito primogênito unicamente para que saibamos que Ele nasceu da Virgem” (CO 45,645).
A propósito Is 7,14: ” O profeta teria feito coisa muito fria e insípida se, depois de anunciar algo de novo e insólito entre os judeus, acrescentasse: ‘Uma jovem conceberá’. É assaz claro, portanto, que ele fala da Virgem, que havia de conceber não conforme as leis ordinárias da natureza, mas por graça do Espírito Santo” ( CO 36,156s).
Calvino exalta as virtudes de Maria quando escreve: “Quando a Virgem disse: ‘Eis a Serva do Senhor’, ela se ofereceu e entregou totalmente a Deus, para que se servisse dela conforme os direitos de Deus. ‘Faça-se em mim’: entendo estas palavras como expressão de que Maria estava persuadida do poder de Deus e voluntariamente se dispunha a atender ao seu chamado; acreditou na promessa do Senhor, cuja realização Ela não somente esperava, mas também pedia ardorosamente” ( CO 45,30).
Ao comentar a frase: “Bem-aventurada me dirão todas as gerações”, julga que Maria assim “proclamava uma tão grande dádiva de Deus que não era lícito silenciá-la… Reconhecemos que este dom foi altamente honroso para Maria. De boa vontade seguimo-la como mestra e obedecemos aos ensinamentos e preceitos da Virgem” ( CO 45,38).
Ulrico Zvinglio ( 1484-1531)=>  “Virgindade de Maria”
Zvinglio em Zürich (Suíça) iniciou uma reforma, que foi posteriormente absorvida pelo Calvinismo. Escreveu:
“Creio firmemente que, segundo o Evangelho, Maria, como Virgem pura, gerou o Filho de Deus e no parto e após o parto permaneceu para sempre Virgem pura e íntegra. Também acredito firmemente que ela foi por Deus exaltada acima de todas as criaturas Bem-aventuradas (homens e anjos) na eterna bem-aventurança” (Zwinglii Opera 1,424).
Os “irmãos do Senhor” eram, para Zvinglio, “os amigos do Senhor” ( ZO 1,401}.
Declarou: “Estimo grandemente a Mãe de Deus, a Virgem Maria perpetuamente casta e imaculada” ( ZO 2,189).
Amman, discípulo e contemporâneo de Zvinglio, declarou: ” Maria foi preservada de toda mancha e culpa: do pecado original, do pecado mortal e do pecado atual”.
Heinrich Bullinger, sucessor de Zvinglio, testemunhou:
“Cremos que o corpo puríssimo da Virgem Maria, Mãe de Deus é templo do Espírito Santo… foi levado pelos anjos ao céu”.
Em conclusão, Zvinglio: “Quanto mais crescem a honra e o amor de Cristo entre os homens, tanto mais crescem também a estima e a honra de Maria, que gerou para nós um tão grande e propício Senhor e Redentor” (ZO 1,427s).
Como se vê, os mestres da Reforma foram muito mais fiéis a Maria do que os seus discípulos, “reformadores da Reforma do século XVI”. Todavia no protestantismo contemporâneo nota-se uma volta às origens, da qual vai aqui transcrito um espécimen, tirado de um Catecismo luterano:
“Maria faz parte do Evangelho… É apresentada como aquela que ouviu de maneira exemplar a palavra de Deus, como a serva do Senhor que diz Sim à palavra de Deus, como a cheia de graça que por si mesma nada é, mas que é tudo por bondade de Deus. É, com efeito, o modelo original dos homens que se abrem a Deus e se deixam enriquecer por Ele, o modelo original da comunidade dos fiéis, da Igreja… ‘Concebido por obra do Espírito Santo, nascido da Virgem Maria’: é uma verdade que confessamos de Jesus; conseqüentemente, confessamos também que Maria é a Mãe de Nosso Senhor” (Evangelischer Erwachsenenkatechismus, sob a direção de W. Jehtsh, Gütersloh).
É de esperar que o movimento de volta às fontes tem a sua feliz continuidade no protestantismo.
“É uma doce e piedosa crença esta de que a alma de Maria não possuía o pecado original; assim, sua alma estava completamente purificada do pecado original e embelezada com os dons de Deus, por ter recebido de Deus uma alma pura. Portanto, desde o primeiro momento de sua vida, ela estava livre de todo o pecado”
(Martinho Lutero, “Sermão sobre o Dia da Conceição da Mãe de Deus”, 1527).
 
Deixe um comentário

Publicado por em 06/09/2016 em Uncategorized

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: