RSS

Curso Bíblico – NÚMEROS

05 nov

Resultado de imagem para biblia livro NÚMEROS

Integrado no grande bloco da Tora ou Pentateuco, o livro dos NÚMEROS recebeu este nome na tradução grega dos Setenta, por abrir com os números do recenseamento do povo hebraico e, depois, apresentar outros recenseamentos ao longo da narrativa (cap. 1-4 e 26).

Relacionados com este título podem estar ainda os números das ofertas dos chefes (cap. 7), das ofertas, libações e sacrifícios a oferecer pelo povo (cap. 15 e 28-29). Trata-se, porém, de um livro narrativo com alguns trechos legislativos, que se enlaça com o Êxodo, do qual está literariamente separado pelo código legislativo do Levítico.

CONTEÚDO E DIVISÃO O conteúdo deste livro abrange as peripécias ou vicissitudes da caminhada pelo deserto, desde o Sinai até às margens do rio Jordão, fronteira oriental da Terra Prometida. No aspecto histórico, a narrativa pode dividir-se em três grandes seqüências literárias:

I. No deserto do Sinai (1,1-10,10). Referem-se as ordens de Deus para a caminhada através do deserto com a disposição do acampamento das tribos, os deveres dos levitas e outras leis de caráter ritual.

II. Do Sinai a Moab (10,11-21,35). Os acontecimentos mais importantes desta segunda parte estão marcados por etapas geográficas, algumas das quais são difíceis de identificar. Descreve-se a caminhada direta para Cadés-Barnea, mesmo na fronteira sul de Canaã e, depois, a inflexão para oriente e a errância penosa durante quarenta anos através do deserto até à chegada a Moab, já na fronteira da Terra Prometida.

III. Na região de Moab (22,1-36,13). Começando com a bênção de Balaão, as narrativas desta terceira parte apresentam um novo recenseamento dos israelitas, descrevem a nomeação de Josué para substituir Moisés, contêm algumas prescrições de caráter cultual, narram a luta contra os madianitas e a partilha de Canaã com a instalação das tribos de Ruben, Gad e parte de Manassés em Guilead, na Transjordânia, e a recapitulação das etapas do Êxodo.

Como tal, no seu encadeamento histórico, o livro dos NÚMEROS é inseparável da epopéia do Êxodo. Mas, também nele, é preciso ter presente que as narrativas foram redigidas bastante depois dos acontecimentos históricos, à luz da perspectiva da fé e da celebração litúrgica do templo de Jerusalém, já na Terra Prometida.

A redação definitiva deste livro deve colocar-se em data posterior ao exílio da Babilônia. Certas leis, sobretudo, são determinadas pela prática ritual estabelecida pelos sacerdotes após o Exílio (séc. VI-V). De resto, só bastante tardiamente, graças a tradições orais muito antigas de proveniência diversa e a fontes documentais variadas, transmitidas como “memória do passado histórico”, é que terá sido possível cerzir em unidade literária o conjunto das leis e a sequência dos acontecimentos.

TEOLOGIA Como quer que seja, toda a narrativa está articulada dentro do binômio da fidelidade-infidelidade à Aliança, evidenciando o movimento quaternário da História da Salvação: o povo peca, Deus castiga, o povo arrepende-se, Deus perdoa. Nos interlúdios do contrastante claro-escuro que as tentações acarretam, surge o difícil papel de Moisés, como mediador das exigências de Deus e advogado das necessidades e angústias do povo; mas, até ele acaba por sofrer um castigo, sendo privado de entrar na Terra Prometida, já com ela à vista. É a lei da pedagogia divina, a que até os homens de Deus têm de se sujeitar.

Afinal, o Livro dos NÚMEROS não é factualmente histórico; apresenta uma narrativa historicizante de acentuado valor didático-pragmático para que, no drama dos seus antepassados através do deserto, o povo eleito, já na Terra Prometida, soubesse enfrentar os desafios e as esperanças do seu futuro, tal como o pagão Balaão, qual profeta inspirado de Israel, o soube prognosticar (cap. 23-24).

LEITURA CRISTÃ Este foi um dos livros da Bíblia que não mereceu especial atenção na tradição da Igreja. No entanto, os modernos estudos sobre a Aliança e sobre a História da Igreja estão a fazer-lhe justiça. Apesar de não aparecerem aqui explicitamente alguns dos grandes temas do Pentateuco (Criação, Eleição, Promessa, Aliança, Lei), o livro dos NÚMEROS é já a realização da Aliança de Deus com o seu povo, por meio do culto.

O tema da bênção, de que o povo é depositário nos quatro oráculos de Balaão (23-24), anuncia a eleição da dinastia davídica (24,17).

Importante é ainda o tema da Tenda, lugar da Presença (Shekkinah) do Senhor, que caminha no meio do seu povo.

O tema do Deserto é também fundamental neste livro e foi dos que teve maior ressonância, tanto no resto do Antigo Testamento como no Novo: o povo de Israel, peregrino pelo deserto durante “quarenta anos”, tornou-se o protótipo do novo povo de Deus, guiado por Jesus Cristo, que também foi ao deserto (Mt 4,1-11; Mc 1,12-13; Lc 4,1-13). Jesus Cristo é, para este novo povo liberto, a água viva (20,2-13; e Jo 4,1-26), o verdadeiro maná (11,6-9; e Jo 6,26-58), a verdadeira serpente de bronze que salva o seu povo. (21,4-9; e Jo 3,13-15; 1 Cor 10,9-11).

 
Deixe um comentário

Publicado por em 05/11/2016 em Uncategorized

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: