Raízes Bíblicas da Homilia

Imagem relacionada

 

A origem da homilia mergulha suas raízes no povo bíblico de Israel e nas primeiras comunidades cristãs.

Aos sábados de manhã havia nas sinagogas um ofício de leituras. Tiago diz isso em Atos dos Apóstolos 15,21: “Porque Moisés tem, em cada cidade desde tempos antigos, os que pregam nas sinagogas, onde é lido todos os sábados”.

Lia-se um trecho da TORÁ, que era o livro da Lei de Moisés (os cinco primeiros livros da Bíblia). Era a leitura mais importante. Nos lugares onde o povo já não entendia o hebraico (a língua em que estava escrita a bíblia), alguém fazia em seguida o “targum”, ou seja, a tradução em aramaico ou em grego, que era a língua falada pela comunidade reunida. Era uma tradução bem livre e espontânea, muitas vezes com adaptações do texto à comunidade ouvinte.

Depois se faziam as leituras dos PROFETAS e dos escritos com seus comentários e também o salmo.

Tudo era escolhido em ligação com a leitura da Torá.

Depois havia a homilia que retomava sempre cada uma das leituras explicando uma a partir da outra e ligando-as com a realidade do momento. Mostrava que o mesmo Senhor, que estava presente na história do povo no passado, estava presente também no momento atual, hoje, para salvar e libertar o seu povo. Mostrava como a Palavra de Deus se cumpria, se realizava na história atual. Exortava e animava o povo a ficar fiel ao Deus da Aliança, a comprometer-se com ele, a confiar nele.

Usando este método aprendido na sinagoga, as primeiras comunidades cristãs mostravam na homilia que todas as Escrituras recebiam seu pleno cumprimento em Jesus Cristo.

Em Lucas 4,16-30, temos a primeira homilia cristã, na qual o próprio Jesus é o pregador e o protagonista. Há um claro comentário do texto de Isaías e uma clara aplicação à situação concreta dos que estão reunidos na sinagoga, incluindo o próprio Jesus. O texto também nos deixa claro que Jesus tinha o costume de ir à sinagoga no sábado e fazer a leitura (v.16) e também de ensinar nas sinagogas com louvor dos que participavam.

Em João 5,59 Jesus pronunciou o discurso do pão da vida na sinagoga de Cafarnaum, provavelmente na festa da Páscoa (Jo 6,4),

Em Lucas 24,13-35, temos outro exemplo de homilia de Jesus com dois discípulos, na caminhada de Emaús. Trata-se de uma homilia no sentido mais genuíno da palavra: “conversa familiar”. Ao longo da caminhada que leva de Jerusalém a Emaús, Jesus vai interpretando o momento presente à luz dos textos da Sagrada Escritura. Trata-se uma verdadeira “liturgia da Palavra” que prepara o coração dos discípulos para a “liturgia Sacramental”. Na verdade, as palavras de Jesus atualizam os textos bíblicos (v.27) e preparam os corações para a celebração eucarística (v.29-30).

Em Atos dos Apóstolos 13,13-43 temos a homilia de Paulo na sinagoga de Antioquia da Pisídia.

Em Atos dos Apóstolos 20, 7-12 temos a homilia de Paulo em Trôade, num Domingo dia da Ressurreição, dia da Páscoa.

Entre os escritos pós-bíblicos, o primeiro testemunho que faz referência clara a homilia como parte da liturgia Eucarística é Justino, em sua Apologia n. 67, por volta do ano 153. “… Depois que o leitor acabou, quem preside exorta e incita pela palavra à imitação dessas coisas excelsas”.

Ainda são famosas as homilias dos Santos Padres (séc. II – VIII), que em grande parte foram transmitidas por escrito. São o comentário vivo da Bíblia por parte da Igreja dos primeiros séculos.

Os textos bíblicos nascem nas celebrações litúrgicas. Se tirarmos os textos bíblicos de uma celebração sobrará muito pouco. O Evangelho que lemos hoje nas celebrações nasceu na própria celebração.

Os Santos Padres da Igreja dizia que o livro é a “cama na qual dorme a Palavra”. A Palavra de Deus existe no texto e ressoa quando o texto é proclamado. Neste sentido é muito importante valorizar o Lecionário e o Evangeliário, pois eles aparecem como sinal da Palavra. Porém uma excessiva ritualidade com o livro parece valorizar mais a cama do que a pessoa que dorme. A palavra é viva e liga a história com o que a comunidade está vivendo.

A função do texto bíblico na celebração é:

  • Alimentar a inteligência e o coração. A comunhão da palavra de Deus como de um pão vivo que nos fortalece e se dá pela escuta e escuta inteligente;
  • Equilibrar a Palavra com sua interpretação. O Culto tem que ser mais orante e menos explicativo;
  • Formar liturgicamente a assembléia para a escuta. Temos que formar os leitores e os ouvintes;
  • A função abençoada da Palavra. Nas Igrejas antigas, os ministros abençoavam doentes com um texto da Sagrada Escritura;
  • Relacionar com a vida. Celebrar é se colocar sob a Palavra, para que ela possa se atualizar em nós.

Pe. Ocimar Francatto

Publicado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Magnificat anima mea Dominum
Inquisição on Line
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 1
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 2
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 3
Curso de liturgia da Santa Missa // Padre Paulo Ricardo // Parte 4
Catecismo de Adultos – Aula 01 – A Revelação Divina – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 02 – O Modernismo, o problema atual na Igreja – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 03 – Deus Uno e Trino – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 04 – A Criação em geral e os anjos – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 05 – Os anjos e o homem – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 06 – A Teoria da Evolução contra a Ciência e a Filosofia – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 07 – Cristo Nosso Senhor e Maria Santíssima – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 08 – Aula 08 – O modo de vida de Jesus Cristo – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 09 – As perfeições de Cristo e a Paixão – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 10 – A Cruz, os infernos e a Ressurreição de Cristo – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 11 – A Ascensão, os juízos particular e final, e o Espírito Santo – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 12 – Como saber qual a verdadeira Igreja de Cristo? – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 13 – A Igreja Católica e a Salvação – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 14 – A Infalibilidade da Igreja e a união da Igreja e do Estado – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 15 – Da comunhão dos santos à vida eterna – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 16 – Os princípios da oração – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 17 – Como rezar bem? – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 18 – Os tipos de oração – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 19 – O Pai Nosso – Padre Daniel Pinheiro

 

Catecismo de Adultos – Aula 20 – A Ave Maria e o Santo Terço – Padre Daniel Pinheiro

 

Catecismo de Adultos – Aula 21 – A Meditação Católica – Padre Daniel Pinheiro
Catecismo de Adultos – Aula 22 – Introdução à moral católica: uma moral das virtudes – Padre Daniel Pinheiro
Lutero e o Protestantismo: A História da Reforma – Profa. Dra. Laura Palma
Lutero e o Protestantismo: Vida de Lutero – Prof. André Melo
Lutero e o Protestantismo: Sola Scriptura – Profa. Dra. Ivone Fedeli
Lutero e o Protestantismo: Sola Fide – Prof. Marcelo Andrade
Lutero e o Protestantismo: Sola Gratia – Pe. Edivaldo Oliveira
Mídia Católica
Atualizações
Translator
Italy
Calendário
abril 2018
D S T Q Q S S
« mar   maio »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  
Visitantes
  • 3.758.502 acessos desde 01/05/2011
religião e espiritualidade
religião e espiritualidade
Categorias
Links
%d blogueiros gostam disto: