RSS

Voto Católico – Defesa da Vida e da Família no Congresso Nacional

Deputado Federal

RIO DE JANEIRO

13


BRASÍLIA

12


SÃO PAULO

11

9


PARANÁ

8


RIO GRANDE DO SUL

6


GOIÁS

1


MINAS GERAIS

7

PERNAMBUCO

 
Deixe um comentário

Publicado por em 15/09/2014 em Uncategorized

 

AÉCIO NEVES, O MAL MENOR!

Foto: #EuVotoCatólico Curta Voto Católico! Acesse: www.euvotocatolico.com
 
 

Hoje, tenho a incumbência de vos falar sobre política, ou melhor, sobre as próximas eleições, cuja data se aproxima. E o faço porque é necessário esclarecer algumas dúvidas e alguns mal-entendidos que podem ter consequências desastrosas e dolorosas para todos nós. Portanto, vos peço paciência para ler com atenção este artigo, prometendo tentar ser a mais objetiva e concisa possível…

Vou deixar de lado várias premissas desnecessárias embora válidas, como a forma de Governo ideal, a necessidade de restabelecermos o Reinado Social de Nosso Senhor, o voto no MELHOR candidato etc., porque vivemos tempos nada ideais.

Vamos falar das coisas como estão, e da melhor maneira de servir a Deus, diante dos candidatos de que dispomos. 

Permitam-me dizer que é fato que o Brasil já não é uma democracia, posto que diversas emendas constitucionais e algumas leis já deram conta de nos transformar em uma ditadura, ainda que se faça de conta que não. Isso nem começou com a presidente Dilma, ou com o Lula (que implantaram o Bolivarismo); começou desde que, promulgada a atual Constituição Federal, praticamente todos os governos a emendaram inconstitucionalmente, com um Congresso sem poderes para tanto. Sim, porque, para emendar a Constituição, é necessário que o Congresso tenha poderes constituintes… E quando foi que tivemos uma eleição com esse intuito?  

Para piorar, recentemente, a Presidente promulgou o Decreto n. 8243[1], que visa transformar o Brasil em uma República Soviética, aos moldes da antiga URSS. Na verdade, à época do decreto muitos jornais europeus estamparam a notícia, nas primeiras páginas, dando por certo que o Brasil já é uma República Socialista Soviética…

Além disso, para sermos um País democrático, os três Poderes deveriam ser “harmônicos e independentes entre si”. Escândalos atrás de escândalos nos deixaram claro que isso não é verdade, e se dessume claramente que o poder está nas mãos do Executivo. Marxista.  

Dito isso, falemos das ELEIÇÕES. 

A situação atual é a seguinte: temos, de fato, apenas três candidatos que realmente disputam essas eleições. Os demais estão mais atrapalhando que ajudando. Votar nestes é jogar fora o voto, ou seja, é um desserviço ao Brasil.

Dilma e Marina são duas faces da mesma moeda socialista. Nem vou gastar teclado para explicar porque o católico que vota em socialista incorre em excomunhão[2]. Tenho para mim, contudo, que Marina é mesmo pior que Dilma, uma vez que, mocinha ainda, já comandava invasões de terra lá pras bandas onde se criou. Há suspeitas também de que, por trás de sua candidatura, haja dinheiro sionista (Soros). Como vemos claramente, ela tem um discurso que se adequa à plateia do momento. Se Dilma faz rir, com seus discursos improvisados que não dizem absolutamente nada, Marina assusta porque seus discursos vazios tanto quanto os da Dilma são adredemente preparados. É uma “metamorfose ambulante”, pois até ontem era abortista e pró-gays, hoje mudou o discurso porque sabe que a maioria dos brasileiros ainda “não está preparada” para os temas. Finge-se cristã – ora católica (adepta da TL)[3], ora protestante – porque sabe que a maioria dos eleitores é cristã. Ela era do PT, junto com o Lula, de quem era companheira inseparável até entenderem que era melhor dividir-se para nos conquistar. Não é por acaso que sete dos candidatos à Presidência são ou foram do PT. Mera coincidência? Não aposte nisso! 

Enfim, ambas são um perigo para o Brasil, nossa liberdade civil e o Cristianismo.  

Nestas eleições, temos o grave dever de IMPEDIR que Dilma e Marina se elejam. Como fazer isso?  

Levando em conta que, segundo o TSE[4], os votos nulos e brancos “não são considerados na soma dos votos” – mas há quem diga que são contados em favor de quem está em primeiro lugar – assim como as abstenções, e que votar em quem tem 1% (ou menos) de chance de ganhar é completamente inútil, só nos resta votar no Aécio Neves, que é quem, de fato, tem reais condições de impedir que Dilma e Marina se elejam.  

Contra Aécio joga a desinformação e o pré-conceito.  

A mídia faz questão de dizer que ele é pró-aborto, apenas porque teria afirmado que é a favor de deixar a lei como está – ou seja, permitir o aborto em casos específicos como estupro e anencefalia, por exemplo – porque está boa. Como bom mineiro não quis bater de frente com o lobby abortista, deixando prá lá um assunto espinhoso.

Mas admitindo, apenas para argumentar, que ele seja abortista (só por isso) e que queira deixar a lei como está, ainda assim, é MELHOR ele do que Dilma ou Marina. Quem pode discordar?  

Ele é o “mal menor” do qual podemos lançar mão para impedir um “mal maior” que é continuar com Dilma ou cair nas mãos da Marina.  

Talvez não saibam, mas ambas pretendem impor ao Brasil o ABORTO LIVRE, ou seja, qualquer mulher que queira se livrar de uma gestação indesejada, seja porque não pode, seja porque não quer o bebê, poderá fazê-lo livremente, sem precisar dar um motivo. Vai se apresentar no hospital e dizer: quero fazer o aborto. E os médicos, cristãos ou não, serão obrigados a fazê-lo. E quem vai pagar por esses abortos? O contribuinte, ou seja, cada um de nós.  

E, mais, esse “direito” será estendido às menores de idade, sem autorização dos pais, como pretendem fazer já em relação à cirurgia de mudança de sexo, que é feita às nossas custas, pelo SUS.

Eu sei que seria ideal se tivéssemos um candidato católico, contra o aborto e a favor da família tradicional (homem+mulher), mas, como disse, não vivemos tempos ideais.  

O “mal menor” hoje é votar no Aécio.  

Mas porque não posso me abster e rezar para que tudo dê certo?

Porque a omissão, por vezes, é um pecado maior do que a ação. Sobretudo se, por omissão, provocamos um “mal maior”.

Penso que, em um segundo turno provável entre Dilma e Marina, seja lícito abster-se de votar, tendo em vista que não há o que escolher aí entre um “mal maior” e um “mal menor”, sendo ambas um grande mal para o Brasil. Mas no primeiro turno é preciso, pelo menos, garantir que Aécio vá para o segundo turno.  

Uma vez vencido o inimigo comum – o marxismo – e passadas as eleições, seria justo que os cristãos se unissem para exigir do Congresso a reforma do Código Penal, com base na Constituição Federal, que defende o direito à vida, excluindo-se as exceções nele previstas quando trata do aborto, para sermos um País que, de fato, defende e protege a vida desde sua concepção. Afinal, se chegamos ao ponto em que chegamos, em que se quer discutir o “direito ao aborto”, como se fosse realmente um direito e não um crime, é culpa principalmente dos cristãos omissos, que permitiram as brechas pelas quais o lobby abortista tem se esgueirado há décadas. 

Omitir-se agora, por quaisquer desculpas que se queira arranjar, não é um ato cristão.  

Se ainda assim tiverem dúvidas sobre o assunto, não procurem uma solução com seus botões, aconselhem-se com seu diretor espiritual ou, caso ainda não o tenham, com um bom padre – verdadeiro! Não um desses padres artistas ou, pior, TL – porque estamos para vivenciar um grande embate, não só político como religioso, no Brasil, uma vez que o marxismo entra na seara da religião.

Estou à disposição para quaisquer esclarecimentos, inclusive se precisarem de um bom padre, posso indicar um.  

Giulia d’Amore

_________________
1 – Leia mais sobre o decreto 8243 e outro, o 8242, ambos ditatoriais, pela palavra de Ives Gandra, jurista brasileiro de renome: http://midiainversa.org/dois-decretos-ditatoriais.
2 – Leia aqui e aqui (desconsiderando, neste, as tolices que falo Francisco). 
3 – “Minha forte vivência na Igreja Católica foi o caminho para minha politização”, lembra Marina Silva. Ela tinha 18 anos quando se envolveu com a Teologia da Libertação. Já morava na Casa Madreliza, convento das freiras Servas de Maria na capital acreana. Nas atividades da Comissão Pastoral da Terra (CPT), conheceu Chico Mendes, então presidente do Sindicato dos Seringueiros de Xapuri. Juntos, fundaram a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e coordenavam movimentos junto às comunidades eclesiais de base da Igreja Católica. Em cinco anos de supletivo, ingressou na Faculdade de História de Rio Branco e, dois anos depois, dava aulas no ginásio. O projeto de ser freira fracassou. Marina descobriu que queria casar e ter filhos. “Não tinha vocação para renunciar à minha sensualidade”, diz. Leia aqui
4 – Leia aqui

 Fonte: http://farfalline.blogspot.ca/2014/09/aecio-neves-o-mal-menor.html

 
Deixe um comentário

Publicado por em 10/09/2014 em Uncategorized

 

Impossível ser Católico e comunista/socialista

 

 
Deixe um comentário

Publicado por em 10/09/2014 em Uncategorized

 

Católico não vota em comunista/socialista

 
Deixe um comentário

Publicado por em 10/09/2014 em Uncategorized

 

Os 10 últimos Papas condenam o socialismo, marxismo e comunismo

 Proposições do Magistério dos papas sobre o tema.

 
 
 

 
Podemos ainda hoje observar um chamado socialismo cristão, enveredado de “catolicismo” em vários ambientes ligados a Igreja católica no Brasil, mesmo com o descrédito e agonia de um dos principais movimentos como a Teologia da Libertação que desde o fim da Ditadura Militar em 1985, encontra-se fora de moda em desfalecimento em nosso país.
 
 
Tentaram infiltrar na Igreja um marxismo (socialismo) cristão, fato inconsistente com o próprio catolicismo, lembremos quando o então cardeal da Congregação para doutrina e fé e hoje Papa Bento XVI, destitui o Ex-Frei Leonardo Boff de suas funções atividades com a Igreja. Lembremos também da posição de João Paulo II que após elogiar a TL, analisou e retificou sua posição a este movimento na America Latina, o condenando. Foi habitualmente clara durante o pontificado de vários papas a incompatibilidade entre o socialismo e a doutrina da Igreja.
 
Muitos ainda querem segurar esta linha ideológica, usando como pretexto as camadas menos abastadas de nosso país e a situação dos pobres ou a situação capitalista e materialista de nossa nação, mais a Igreja enquanto instituição tem como missão anunciar e auxiliar os pobres e, mas não necessariamente precisando de compressos ideológicos de ação surgidos com o ”Manifesto comunista” de Marx e Engels foi publicado em 1848, muitos pensam que a Igreja não condena este tido socialismo, ou até desconhecem que o Magistério dos Papas sempre condenou o socialismo então faremos uma caminhada percorrendo os documentos e pronunciamentos dos últimos 10 Papas.
 
Papa Pio IX (1846-1878):
 
 
 

“Transtorno absoluto de toda a ordem humana” “[…] tampouco desconheceis, Veneráveis Irmãos, que os principais autores desta intriga tão abominável não se propõem outra coisa senão impelir os povos, agitados já por toda classe de ventos de perversidade, ao transtorno absoluto de toda a ordem humana das coisas, e entregá-los aos criminosos sistemas do novo socialismo e comunismo” (Pio IX, Encíclica Noscitis et Nobiscum, 8 de dezembro de 1849 – Colección Completa de Encíclicas Pontifícias”, Editorial Poblet, Buenos Aires, pág. 121).

 
 
Papa Leão XIII (1878-1903):
 
“[…]o “comunismo”, o “socialismo”, o “nihilismo”, monstros horrendos que são a vergonha da sociedade e que ameaçam ser-lhe a morte” (Leão XIII, Encíclica Diuturnum Illud, 29 de junho de 1881 – Editora Vozes Ltda., Petrópolis, pág. 16).
 
“Ruína de todas as instituições” “[…] suprimi o temor de Deus e o respeito devido às suas leis; deixai cair em descrédito a autoridade dos príncipes; dai livre curso e incentivo à mania das revoluções; dai asas às paixões populares, quebrai todo freio, salvo o dos castigos, e pela força das coisas ireis ter a uma subversão universal e à ruína de todas as instituições: tal é, em verdade, o escopo provado, explícito, que demandam com seus esforços muitas associações comunistas e socialistas” (Leão XIII, Encíclica Humanum Genus, de 20 de abril de 1884 – Editora Vozes Ltda., Petrópolis, págs. 20-21).
 
“[…] esta seita de homens que, debaixo de nomes diversos e quase bárbaros se chamam socialistas, comunistas ou nihilistas, e que, espalhados sobre toda a superfície da terra, e estreitamente ligados entre si por um pacto de iniqüidade, já não procuram um abrigo nas trevas dos conciliábulos secretos, mas caminham ousadamente à luz do dia, e se esforçam por levar a cabo o desígnio, que têm formado de há muito, de destruir os alicerces da sociedade civil. É a eles, certamente, que se referem as Sagradas Letras quando dizem: ‘Eles mancham a carne, desprezam o poder e blasfemam da majestade’ (Jud. 8)” (Leão XIII, Encíclica Quod Apostolici Muneris, 28 de dezembro de 1878 – Editora Vozes Ltda., Petrópolis, págs. 3-4).
 
“[…] todos sabem com que gravidade de linguagem, com que firmeza e constância o Nosso glorioso Predecessor Pio IX, de saudosa memória, combateu, quer nas suas Alocuções, quer nas suas Encíclicas dirigidas aos Bispos de todo o mundo, tanto os esforços iníquos das seitas, como nomeadamente a peste do socialismo, que já irrompia dos seus antros” (Leão XIII, Encíclica Quod Apostolici Muneris, 28 de dezembro de 1878 – Editora Vozes Ltda., Petrópolis, pág. 7).
 
“[…] os socialistas e outras seitas sediciosas que trabalham há tanto tempo para arrasar o Estado até aos seus alicerces” (Leão XIII, Encíclica Libertas Praestantissimum, 20 de junho de 1888 – Editora Vozes Ltda., Petrópolis, pág. 16)
 
“É necessário, […] que trabalheis para que os filhos da Igreja Católica não ousem, seja debaixo de que pretexto for, filiar-se na seita abominável (do socialismo), nem favorecê-la” (Leão XIII, Encíclica Quod Apostolici Muneris, 28 de dezembro de 1878 – Editora Vozes Ltda., Petrópolis, pág. 14).
 
Inimigo da sociedade e da Religião
 
“[…] temos necessidade de corações audaciosos e de forças unidas, numa época em que a messe de dores que se desenvolve diante de nossos olhos é demasiado vasta, e em que se vão acumulando sobre nossas cabeças formidáveis perigos de perturbações ruinosas, em razão principalmente do poder crescente do socialismo. Esses socialistas insinuam-se habilmente no coração da sociedade. Nas trevas das suas reuniões secretas e à luz do dia, pela palavra e pela pena, impelem a multidão à revolta; rejeitam a doutrina da Igreja, negligenciam os deveres, só exaltam os direitos, e solicitam as multidões de desgraçados, cada dia mais numerosos, que, por causa das dificuldades da vida, se deixam prender a teorias enganosas e são arrastados mais facilmente para o erro. Trata-se ao mesmo tempo da sociedade e da Religião. Todos os bons cidadãos devem ter a peito salvaguardar uma e outra com honra” (Leão XIII, Encíclica Graves de Communi, 18 de janeiro de 1901 – Editora Vozes Ltda., Petrópolis, págs. 15-16).
 
“… era o Nosso dever advertir publicamente os católicos dos graves erros que se ocultam sob as teorias do socialismo, e do grande perigo que daí resulta, não somente para os bens exteriores da vida, mas também para a integridade dos costumes e para a Religião” (Leão XIII, Encíclica Graves de Communi, 18 de janeiro de 1901 – Editora Vozes Ltda., Petrópolis, pág. 04).
 
“… a Igreja do Deus vivo, que é ‘a coluna e o sustentáculo da verdade’ (1 Tim. 3,15), ensina as doutrinas e princípios cuja verdade consiste em assegurar inteiramente a salvação e tranqüilidade da sociedade e desarraigar completamente o germe funesto do socialismo” (Leão XIII, Encíclica Quod Apostolici Muneris, 28 de dezembro de 1878 – Editora Vozes Ltda., Petrópolis, pág. 7.).
 
Os comunistas, os socialistas e os niilistas são uma “peste mortal que se introduz como a serpente por entre as articulações mais íntimas dos membros da sociedade humana, e a coloca num perigo extremo” (Leão XIII, Encíclica Quod Apostolici Muneris, 28 de dezembro de 1878 – Editora Vozes Ltda., Petrópolis, pág. 03).
 
Os socialistas, os comunistas e os niilistas “nada deixam intacto ou inteiro do que foi sabiamente estabelecido pelas leis divinas e humanas para a segurança e honra da vida” (Leão XIII, Encíclica Quod Apostolici Muneris, 28 de dezembro de 1878 – Editora Vozes Ltda., Petrópolis, pág. 04).
 
O socialismo diverge diametralmente da Religião Católica
 
“… ainda que os socialistas, abusando do próprio Evangelho, a fim de enganarem mais facilmente os espíritos incautos, tenham adotado o costume de o torcerem em proveito da sua opinião, entretanto a divergência entre as suas doutrinas depravadas e a puríssima doutrina de Cristo é tamanha, que maior não podia ser. Pois ’que pode haver de comum entre a justiça e a iniquidade? Ou que união entre a luz e as trevas?’ (2 Cor. 6, 14)” (Leão XIII, Encíclica Quod Apostolici Muneris, 28 de dezembro de 1878 – Editora Vozes Ltda., Petrópolis, pág. 8).
 
Papa São Pio X (1903-1914)
 
O sonho utópico de reconstruir a sociedade trará o socialismo
 
“O equívoco está desfeito; a ação social do Sillon não é mais católica. […] Porém, mais estranhas ainda, ao mesmo tempo inquietantes e acabrunhadoras, são a audácia e a ligeireza de espírito de homens que se dizem católicos, e que sonham refundir a sociedade […] e estabelecer sobre a terra, por cima da Igreja Católica, ‘o reino da justiça e do amor’, com operários vindos de toda parte, de todas as religiões ou sem religião, com ou sem crenças, […] Que é que sairá desta colaboração? Uma construção puramente verbal e quimérica, em que se verão coruscar promiscuamente, e numa confusão sedutora, as palavras liberdade, justiça, fraternidade e amor, igualdade e exaltação humana, e tudo baseado numa dignidade humana mal compreendida. Será uma agitação tumultuosa, estéril para o fim proposto, e que aproveitará aos agitadores de massas, menos utopistas. Sim, na realidade, pode-se dizer que o Sillon escolta o socialismo, o olhar fixo numa quimera” (São Pio X, Carta Apostólica Notre Charge Apostolique (Nosso encargo apostólico), aos Bispos da França, Sobre os erros do Sillon, 25 de Agosto de 1910, n. 34. – Apud Plinio Corrêa de Oliveira, Em Defesa Da Ação Católica, 2ª edição – março de 1983, Artpress Papéis e Artes Gráficas Ltda, São Paulo).
 
Papa Bento XV (1914-1922):
 
A condenação do socialismo não deveria jamais ser esquecida
 
“Não é nossa intenção aqui repetir os argumentos que demonstram claramente os erros do socialismo e de doutrinas semelhantes. Nosso predecessor, Leão XIII, muito sabiamente já o fez em encíclicas verdadeiramente memoráveis; e Vós, Veneráveis Irmãos, tomareis o maior cuidado para que esses graves preceitos não sejam jamais esquecidos, mas sempre que as circunstâncias o exigirem, eles deverão ser expostos com clareza e inculcados nas associações católicas e congressos, em sermões e na imprensa católica” (Bento XV, Encíclica Ad Beatissimi Apostolorum, 1° de novembro de 1914, n. 13).
 
Papa Pio XI (1922-1939):
 
“O socialismo concebe a sociedade de modo completamente avesso à verdade cristã.”
 
“E se o socialismo estiver tão moderado no tocante à luta de classes e à propriedade particular, que já não mereça nisto a mínima censura? Terá renunciado por isso à sua natureza essencialmente anticristã? Eis uma dúvida, que a muitos traz suspensos. Muitíssimos católicos, convencidos de que os princípios cristãos não podem jamais abandonar-se nem obliterar-se, volvem os olhos para esta Santa Sé e suplicam instantemente que definamos se este socialismo repudiou de tal maneira as suas falsas doutrinas, que já se possa abraçar e quase batizar, sem prejuízo de nenhum princípio cristão. Para lhes respondermos, como pede a Nossa paterna solicitude, declaramos: O socialismo, quer se considere como doutrina, quer como fato histórico, ou como “ação”, se é verdadeiro socialismo, mesmo depois de se aproximar da verdade e da justiça nos pontos sobreditos, não pode conciliar-se com a doutrina católica, pois concebe a sociedade de modo completamente avesso à verdade cristã” (Pio XI, Encíclica Quadragesimo Anno”, 15 de maio de 1931 – Editora Vozes Ltda., Petrópolis, págs. 43-44).
 
Socialismo católico, uma contradição: ”Ninguém pode ser ao mesmo tempo bom católico e verdadeiro socialista”
 
“E se este erro, como todos os mais, encerra algo de verdade, o que os Sumos Pontífices nunca negaram, funda-se contudo numa concepção da sociedade humana diametralmente oposta à verdadeira doutrina católica. Socialismo religioso, socialismo católico são termos contraditórios: ninguém pode ser ao mesmo tempo bom católico e verdadeiro socialista” (Pio XI, Encíclica Quadragesimo Anno”, 15 de maio de 1931 – Editora Vozes Ltda., Petrópolis, págs. 44).
 
Falsa conciliação: Não é lícito mitigar os princípios católicos para se aproximar dos socialistas
 
“Mas não se vá julgar que os partidos socialistas, não filiados ainda ao comunismo, professem já todos teórica e praticamente esta moderação. Em geral, não renegam a luta de classes nem a abolição da propriedade, apenas as mitigam. Ora, se os falsos princípios assim se mitigam e obliteram, pergunta-se, ou melhor, perguntam alguns sem razão, se não será bem que também os princípios católicos se mitiguem e moderem, para sair ao encontro do socialismo e congraçar-se com ele a meio caminho. Não falta quem se deixe levar da esperança de atrair por este modo os socialistas. Esperança vã! Quem quer ser apóstolo entre os socialistas é preciso que professe franca e lealmente toda a verdade cristã, e que de nenhum modo feche os olhos ao erro” (Pio XI, Encíclica Quadragesimo Anno”, 15 de maio de 1931 – Editora Vozes Ltda., Petrópolis, págs. 42-43).
 
Papa Pio XII (1939-1958):
 
A socialização total tornaria pavorosa realidade a imagem terrificante do Leviatã
 
“Ademais, a proteção do indivíduo e da família, frente à corrente que ameaça arrastar a uma socialização total, em cujo fim se tornaria pavorosa realidade a imagem terrificante do Leviatã. A Igreja travará esta luta até o extremo, pois aqui se trata de valores supremos: a dignidade do homem e a salvação da alma”. (Pio XII, Radiomensagem de 14 de setembro de 1952 ao Katholikentag de Viena. Discorsi e Radiomessaggi di Sua Santità Pio XII, vol. XIV, p. 314.).
 
Perigos da mentalidade socialista
 
Não se pode cair no erro de “retirar … o gerenciamento dos meios de produção da responsabilidade pessoal dos proprietários privados [indivíduos ou companhias] para transferi-lo à responsabilidade coletiva de grupos anônimos, [uma situação] que se acomodaria muito bem com a mentalidade socialista” (Pio XII, Discurso aos Congressos de Estudos Sociais e à União Social Cristã, 5 de junho de 1950.).
 
Papa João XXIII (1958-1963):
 
“Nenhum católico pode aprovar sequer o socialismo moderado” “Adiante, o Papa Pio XI enfatizou a fundamental oposição entre o comunismo e o Cristianismo, e deixou claro que nenhum católico pode subscrever nem mesmo o socialismo moderado.
 
A razão está em que o socialismo funda-se em uma doutrina a respeito da sociedade humana que é ligada ao tempo e não toma em conta nenhum outro objetivo que o bem-estar material. Desde que ele propõe uma forma de organização social que tem em vista unicamente a produção, ele coloca uma muito severa restrição á liberdade humana, ao mesmo tempo que viola a verdadeira noção de autoridade social”. (João XXIII, Encíclica Mater et Magistra, 15 de maio de 1961, n. 34).
 
Papa Paulo VI (1963-1978):
 
Em 1965 durante o Concílio Vaticano II, Paulo VI recebeu o Conselho Episcopal Latino-Americano e na sua alocução ele atenta para o “Ateísmo marxista”. Ele o apresenta como uma força perigosa, largamente difundido e extremamente nociva, que se infiltra na vida econômica e social da América Latina e pregando a “Revolução violenta como único meio de resolver os problemas” (Extraído do livro “Le Rhin se jette dans le tibre”, pág 273. Ralph Wiltgen. Ed Editions du Cédre 1974, 5a tiragem).
 
Cristãos, atraídos pelo socialismo, tendem a idealizá-lo
 
“Muito freqüentemente os cristãos, atraídos pelo socialismo, tendem a idealizá-lo em termos que, além de tudo o mais, são muito genéricos: um desejo de justiça, solidariedade e igualdade. Eles se recusam a reconhecer as limitações do movimento socialista histórico, que continua condicionado pelas ideologias das quais se originaram.” (Paulo VI, Carta Apostólica Octogesima Adveniens, 14 de maio de, 1971, n. 31).
 
Papa João Paulo II: (1978-2005)
 
Analise dos dois sistemas.
 
“Nesta luta contra um tal sistema (o Papa está falando do capitalismo selvagem) não se veja, como modelo alternativo, o sistema socialista, que, de fato, não passa de um capitalismo de estado, mas uma sociedade do trabalho livre, da empresa e da participação” (no. 35) “A Igreja reconhece a justa função do lucro, como indicador do bom funcionamento da empresa” (no. 35) “Aquele Pontífice (Leão XIII), com efeito, previa as conseqüências negativas, sob todos os aspectos – político, social e econômico – de uma organização da sociedade, tal como a propunha o “socialismo”, e que então estava ainda no estado de filosofia social e de movimento mais ou menos estruturado. Alguém poderia admirar-se do fato de que o Papa começasse pelo “socialismo” a crítica das soluções que se davam à “questão operária”, quando ele ainda não se apresentava – como depois aconteceu – sob a forma de um Estado forte e poderoso, com todos os recursos à disposição. Todavia Leão XIII mediu bem o perigo que representava, para as massas, a apresentação atraente de uma solução tão simples quão radical da “questão operária”. (n°. 12).
 
Sobre a proposição antropológica do socialismo.
 
” Aprofundando agora a reflexão delineada (…) é preciso acrescentar que o erro fundamental do socialismo é de caráter antropológico. De fato, ele considera cada homem simplesmente como um elemento e uma molécula do organismo social, de tal modo que o bem do indivíduo aparece totalmente subordinado ao funcionamento do mecanismo econômico-social, enquanto, por outro lado, defende que esse mesmo bem se pode realizar prescindindo da livre opção, da sua única e exclusiva decisão responsável em face do bem e do mal. O homem é reduzido a uma série de relações sociais, e desaparece o conceito de pessoa como sujeito autônomo de decisão moral, que constrói, através dessa decisão, o ordenamento social. Desta errada concepção da pessoa deriva a distorção do direito, que define o âmbito do exercício da liberdade, bem como a oposição à propriedade privada”. (no. 13).
 
“Na Rerum Novarum, Leão XIII com diversos argumentos, insistia fortemente, contra o socialismo de seu tempo, no caráter natural do direito de propriedade privada. Este direito, fundamental para a autonomia e desenvolvimento da pessoa, foi sempre defendido pela Igreja ate nossos dias” (Enc. Centesimus Annus, tópico 30 da ed. Paulinas)
 
Papa Bento XVI. (2005- Até então).
 
Quando cardeal manifestou-se sobre algumas características do marxismo, sendo não compatíveis com as verdades de fé do Cristianismo.
 
“É verdade que desde as origens, mais acentuadamente, porém, nestes últimos anos, o pensamento marxista se diversificou, dando origem a diversas correntes que divergem consideravelmente entre si. Na medida, porém, em que se mantêm verdadeiramente marxistas, estas correntes continuam a estar vinculadas a certo número de teses fundamentais que não são compatíveis com a concepção cristã do homem e da sociedade.” (Libertatis Nuntius; Instruções sobre alguns aspectos da Teologia da Libertação. Congregação para a Doutrina da Fé. 6 de agosto de 1984. Cap. VII nº 9; Cardeal Joseph Ratzinger e Arc. Alberto Bovone).
 
Esta instrução sobre a Teologia da Libertação acabou por condenar este grosseiro e pretensiosa interpretação teológica alicerçada no marxismo.
 
“Lembremos que o ateísmo e a negação da pessoa humana, de sua liberdade e de seus direitos encontram-se no centro da concepção marxista. Esta contém de fato erros que ameaçam diretamente as verdades de fé sobre o destino eterno das pessoas.” (Libertatis Nuntius; Instruções sobre alguns aspectos da Teologia da Libertação. Congregação para a Doutrina da Fé. 6 de agosto de 1984. Cap. VII nº 10; Cardeal Joseph Ratzinger e Arc. Alberto Bovone).
 
Agora Papa, em discurso a bispos brasileiros, proferido em 2009. Reafirmou sua posição mencionando a instrução Libertatis Nuntius redigira por ele mesmo quando era ainda cardeal e prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé.
 
“Neste sentido, amados Irmãos, vale a pena lembrar que em agosto passado, completou 25 anos a Instrução Libertatis nuntius da Congregação da Doutrina da Fé, sobre alguns aspectos da teologia da libertação, nela sublinhando o perigo que comportava a assunção acrítica, feita por alguns teólogos de teses e metodologias provenientes do marxismo.” (Discurso do Papa Bneto XVI. Aos prelados da Conferencia Episcopal dos Bispos do Brasil dos Regionais Sul 3 e Sul 4 em visita Ad Limina Apostolorum. 5 de Dezembro de 2009).
 
Em 2007, Bento XVI estando no Brasil, falou sobre a falsidade ideológica tanto do capitalismo como o marxismo.
 
“Tanto o capitalismo como o marxismo prometeram encontrar o caminho para a criação de estruturas justas e afirmaram que estas, uma vez estabelecidas, funcionariam por si mesmas. Afirmaram que não só não havia tido a necessidade de uma moralidade individual prévia, mas que também elas fomentariam uma moralidade comum. E estas promessas ideológicas se mostraram falsas”, (Bento XVI, discurso de abertura da 5ª Conferência-Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe, em Aparecida. 2007).
 
John Lennon J. da Silva
Apostolado São Clemente Romano
Caruaru 5 de Agosto de 2010.
 
Referencias:
 
[1] SOLIMEO, Gustavo A. O que os Papas disseram sobre o socialismo – Textos pontifícios esclarecedores. Instituto Plinio Corrêa de Oliveira. 9 junho 2010. Disponível em: http://www.ipco.org.br/home/ Acesso em: 02 Agosto 2010.
 
[2] AQUINO, Felipe. Ensinamentos dos Papas sobre o Socialismo. 23 abril 2010. Disponível em:  http://blog.cancaonova.com/felipeaquino/2010/04/23/ensinamentos-dos-papas-sobre-o-socialismo/ Acesso em: 04 agosto 2010.

 
 
Deixe um comentário

Publicado por em 10/09/2014 em Uncategorized

 

Desmascarando o Rev. Hernandes Dias Lopes

Por: Fernando Nascimento

O Rev. Hernandes Dias Lopes é o pastor titular da Primeira Igreja Presbiteriana de Vitória-IPB, fundada em 1928.

Este pastor, como outros que já desmascaramos, resolveu escrever um enganador e sutil artigo sobre a virgem Maria, onde mais uma vez, os ataques a mãe de Deus são disfarçados entre falsos elogios e fraudulentas adulterações das Escrituras onde até a mãe de João Batista é tida por ele como sendo “Ana”, quando na verdade foi Isabel.

Eis alguns dos endereços onde se encontra a vergonha deste pastor:

http://hernandesdiaslopes.com.br/2010/09/maria-a-bem-aventurada-entre-as-mulheres/

http://tempo-kairos.blogspot.com/2011/03/maria-bem-aventurada-entre-as-mulheres.html

http://estudos.gospelprime.com.br/maria-a-bem-aventurada-entre-as-mulheres/

Vamos às refutações

Maria, a bem-aventurada entre as mulheres

1-Maria é uma das figuras mais importantes da história. Talvez a pessoa mais polêmica da história da igreja. Alguns colocam-na numa posição que Deus nunca a colocou. Outros, deixam de dar a ela a honra que Deus a deu.

Quem lança ódio sobre Maria e disfarça com a palavra “polêmica” são os protestantes modernos. Todos os cristãos primitivos desde os apóstolos até os reformadores fundadores do protestantismo veneravam e tinham Maria como “a virgem mãe de Deus”. A teóloga luterana Elizabeth Parmentier, catedrática da universidade de Estrasburgo, diz que: “muitos protestantes reconhecem que a ocultação total da mãe de Cristo não está conforme a Sagrada Escritura, nem com as confissões da antiga igreja, nem com a opinião dos reformadores”. (Comentário ao Magnificat, conforme escritora evangélica M. Basilea Schlink, revista “Jesus vive e é o Senhor”).

2. A única maneira de honrar Maria é examinar o que a Bíblia diz a seu respeito e destacar esses pontos para o nosso ensino e exemplo. Acrescentar o que não está na Bíblia além de ofender a Deus, desonra Maria, porque agride sua fé e suas convicções.

Ninguém agride mais Maria que os protestantes modernos. Fazem isso contraditoriamente, pois a Confissão protestante de Augsburgo reconheçe em Maria um papel especial dizendo: “Maria é digna de ser honrada e exaltada no mais alto grau” (Art. 21,27).

3. Precisamos entender em primeiro lugar o que a Bíblia não diz sobre Maria:

Exatamente! A Bíblia não diz que devemos denegrir Maria, rejeitar Maria nas cerimônias e muito menos levantar falso testemunho contra Maria. Antes ensina que devemos dar glória e honra aos que praticam o bem, como Maria praticou sem igual: “Glória, honra e paz para todo aquele que pratica o bem” (Rm 2,10)!

I. O QUE A BÍBLIA NÃO ENSINA SOBRE MARIA, A MÃE DE JESUS

Vejamos se há fundamento nas palavras do pastor.

1.Maria não é Mãe de Deus – Ela é mãe de Jesus e Jesus é Deus, mas ela não é mãe de Deus. Jesus tinha duas naturezas distintas: divino e humana. Como Deus ele não teve mãe e como homem não teve pai. Como Deus ele sempre existiu, é o Pai da eternidade, o criador de todas as coisas. Como Deus ele pré-existe a todas as coisas é a origem de todas as coisas.

Pura manobra! Maria é sim mãe de Deus, assim como a mãe deste pastor é mãe dele. A mãe do pastor não gerou seu espírito (Ecl 12,7), foi Deus, e nem por isso ela deixou de ser sua mãe. Todos temos um espírito criado por Deus e que retorna a Deus, assim como Jesus retornou, e nem por isso Jesus Deus, nós ou os protestantes, deixamos de ter mães que nos tornaram visíveis.

Jesus é eterno (Jo 1:1). Antes que Abraão existisse, ele já existia (Jo 8:58). O filho não pode vir primeiro que a mãe. Se Maria é mãe de Deus, José é padrasto de Deus e Ana tia de Deus, e João Batista primo de Deus, e Eli avô de Deus.

No princípio Jesus era um espírito e ganhou nome de “Jesus” e “mãe” pela intervenção de Maria. Aproveito para corrigir o pastor quanto aos “parentes de Deus”: Ana jamais foi “tia” de Deus, como ele afirma. Deveria soltar menos chistes e conhecer melhor as Escrituras.

2.Maria não é Imaculada – A tese de que Maria não herdou o pecado original nem tão pouco não cometeu nenhum pecado em toda a sua vida não tem nenhum amparo nas Escrituras. Esse dogma da imaculada conceição foi promulgado pelo papa Pio IX em 8/12/1854.

Puro engodo! A festa da Imaculada Conceição, que já se festejava muito antes, comemorada em 8 de dezembro, foi definida como uma festa universal em 1476 pelo Papa Sisto IV.

O Papa Pio IX , em 1854 apenas CONFIRMOU, sancionou a Imaculada Conceição naquele ano, quando isto já era fato professado já desde os cristãos primitivos. Quer uma prova?

– O apóstolo S. Tiago Menor, o qual realizou o esquema da liturgia da Santa Missa, prescreve a seguinte leitura, após ler uns passos do antigo e do novo testamento, e de umas orações: “Fazemos memória de nossa Santíssima, Imaculada, e gloriosíssima Senhora Maria, Mãe de Deus e sempre Virgem”. (S. jacob in Liturgia sua, anos 42 a 62 d.C).

– O apóstolo Santo André escreveu: “Tendo sido o primeiro homem formado de uma terra imaculada, era necessário que o homem perfeito nascesse de uma Virgem igualmente imaculada, para que o Filho de Deus, que antes formara o homem, reparasse a vida eterna que os homens tinham perdido.” (Cartas dos Padres de Acaia, exposição ao procônsul Egeu, atas do martírio de Santo André)

Em (Lc 1,28), O Anjo Gabriel chega à Nossa Senhora e a saúda com as palavras “Ave, cheia de graça, o Senhor é convosco; bendita sois vós entre as mulheres”. Como alguém que fosse um escravo do demônio, alguém que peca e tornará a pecar, poderia ser chamada de “cheia de graça”? Obs: na saudação do anjo à Maria, nos originais consta “kecaritwmenh”, que significa “cheia de graça”, e não agraciada como iludem os protestantes em suas más traduções.

A Bíblia, porém, ensina que todos pecaram. Todos herdamos o pecado de nossos pais. Não foi dirente (sic) com Maria. Então, por que Jesus nasceu de Maria e nasceu sem o pecado original? Porque Jesus não nasceu de um intercurso entre Maria e José, mas o ente que nela foi gerado, o foi pelo Espírito Santo. Jesus é semente da mulher.

A prova cabal de que Maria é imaculada, é seu Filho, que se afirmava “filho do homem”, ou seja, humano. Mas humano sem pecado, uma exceção a Romanos 3,23, “com efeito, todos pecaram e todos estão privados da glória de Deus”. Ora, Jesus não está incluído nesse “todos”, mesmo sendo filho de uma mulher. ”Quem fará sair o puro do impuro? Ninguém!” (Jó, 14,4). Atribuir pecado a Maria é atribuí-lo também a Jesus, e contradizer-se quando diz como o pastor: “ Todos herdamos o pecado de nossos pais.” . Um melhor conhecimento das Escrituras iria poupar este pastor de tanto mico.

Maria se reconhecia pecadora e chamou Deus de seu salvador (Lc 1:46-47). Ela ofereceu um sacrifício pelo pecado quando foi levar Jesus ao templo aos oito dias de vida (Lc 2:22-24 cf. Lv 12:6-8).

É um absurdo dizer que Maria se tornou pecadora por ter trazido o Salvador ao mundo. Maria ofereceu um sacrifício para submeter-se à Lei de Moisés, como Cristo o fez (Gl 4,4), apesar de não precisar (Mt 17,23-26): para não ser causa de escândalo (Mt 17,26) e dar exemplo de obediência, para que saibamos que devemos obedecer à Lei de Cristo como eles, Maria e Jesus, obedeceram à lei de Moisés.

3.Maria não é Mediadora ou Intercessora – Somente Deus pode ouvir e atender as nossas orações. Somente ele é digno de receber culto. O culto a Maria e as orações que são feitas a ela estão em desacordo com o ensino da Bíblia. Ela precisaria ter os atributos exclusivos da Divindade, como onisciência, onipotência e onipresença para poder ouvir todas as orações e interceder. Somente Deus é digno de ser adorado. A veneração a Maria como Mãe de Deus, Rainha do céu, mãe da igreja está em total desacordo com o ensino da Palavra de Deus.

Infelizmente, muito protestante entende pouco de teologia e muito de ódio. Confundem o culto que os católicos tributam aos santos com o culto que se deve a Deus. Para introduzir o assunto da intercessão dos santos é necessário esclarecer a diferença que existe entre os cultos de “dulia”, “hiperdulia” e “latria”.

1. culto de latria (grego: “latreuo” ) quer dizer adorar – É o culto reservado a Deus.

2. culto de dulia (grego: “douleuo” ) quer dizer honrar. É o culto reservado aos santos. “Glória, honra e paz para todo aquele que pratica o bem.” (Rm 2,10)

3. culto de hiperdulia (grego: hyper, acima de; douleuo, honra) ou acima do culto de honra, sem atingir o culto de adoração. É o dedicado a Maria Santíssima. “Uma mulher revestida de sol, a lua debaixo dos seus pés e na cabeça uma coroa de doze estrelas. Ela deu à luz um Filho, um varão, que há de reger todas as nações com vara de ferro” (Ap 12,1,5).

Maria é sim Intercessora, e provaremos pelas Escrituras: No evangelho de Mateus (22, 30), Jesus Cristo ensina que os ressuscitados “são como os anjos de Deus no céu”. Zacarias diz: que “o anjo intercedeu por Jerusalém ao Senhor dos exércitos” (1, 12 -13).

As Escrituras mostram que um santo “homem de Deus” (2 Reis 4,8-9), como era Eliseu em vida, mesmo depois de morto, suas relíquias, ou seja, seus ossos, pôde mediar os poderes de Deus, a ponto de ressuscitar um homem, que saiu caminhando sobre seus pés. (2 reis 13-20,21). Nas Bodas de Caná, onde Nosso Senhor não queria fazer o milagre (pela a falta de vinho), pois “ainda não havia chegado Sua hora”, bastou Nossa Senhora pedir para que seu Filho fizesse o milagre, que Ele adiantou sua hora para atender à intercessão de sua Mãe Santíssima.

Os pastores, desonestamente pegam as palavras “Onipresença” e “Onisciência”, atributos de Deus, e maliciosamente aplicam aos santos, quando os santos, não fazem uso disto, eles tem visão beatífica “face a face”(1Cor 13,12), e são “participantes da natureza divina” (2 Pd 1,4) “… tendo todos eles harpas e salvas de ouro cheias de incenso, que são as orações dos santos.” (Ap 5,8-9). “E a fumaça do incenso subiu com as orações dos santos desde a mão do anjo até diante de Deus ” (Ap 8,4) . Cai mais um sofisma.

A doutrina proclamada “Tudo por Jesus, nada sem Maria” está em desacordo com o ensino das Escrituras.

Por favor, capítulo e versículo onde se diz “nada por Jesus e tudo sem Maria”, contrariando o que os católicos dizem.

A Bíblia diz claramente que Jesus é o único Mediador (1 Tm 2:5; Jo 14:6; 1 Jo 2:1; Rm 8:34; Hb 7:25). (confira os textos mais não torsa (sic) a verdade)

Vejamos o que diz de fato estes versículos distorcidos pelo pastor:

(1 Tm 2:5) – “Só há um mediador entre Deus e os homens, Jesus cristo”

– Aqui mostramos como a interpretação do pastor é falsa, pois o original texto de São Paulo – inteiro, sem a tesoura do pastor – mostra em que sentido Cristo é único mediador – como Salvador de todos os homens. Veja: “Porque há um só Deus e só há um mediador entre Deus e os homens, que é Jesus Cristo homem, QUE SE DEU A SI MESMO PARA REDENÇÃO DE TODOS” (1Tim 2, 5-6). – São Paulo, nesta mesma carta, indica também intercessores secundários: “…Antes de tudo, que façam deprecações, orações, INTERCESSÕES e ações de graças por todos os homens (…) POR QUE ISTO É BOM E AGRADÁVEL DIANTE DE DEUS, NOSSO SALVADOR.” (1Tm 2, 1-3). (conforme bíblia protestante)

Jo 14:6 – “Jesus lhe respondeu: Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim”.

Só um protestante mesmo para pensar que os santos vão ao Pai sem Jesus. O próprio Jesu o calará: “Cuidado! Não desprezeis um só destes pequenos! Eu vos digo que os seus anjos, no céu, contemplam sem cessar a face do meu Pai que está nos céus.”(MT 18,10). Certamente também o pastor desconhece que Deus vive com os santos mortos no céu (Ap. 6, 9-11). E ignora que Maria foi a Jesus e propiciou Seu primeiro milagre na terra, transformando água em vinho.

1 Jo 2:1 – “Filhinhos meus, isto vos escrevo para que não pequeis. Mas, se alguém pecar, temos um intercessor junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo”.

– Aqui apenas diz que Jesus é UM intercessor que perdoa junto ao Pai, mas não nega outros intercessores, como já provado em (1Tm 2, 1-3), (Zc 1, 12 -13), (2 reis 13-20,21)

Rm 8:34 – “Quem os condenará? Cristo Jesus, que morreu, ou melhor, que ressuscitou, que está à mão direita de Deus, é quem intercede por nós!”.

– Este versículo isolado e fora do contexto não abrange o contexto ensinado por Jesus. Mesmo no tema salvação/condenação, os ensinamentos de Jesus pedem a intercessão dos mortais: “Se alguém vir seu irmão cometer pecado que não é para a morte, orará, e Deus dará a vida àqueles que não pecaram para a morte. Há pecado para a morte, e por esse não digo que ore. Toda iniqüidade é pecado, e há pecado que não é para a morte”. (1 João 5, 16-17).

Hb 7:25 – “É por isso que lhe é possível levar a termo a salvação daqueles que por ele vão a Deus, porque vive sempre para interceder em seu favor. “

– E quem disse que Maria foi salva por Deus sem ser através de Jesus Cristo??? Maria vai a seu Filho, como seu Filho veio por ela para a salvação do mundo. Como é gratificante ter uma mãe no céu que pode rogar por nós a Deus e seu Filho. Repetimos a omissão protestante: “…Antes de tudo, que façam deprecações, orações, INTERCESSÕES e ações de graças por todos os homens (…) POR QUE ISTO É BOM E AGRADÁVEL DIANTE DE DEUS, NOSSO SALVADOR.” (1Tm 2, 1-3) (conforme as bíblias protestantes de João Ferreira).

4.Maria não é Co-Redentora – A salvação é obra exclusiva de Deus. Ninguém pode acrescentar nada ao que Deus já fez através do seu Filho. O sacrifício de Cristo foi completo, total, cabal e suficiente.

Claro que a Salvação é obra exclusiva de Deus e o sacrifício de Cristo é suficiente. Mas, suficiente para salvar só os que cumprem os Mandamentos e se esmeram para isso. O absurdo que acabamos de ler acima, baseia na quimera protestante do pensar que já estão salvos. . Dizia São Paulo: “… O que falta às tribulações de Cristo, completo na minha carne, por seu corpo que é a Igreja” (Colossenses 1,24), e “Ao contrário, castigo o meu corpo e o mantenho em servidão, de medo de vir eu mesmo a ser excluído depois de eu ter pregado aos outros”(1 Cor 9,27), – “Portanto, quem pensa estar de pé veja que não caia” (1 Cor 10,12). – Está provado, pastor, que a sua farsa protestante da “salvação certa” não harmoniza com o Novo Testamento.

Dizia ainda o despretensioso São Paulo: ” Porque de nada me sinto culpado; mas nem por isso me dou por justificado; o Senhor é quem me julga. Pelo que não julgueis antes do tempo, até que venha o Senhor, o qual não só porá às claras o que se acha escondido nas trevas, mas ainda descobrirá os desígnios dos corações; e então cada um receberá de Deus o louvor” (1 Cor 4, 4-5). Não diga quem sobe ao céu, e nem quem desce ao inferno, “pastor” (Rm 10,6-7). Não sabe para onde vai o protestante que se diz “salvo”. Isto é estelionato teológico e pecado grave contra o Espírito Santo.

Vejamos o que diz ainda a palavra de Deus: “Se alguém vir seu irmão cometer pecado que não é para a morte, orará, e Deus dará a vida àqueles que não pecaram para a morte. Há pecado para a morte, e por esse não digo que ore. Toda iniqüidade é pecado, e há pecado que não é para a morte”. (1 João 5, 16-17)

Qualquer um que cumpre este ensinamento da palavra de Deus é um co-redentor. Por que Maria não é??? Será que protestante sabe o que é um Redentor? Vejamos: “Redentor” – O que livra da escravidão ou das aflições. Já o “co-redentor” apenas ajuda o Redentor a absolver, como no caso do versículo citado acima, com as orações solicitadas pelo apóstolo João.

A Bíblia é clara em afirmar – At 4:12.

Este versículo diz: “Em nenhum outro há salvação, porque debaixo do céu nenhum outro nome foi dado aos homens, pelo qual devamos ser salvos.” – Estamos tratando de intercessão e não de salvação. Nunca conheci alguém que estivesse querendo ser salvo por um santo. Pura manobra desonesta, sistematicamente usada nos sofismas protestantes. Por favor, respeite as Escrituras e abdique da desonestidade.

5.Maria teve outros filhos – A Bíblia não ensina a virgindade perpétua de Maria. 1) Mt 1:25 – Contudo, não a conheceu enquanto ela não deu à luz um filho, a quem pôs o nome de Jesus. O relacionamento com José não era desonra para ela (Hb 13:4). Se ela tivesse casada com José sem ter relação com ele, isso sim, seria motivo de transgressão. (1 Co 7:5)

Pura manobra e uso desonestos destes versículos! O pastor acrescentou a palavra “ENQUANTO” em (Mt 1, 25), para vender sua farsa. Seu blefe se baseia na sua acrescentada palavra “enquanto”, QUE NÃO CONSTA no texto de Mateus, e que até a bíblia protestante de João Almeida traduz por “ATÉ QUE”. Lá, quer dizer apenas, que José não conheceu Maria “ATÉ QUE” nasceu Jesus, e não fala que José a conheceu depois. – Confirmava Lutero pai dos protestantes: “Destas palavras não se pode concluir que, após o parto, Maria tenha tido consórcio conjugal. Não se deve crer nem dizer isto.” (Obras de Lutero, edição Weimar, tomo 11, pg. 323)

A Bíblia registra que Maria deu à luz o seu filho primogênito (Lc 2:7). Jesus não era o filho unigênito, mas primogênito, o primeiro de outros.

Puro engano! O pastor desconhece completamente a semântica bíblica. O termo “primogênito” em hebraico, não significa o mesmo que em português. Jesus foi apresentado como “primogênito” no templo, sem que viessem outros depois (Lc 2,22-23).

– Deus ordena: contar todo o primogênito varão dos filhos de Israel, da idade de um mês para cima (Num 3, 40). Ora, se há primogênito de um mês de idade, como é que se pode exigir que, para haver primeiro, haja um segundo? Logo, há primogênito sem que haja, necessariamente, um segundo filho. Era “primogênito” quem nascesse menino ou animal macho, e não se nascesse outro depois daquele (Ex 13, 2). Curiosamente a tradução protestante confirma que primogênito é aquele que abrir toda madre (Ex 13, 2), sem precisar de outro. – A “teologia” protestante é um poço de ignorância.

A Bíblia é clara em informar que ela teve outros filhos: Mt 13:54-56; Mc 6:3; Sl 69:8; Lc 2:7; Mt 1:24,25; At 1:14

Puro embuste! Em nenhum dos versículos acima se diz que Maria “teve outros filhos”. E dou um doce para o protestante que mostrar um versículo que diga isso.

O termo “irmãos de Jesus” destes versículos, refere-se a primos ou discípulos, já que no hebraico qualquer parente ou discípulo era chamado de “irmão”. Confira nas escrituras:

(Lv 10,4) Misael e Elizafã são primos dos filhos de Arão. (diz-se irmãos).

(Gn 13,8) Abrão é tio de Ló. (diz-se irmão).

(Gn 29,10-12) Jacó é sobrinho do pai de Raquel. (diz-se irmão).

(Gn 29,15) Labão é tio de Jacó. (diz-se irmão).

(Mc 6,3) Tiago, José, Judas e Simão, são primos de Jesus. (diz-se irmãos).

(Jo 20,17-18). Os apóstolos eram discípulos de Jesus. (diz-se irmãos).

6.Maria não foi assunta ao céu – No dia 1/11/1950 o papa Pio XII promulgou o dogma de que o corpo de Maria ressuscitou da sepultura logo depois que morreu, que o corpo e alma se reuniram e que ela foi elavada (sic) e entronizada como Rainha do Céu, recebendo um trono à direita de Seu Filho.

A Coroa foi Deus que deu (Ap 12,1,5), já o “trono à direita de Jesus”, é presente do pastor.

A Assunção de Maria apenas foi confirmada em 1950. A cristandade sempre celebrou a Assunção de Maria. Vários livros históricos dos cristãos dos primeiros séculos documentam a Assunção de Maria, são eles: Acts of St. John by Prochurus, no século II; Joannis liber de Dormitione Mariae, e De transitu B.M. Virginis, ambos do século IV.

– São João Damasceno que morreu no ano 749 (MUITO ANTES DE 1950) já festejava a ASSUNÇÃO DE MARIA, escreveu: “… Não é Maria que precisa de elogios, nós é que precisamos de sua glória. Um ser glorificado, que glória pode receber ainda? a fonte da luz, como será iluminada ainda? Ela [Maria] cativou o meu espírito, ela reina sobre a minha palavra, dia e noite sua imagem me é presente. Mãe do Verbo, dá-me de que falar!… Eis aquela cuja festa celebramos hoje em sua santa e divina Assunção”. (São João Damasceno (675-749) – da homilia sobre a dormição da Mãe Santíssima de Deus na festa da Assunção – pág. 96, 753-761).

II. O QUE A BÍBLIA ENSINA SOBRE MARIA, A MÃE DE JESUS

Vejamos a do pastor:

1.Maria foi uma mulher agradeciada (sic) por Deus – Lc 1:28 – A primeira vez que Maria aparece na Bíblia está diante de um anjo. Ele trás para ela uma mensagem do céu e a chama muito favorecida (v. 28) e achaste graça diante de Deus (v. 30). Maria não foi escolhida para ser mãe do Salvador por suas virtudes. Essa escolha teve sua origem na graça de Deus e não em qualquer mérito dela. Deus não chama as pessoas porque elas são especiais, mas elas se tornam especiais porque Deus as chama. Maria tinha consciência disso.

Pura enganação. Maria foi escolhida pelas suas virtudes e antes de tudo pela confiança que Deus tinha nela. Mais adiante, este mesmo pastor, perdido nas próprias lisonjas enquanto ataca Maria, contraditoriamente dirá: “De todos os úteros da terra o seu foi escolhido para ser o ninho que ternamente acalentaria o Filho de Deus feito homem.”

– Ainda no Velho testamento, 750 anos de Maria nascer, o profeta Isaías relatava: “uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e o chamará Deus conosco!” (Is 7,14). Será que o pastor arrisca dizer que Deus não sabia quem seria esta virgem?

Maria foi a semente do plano salvítico de Deus, que culminou no fruto de seu ventre Jesus Salvador. Maria não foi dita “agraciada” pelo anjo, como mentem as traduções protestantes. Na saudação do anjo à Maria, nos originais consta “kecaritwmenh”, que significa “cheia de graça”. Do que Maria tinha consciência era que todas as Gerações a proclamaria bem aventurada. (Lc 1,48)

A ênfase da mensagem do anjo estava na criança, e não em Maria. O Filho seria grande, não ela (v. 31-33). O nome da criança resumia o propósito do seu nascimento (v. 31; Mt 1:21).

Quem seria este pastor para querer diminuir tanto da semente do plano salvítico de Deus? O anjo assim saudou Maria: “Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo. ” (Lc 1,28). Isabel tomada pelo Espírito Santo dizia: “bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre…” (Lc 1,42); e a chamava de “mãe do meu Senhor”(Lc 1, 43). Até João Batista estremeceu de alegria no seio de Isabel, ao ouvir a voz de Maria (Lc 1,44). Lamentável é ver tal pastor que se diz cristão, ter reação inversa.

O anjo conclui com um princípio teológico, dizendo que para Deus não há impossíveis (v. 37). Dois nascimentos milagrosos: o primeiro de uma mulher idosa e estéril, o segundo de uma jovem, mas sem contato com homem.

O anjo não limita a condição da possibilidade de Deus só aos dois nascimentos. É bom o pastor aprender que para Deus, uma mulher dar a luz e permanecer virgem também é possível, e foi.

Deus Filho tornou-se humano por meio de uma concepção divina na pessoa de Maria. O Deus infinito, o criador do universo, tornou-se um pequeno embrião humano no ventre de Maria (v. 35).

Correção: o Filho de Deus, Servo de Deus (Mt 12,18-21), e segunda pessoa da Trindade habitou o ventre de Maria.

2.Maria foi uma mulher disponível para Deus – v. 38 – “Aqui está a serva do Senhor”. Uma frase que resume toda a sua filosofia de vida. Maria se coloca nas mãos de Deus para a realização dos propósitos de Deus. Ela é serva. Ela está pronta. Ela se entrega por completo, sem reservas ao Senhor.

Fato.

Maria foi serva, assim como é Jesus servo de Deus. (Mt 12,18-21) – Ela está pronta a obedecer e oferecer sua vida, seu ventre, sua alma, seus sonhos ao Senhor. Ela é de Deus. Ela está disponível para Deus.

Fato.

Ela está pronta a sofrer riscos, a mudar a sua agenda, a realinhar os seus sonhos e desistir dos seus em favor dos sonhos de Deus.

Fato. Logo vemos que Maria não é “uma como outra qualquer”, como bradam muitos protestantes.

Ela está pronta a ser não uma sócia de Deus, não uma igual com Deus, mas uma serva. Isso era tudo. Diz ela: “que se cumpra em mim conforme a tua palavra” – É rendição total, sem condições, sem perguntas, sem pedidos de prova. Estava pronta para uma mudança radical de vida. De todos os úteros da terra o seu foi escolhido para ser o ninho que ternamente acalentaria o Filho de Deus feito homem. A serva se apresenta, bate continência ao Senhor dos Exércitos e se coloca às ordens.

A humilde fidelidade e entrega de Maria a Deus já era conhecida pela Igreja Católica 1500 anos antes do protestantismo ser fundado, vindo depois alguns de suas crias colocar odiosamente Maria no lugar de Deus a pretexto de odiá-la. Os sofismas malandros, como este do trecho acima são construídos com este propósito. Antes que qualquer protestante existir os católicos já sabiam que Maria não é uma “igual” a Deus, mas que deve ser respeitada e venerada por todas as gerações.

3.Maria foi uma mulher disposta a pagar um alto preço e correr todos os riscos para fazer a vontade de Deus – v. 38

Fato.

a)O anjo falou só com ela e não com outras pessoas Imagine explicar isso para a sua família. Maria passou o resto da sua vida sob uma nuvem de suspeita por parte da família e dos vizinhos. Ao aparecer grávida na cidade de Nazaré estava exposta às mais severas censuras do povo.

Fato.

b)Maria não tinha nenhuma garantia de que seu noivo José entenderia ou acreditaria em sua concepção miraculosa – Ela teve que enfrentar o homem que amava e dizer-lhe que estava grávida e José sabia que ele não era o pai. Maria estava disposta a sofrer desprezo e solidão. Na verdade José não acreditou em Maria quando esta lhe falou acerca da gravidez. Ele sofreu. Ele resolveu deixá-la em secreto. O divórcio foi a única saída que conseguiu encontrar para a sua dor e decepção. José era um homem justo (Mt 1:19). O anjo, então apareceu para ele e revelou a verdade e ele creu na mensagem do anjo e nas palavras de Maria. José aprendeu que Deus é digno de confiança. A Bíblia não registra nenhuma palavra direta de José. A maioria das pessoas envolvidas na história do nascimento de Jesus falou ou cantou, ou gritou louvores, mas José não fez nada disso. Ele simplesmente obedeceu.

Fato.

c)Maria correu o risco não só de ser abandonada pelo noivo, mas até ser apedrejada em público – Esse era o castigo para uma mulher adúltera. Ela já estava comprometida com José. Ele poderia requerer o seu apedrejamento. Ela, contudo, dispôs-se a pagar um alto preço para se submeter ao chamado de Deus. Aplicação: A obediência a Deus sempre tem um preço.

É verdade, Maria não foi apedrejada naquele tempo. O verdadeiro apedrejamento de Maria começou após a morte dos reformadores protestantes. Seitas pipocaram e diariamente os modernos arautos destas põe-se a apedrejar Maria, seja por insultos verbais ou por artigos sutis como este que ora refuto. Tudo isso por observarem a devida glória e honra que os católicos lhe prestam. Protestante moderno por o nome de “Maria” numa filha? Nem pensar. Antes o do ladrão Zaqueu, ou qualquer outro errático num filho.

4.Maria é uma mulher bem-aventurada entre as mulheres e não acima das mulheres – Lc 1:39-44

Correção: está escrito “bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre!” (Lc 1,42) – Maria e Jesus são “benditos” ENTRE as mulheres pecadoras.

Isabel cheia do Espírito declara duas verdades sublimes sobre Maria:

a)Maria é bem-aventurada entre as mulheres (v. 42) – Isabel não coloca Maria acima das outras mulheres. Mas ela é bem-aventurada entre e não bem-aventurada acima das outras mulheres. Bem-aventurada é feliz. Maria é feliz porque ela encontrou graça diante de Deus, a graça de ser a mãe do Salvador. Mãe bendita, Filho bendito.

Pura falácia. Repito: Isabel disse: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre!” Ou seja, Maria e Jesus são “benditos” ENTRE as mulheres pecadoras.

b)Maria é mãe do Senhor (v. 43) – Novamente o destaque da fala de Ana é sobre o Filho de Maria e não sobre Maria. João Batista estremece-se no ventre de Ana não por causa de Maria, mas por causa de Jesus que está no ventre de Maria. O grande personagem daquele encontro entre Isabel e Maria era o Filho de Maria em seu ventre. Aquele bebê que estava sendo gerado era o Senhor de Isabel, a alegria de João Batista, o ente santo, o Filho do Altíssimo, o rei cujo reinado não tem fim.

Que bom que o pastor viu na Bíblia que Maria é “mãe do Senhor”. Só não sei de onde ele tirou que João Batista esteve no ventre de Ana.

Não adianta enrolar. A Bíblia mostra claramente que a saudação de Isabel é à Maria: “Como mereço que a mãe do meu Senhor venha me visitar?” (Lc 1,43). E João Batista estremeceu mesmo foi por ouvir a voz de Maria. “Logo que a tua saudação ressoou nos meus ouvidos, o menino pulou de alegria no meu ventre.” (Lc 1,44). Isso em nada tira os méritos de Jesus.

c)Maria é feliz porque creu (v. 45) – Maria não é chamada de feliz porque foi pedida em casamento por um milionário da região nem por ser considerada a moça mais bonita de Nazaré, nem por ser a garota mais simpática da região. Isabel diz que ela é feliz porque creu em Deus. Maria mesmo reconheceu que por ser mãe do Salvador, ela seria considerada uma mulher feliz por todas as gerações (v. 48).

Todos conhecemos a humildade de Maria. Não adianta encher lingüiça. Só as gerações dos protestantes modernos, ignoram o que diz as Escrituras e a excluem.

5.Maria é uma mulher que reconhece que Deus está no controle da história e engrandece a Deus pelos seus atributos e pelas suas obras – Lc 1:46-56

Fato.

a)Maria nos fala da soberania que Deus tem de agir e intervir no curso da história (v. 46-49) – Para Maria Deus é poderoso (v. 49), santo (v. 49), misericordioso (v. 50), justo e fiel (v. 51-55). Que Deus age por meios estranhos e não convencionais. Ele não vem num palácio. Ele não envia seu anjo aos nobres de Jerusalém. À classe sacerdotal, mas a uma jovem em Nazaré. A palavra que Maria usa para poderosa é déspota, aquele que não se relaciona de forma dependente com nada e com ninguém. Deus não precisa fazer acordo com ninguém. Ele é livre e soberano para agir como quer, onde quer, com quem quer.

Deus que é soberano, poderoso, santo, misericordioso justo e fiel mandou um anjo saudar Maria de “cheia de graça” e dizer que era com ela (Lc 1,28); e a corou no “sinal do céu” (Ap 12,1,5), “sinal” este, previsto aproximadamente 750 anos antes do seu nascimento pelo profeta Isaias (7,14). “Por isso, o próprio Senhor vos dará um sinal: uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e o chamará Deus Conosco.”

Como vemos, Deus só não é arrogante, orgulhoso nem mesquinho como o pastor. “Deus é amor”, por isso fez oito alianças com os povos e contará sim com a ajuda dos santos no julgamento de todos (I Cor 6,2), e quis o “sim” de Maria para trazer Jesus, a salvação do mundo.

b)Maria nos fala do projeto de Deus de invadir a história e virar a mesa, invertendo completamente os valores do mundo – (v. 51-53) – Deus entra na história não pelos palácios, pelos senados, congressos. Ele não pede que o poder judiciário lhe dê cobertura. Ele simplesmente entra na história e faz as mais profundas inversões que se pode imaginar, deixando todo mundo com gosto de surpresa e espanto na boca. Ele traz uma verdadeira revolução política, econômica, social e espiritual.

Fato é que, em se tratando de Maria, Deus quis a sua opinião.

c)Maria demonstra a sua profunda necessidade de Deus – Ela reconhece sua necessidade de salvação e chama de Deus de Senhor e de “meu salvador” (v. 46-47). Ela reconhece que o sentido da vida é exaltar e glorificar a Deus e alegrar-se nele (v. 46). Ela reconhece que AGORA todas as gerações a considerarão bem-aventura por que o Poderoso fez grandes cousas em sua vida (v. 48-49). Antes ela era apenas uma jovem desconhecida, agora seu nome seria uma referência para o mundo inteiro, não por seus méritos, mas por causa dos grandes feitos de Deus.

Todas estas obviedades, é para dizer disfarçadamente que Maria é uma como outra qualquer e ignorar que ela é “bendita” entre as mulheres pecadoras.

Todos já sabemos que Maria é uma criatura de Deus, seu Salvador. O que o pastor omite e repetiremos á exaustão é que aproximadamente 750 anos antes de Maria nascer, ela já era projeto de Deus para a salvação do mundo. “uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e o chamará Deus conosco!” (Is 7,14); e teve sua assunção prefigurada no sinal do céu, no último livro da bíblia: “Apareceu em seguida um grande sinal no céu: uma Mulher revestida de sol, a lua debaixo dos seus pés e na cabeça uma coroa de doze estrelas. Ela deu à luz um Filho, um varão, que há de reger todas as nações com vara de ferro” (Ap 12,1,5).

6.Maria é uma mulher que está sempre pronta a andar com Deus quando as coisas parecem complicadas.

Fato. Por isso rogamos a ela e temos recebido muitíssimas graças de Deus.

7.Maria, a mãe que tem o privilégio de ter nos braços o Filho de Deus, o seu próprio Salvador e Senhor.

Fato. Isso a distingue fantasticamente das outras mulheres.

a) O anjo disse para ela que o seu filho seria o Filho do Altíssimo (Lc 1:32) – Jesus como Filho de Deus, pré-existiu à sua mãe. Ele é o Pai da eternidade. Um com Pai. Criador do universo. Maria seria a mãe da natureza humana do verbo eterno e divino.

Engraçado é ver o pastor tropeçar em suas próprias manobras. Se ele mesmo afirma que: “o anjo disse para ela que o seu filho seria o Filho do Altíssimo (Lc 1:32)”, obviamente Maria é a Mãe do filho do Altíssimo que é Deus.

b) Isabel disse para ela que o seu filho era o seu Senhor (Lc 1:43) – Jesus mesmo na vida intra-uterina já era proclamado Senhor de Ana, mãe de João Batista.

Duas correções: 1- Isabel chamou Maria de “mãe do meu Senhor” (Lc 1,43). 2- Ana nunca foi mãe de João Batista.

c) Os anjos proclamaram em Belém que o filho de Maria era o Salvador, Messias e Senhor (Lc 2:11) – Essa notícia foi dada não no templo, mas nas campinas. Não aos sacerdotes, mas aos pastores.

Mais uma vez agradecemos, por reconhecer que: o filho de Maria era o “Salvador”, “Messias” e “Senhor”. – Só deixo claro que os “pastores” a quem foi dada a notícia do nascimento, não eram pastores evangélicos, mas de ovelhas. Os “sacerdotes” daquele tempo eram judeus. Jesus só fundaria sua Igreja sobre Pedro, com sacerdotes cristãos, três décadas depois. Só 16 séculos mais tarde apareciam na terra os autointitulados “pastores evangélicos” em igrejas particulares alheias a Igreja Católica fundada por Cristo. Malícia subliminar desfeita.

d) Simeão disse para ela que seu filho era a Salvação de Deus para os povos (Lc 2:29-32) – Maria e José estavam admirados do que dele se dizia.

Grato também por reconhecer que o Filho de Maria “era a Salvação de Deus para os povos”. Assim vemos que Maria não é mãe de um Jesus e Deus pai de outro, como o pastor tentava incutir no início de seu texto.

8. Maria a mãe que precisa reconhecer que seu Filho tem uma agenda estabelecida no céu e não na terra.

Correção: a agenda de Jesus Deus onipresente, se cumpriu na Terra e continuará na sua nova vinda.

a) Maria perde a Jesus na Casa do Pai (Lc 2:43-52) – Maria não se tornou uma supermulher por ser mãe de Jesus. Ela continuava sendo uma mulher limitada. Ela perdeu o seu filho. Ficou aflita. Voltou. Encontrou-o no templo. Mas o filho de 12 anos revelou a ela outra agenda. Jesus que não deveria seguir a agenda deles, mas eles que deviam seguir a sua agenda. “Por que me procuráveis? Não sabíeis que me cumpria estar na Casa de Meu Pai? Não compreenderam, porém, as palavras que lhe disseram” (Lc 2:49-50). Maria não conseguia alcançar quem era o seu Filho e o que estava fazendo. Nas quatro ocasiões futuras em que Maria estará envolvida (diretamente ou por referência ao seu nome), essa tensão estará presente.

Detalhe: Jesus era criança obediente, foi a Jerusalém porque seus pais o levaram, de fato se perdeu deles, mas voltou com os pais quando encontrado. Jesus apesar de sábio era inocente quando criança, como atesta as Escrituras: “Ele vai comer coalhada e mel até aprender a rejeitar o mal e escolher o bem.“ (Is 7,15), para isso tinha pais justos. Essa enganação do pastor acabará logo a seguir, quando ele mesmo, contraditoriamente, dirá que aos 33 anos Jesus diz que ainda não era chegada sua hora.

Maria não precisou ser nenhuma “supermulher” nem Jesus um “superJesus”. Foram humildes. Maria sofreu as piores dores de uma mãe e Jesus as piores dores de um homem.

b) Maria informa a Jesus sobre a falta de vinho na festa e ele mostra para ela que não é chegada a sua hora (Jo 2:1-11) – Jesus mostra que ele só agirá dentro do cronograma do céu. Aos doze anos Jesus disse a Maria: “Por que me procuráveis?”. Agora, aos 33 anos de idade, ele pergunta: “Mulher, que tenho eu contigo?” Jesus estava revelando à sua mãe que sua agenda era conduzida pelo céu e não pelos laços familiares. Em ambos os casos, Jesus demonstra que o seu compromisso é com o Pai: “Não sabíeis que convinha estar na Casa de Meu Pai?” e “ainda não é chegada a minha hora”. Por isso, Maria compreende e endossa a agenda de Jesus de tal forma que a última palavra direta de Maria nas Escrituras é esta: “Fazei tudo o que ele vos disser” (Jo 2:5). Seguir a orientação de Maria é de fato obedecer a Jesus.

Puro sofisma, esse argumento do pastor. Ele simplesmente omite que, Jesus fez o seu primeiro milagre transformando água em vinho porque Maria solicitou. (Jo 2,7-11); – e Jesus aos 12 anos, voltou pra casa porque Maria e José o foram buscar. “Jesus desceu, então, com seus pais para Nazaré e era obediente a eles. Sua mãe guardava todas estas coisas no coração.” (Lc 2,51). – Até as palavras de um Jesus criança, que ainda estava aprendendo a separar o mal do bem (Is 7,15), é usada sutilmente pelo pastor para atacar Maria. Haja maldade.

A mãe de Jesus nos ensina com um lindo mandamento: “Fazei tudo o que Ele vos disser.” (João 2,5); … e Jesus disse ao discípulo amado: “Eis aí tua Mãe!” E dessa hora em diante o discípulo a levou para a sua casa.” (Jo 19,26-27). Nós a levamos para casa, pastor. Quando vocês protestantes modernos a levarão??? Repito sua última frase acima: “Seguir a orientação de Maria é de fato obedecer a Jesus.” – Quando o senhor vai seguir a Jesus???

c) Maria vai com seus outros filhos para prender a Jesus, mas ele prioriza a agenda do Reino em vez de ceder às pressões da família (Mc 3:20,21,31-35) – Maria e seus outros filhos preocupados com intensa atividade de Jesus, vão com a finalidade de prender Jesus e levá-lo para casa. Mas eles precisavam entender que Jesus antes de ser filho de Maria, era o Filho de Deus. Antes de ser carpinteiro, era o Salvador dos homens. Antes de ser um cidadão de Nazaré, era o Rei dos reis. Jesus mostra que a relação espiritual é mais importante que a relação de sangue, ao afirmar: “Quem é minha mãe e meus irmãos? E, correndo o olhar pelos que estavam assentados em redor, disse: Eis minha mãe e meus irmãos. Portanto, qualquer que fizer a vontade de Deus, esse é meu irmão, irmã e mãe” (Mc 3:33-35).

Corrigindo as mentiras subliminares do pastor: 1- Maria não foi com “seus outros filhos”. A Bíblia em nenhum versículo fala de “outros filhos” de Maria. 2- Maria e os parentes de Jesus apenas estavam preocupados com as aglomerações que levavam grande risco a Jesus. 3- Quando Jesus ao ser interrompido pelos que doutrinava diz: “qualquer que fizer a vontade de Deus, esse é meu irmão, irmã e mãe”, simplesmente está exaltando a Maria e aos que faziam de fato a vontade de Deus. Impressionante é o contraditório pastor achar agora que a mãe de Jesus não fazia a vontade de Deus. Maria disse: “Eis aqui a serva do Senhor! Faça-se em mim segundo a tua palavra”. (Lc 1,38)

d) Maria e a verdadeira bem-aventurança (Lc 11:27-28) – Para Jesus a grande bem-aventurança de ouvir a Palavra de Deus e guardá-la é maior do que a bem-aventurança de ter sido genitora. Jesus não sustentou a supervalorização que a mulher destacou da relação de sangue que Maria tinha com ele. Havia outro tipo de relação que qualquer pessoa poderia manter com ele, muitíssimo mais importante que a física. Pois era essa relação que Jesus queria exaltar, a relação espiritual: “… uma mulher que etava (sic) entre a multidão, exclamou e disse-lhe: Bem-aventurada aquela que te concebeu, e os seios que te amamentaram! Ele, porém, respondeu: Antes, bem-aventurados são os que ouvem a Palavra de Deus e a guardam!” (Lc 11:27-28). Assim vemos que esses três contatos de Jesus com Maria relatados pelos evangelhos, todos giram em torno do mesmo assunto: contraste entre o físico e o espiritual; parentesco de sangue contra afinidade espiritual.

Pronto! Trinta e três anos de vida de Jesus junto a Maria foram ridiculamente reduzidos a três “contatos” distorcidos pelo pastor que jamais morou na casa de Maria.

Vamos ao que de fato se passou em (Lc 11, 27-28) e foi desvirtuado pelo pastor: Jesus estava pregando e falava sobre espíritos impuros, quando uma mal educada mulher o interrompeu, não dando ouvidos ao que Jesus falava, inclusive mudando de assunto:

“Enquanto ele assim falava, uma mulher levantou a voz do meio do povo e lhe disse: Bem-aventurado o ventre que te trouxe, e os peitos que te amamentaram! Mas Jesus replicou: Antes bem-aventurados aqueles que ouvem a palavra de Deus e a observam!”

Jesus disse isso repreendendo-a para que aprendesse a ouvir a palavra de Deus e a observar, apenas, sem em nenhum momento Ele ou a mulher se referirem a Maria.

Será que os protestantes, que tanto mal interpretam essa passagem esqueceram que antes de amamentar Jesus Maria disse: “Eis aqui a serva do Senhor! Faça-se em mim segundo a tua palavra”??? (Lc 1,38). Será que eles esquecem que desde as Escrituras, Maria é “bem aventurada” por todas as gerações???

e) Maria uma mulher com a alma traspassada pela espada (Lc 2:35) – O dia era o mais triste da história da humanidade. O dia era o mais gloriosa da história da humanidade. Dia de contrastes. Jesus morria. Jesus vencia. Humilhado, mas glorificado. Cercado de ódio por todos os lados. Transbordando de amor por todos os poros. Ao pé da cruz está Maria sofrendo indescritivelmente ao ver seu filho morrendo exangue. Ali uma espada traspassou a sua alma. A espada era invisível, mas não o seu efeito. Na cruz Jesus confia sua mãe ao seu discípulo João. Ali Jesus revelou seu amor cheio de cuidado por sua mãe. Ali Jesus ensina que os filhos precisam cuidar dos pais. Jesus o fez porque José já havia morrido e seus irmãos não criam nele e além do mais João era sobrinho de Maria.

Pura distorção clássica protestante. João era filho de Zebedeu e Salomé e levou Maria para casa porque Jesus a o deu como mãe. Não faz qualquer sentido os supostos “irmãos carnais” abandonarem sua mãe só porque não criam em Jesus que estava morrendo. Isso é falsidade diabólica, pois Jesus não teve irmão carnal. O termo “irmão” conservado nas escrituras como é dito no hebraico, abrange desde qualquer grau de parentesco a discípulo.

Jesus Cristo, ao ressuscitar, pediu que Maria Madalena anunciasse isso a “seus irmãos”. Ela foi e anunciou aos “DISCÍPULOS”. (Jo 20,17-18). E os “irmãos”??? Se Maria Madalena fosse protestante, certamente ainda hoje estaria procurando os “irmãos carnais” de Jesus, que nunca existiram.

f) Em momento nenhum a Bíblia registra que Jesus tenha chamado Maria de Mãe – Sempre a chamou de mulher, um termo respeitoso. A Bíblia nunca enfatizou a questão do teotokós (mãe de Deus). E por que? 1) Para ensinar que seus parentes não tinham uma posição privilegiada em relação a ele pelo fato de serem parentes. A relação que devia ser enfatizada é a espiritual. Mais tarde seus dois irmãos Tiago e Judas escrevem cartas e se apresentam não como irmãos de Jesus, mas servos do Senhor. 2) Para afastar o perigo das pessoas confundirem a posição de Maria como mãe de Deus. Ele tornou-se homem ao nascer do ventre de Maria, mas como Deus pré-existiu a criação e foi o criador de todas as coisas.

Ao contrário do que pensa o pastor, a palavra “mulher” implica, além disso, certa solenidade e ênfase: a maioria dos autores inclinam-se à ver neste título uma clara alusão ao (Gen 3,15), onde se fala do triunfo da “mulher” e da sua linhagem sobre a serpente. Tal alusão, além de estar avalizada pelo próprio texto (o uso do termo “Mulher”), é confirmada pelas interpretações dos Santos Padres, que falam do paralelismo entre Eva e Maria, semelhante ao que se dá, entre Adão e Cristo ( Rm 5,12-14). Do mesmo modo, o Novo Testamento se refere a Jesus como “Filho do homem” 88 vezes, em referência à profecia messiânica de Daniel 7,13-14. O “Filho do homem sabe porque chama sua mãe de “mulher”. A Bíblia não precisa enfatizar o Theotokos (mãe de Deus), o que precisa mesmo é o pastor parar de omitir isso.

Esse argumento tosco do pastor desmorona quando descobrimos que Tiago que era “irmão” (primo) de nosso Senhor, era o Líder da igreja de Jerusalém (At 15,13; 21,18; Gl 1,19; 2,12).

9.Maria, a discípula de Jesus – At 1:14 – A última vez que Maria aparece na Bíblia, ela é aparece como os demais crentes depois da ressurreição. Maria tomou o seu lugar com os outros cristãos – nem separada, nem acima deles. Ela estava lá também como discípula. Lá ela também aguarda o derramamento do Espírito. Seus outros filhos são convertidos. Eles se unem aos demais crentes e oram.

Novamente o pastor sorrateiramente tenta fazer de Maria o que ela nunca foi. Maria sempre foi humilde e continuou a ser. Continuou a ser a humilde e “mãe de Deus” porque seu filho Deus ressuscitou. E quando ela nos deixou passou a ser mais venerada ainda pelos apóstolos:

– S. Tiago Menor, o qual realizou o esquema da liturgia da Santa Missa, num escrito primitivo prescreve a seguinte leitura, após ler uns passos do antigo e do novo testamento, e de umas orações: “Fazemos memória de nossa Santíssima, Imaculada, e gloriosíssima Senhora Maria, Mãe de Deus e sempre Virgem”. (S. jacob in Liturgia sua).

No Pentecoste todos são cheios do Espírito Santo. Não diz a Bíblia que Maria é mais cheia que os demais nem que ocupa um lugar de destaque sobre os demais. Na verdade, seu lugar doravametne (sic) é discreto. Seus filhos Tiago e Judas são mencioandos (sic) e escrevem livros da Bíblia, mas Maria não é citada mais nem pelos apóstolos, nem pelos seus próprios filhos. O propósito dela não era estar no centro do palco, mas trazer ao mundo aquele que é a luz do mundo, o único digno de ser adorado e obedecido.

Puro ranço sutil. Com que propósito Judas e Tiago, que jamais foram filhos de Maria iriam escrever sobre Maria, se jamais escreveram até mesmo sobre seus pais?

O pastor omitiu, mas vamos mais uma vez mostrar-lhe que a assunção de Maria é prefigurada no sinal do céu, no último livro da bíblia: ” Apareceu em seguida um grande sinal no céu: uma mulher revestida de sol, a lua debaixo dos seus pés e na cabeça uma coroa de doze estrelas. Ela deu à luz um Filho, um varão, que há de reger todas as nações com vara de ferro.” (Ap 12,1,5)

Esse “sinal” no céu é professado por Isaias, aproximadamente 750 anos antes de Maria nascer: “Pois bem, o próprio SENHOR vos dará um sinal. Eis que a jovem conceberá e dará à luz um filho e lhe porá o nome de Emanuel.” (Is 7,14)

Será que o pastor arriscaria dizer que Deus não sabia que essa jovem seria Maria? Será que o pastor acha que Deus deixaria essa jovem nascer pecadora para contaminar seu Filho?

Responde as Escrituras: ” Cristo, porém, veio como sumo sacerdote dos bens futuros. Ele entrou no Santuário através de uma tenda maior e mais perfeita, não feita por mãos humanas, nem pertencendo a esta criação.” (Hb 9,11)

CONCLUSÃO – 1.Maria é uma mulher digna de ser imitada não só pelas mães, mas por todos os cristãos: por sua humildade, coragem, abnegação, fervor e fidelidade a Deus. Uma mulher que esteve pronta a correr todos os riscos para realizar a vontade de Deus em sua vida.

Fato. Só falta agora o pastor cumprir a Confissão protestante de Augsburgo que reconhece em Maria um papel especial dizendo: “Maria é digna de ser honrada e exaltada no mais alto grau” (Art. 21,27).

2.Que Deus nos ajude a imitar a essa bem-aventurada mulher, e lutar para que as pessoas a honrem não colocando-a num pedestal que jamais Deus a colocou nem ela jamais aceitaria, mas imitando seu exemplo como humilde serva de Deus.

As gerações dos que honram a palavra de Deus já proclamam Maria “bem aventurada” há mais de dois milênios, como Maria previu. Quando os modernos protestantes farão isso?

Não, Maria não precisa de “pedestal” protestante, muito menos de título de “deusa” que estes lhe tentam impor, apenas do respeito. Pois no sinal do céu está brilhando a sua glória, onde ela já foi coroada (Ap 12,1,5), sendo pessoa humilde.

No livro Cântico dos cânticos ou Cantares 6, lemos:

9. “uma, porém, é a minha pomba, uma só a minha perfeita; ela é a única de sua mãe, a predileta daquela que a deu à luz. Ao vê-la, as donzelas proclamam-na bem-aventurada, rainhas e concubinas a louvam”.

10. “Quem é esta que surge como a aurora, bela como a lua, brilhante como o sol, temível como um exército em ordem de batalha?”

Conclusão:

Existem duas observações nestes textos acima, primeiro que a mulher “bela como a lua e brilhante como o sol”, era a perfeita escolhida, todos nós sabemos quem foi a escolhida: a Virgem Maria. A segunda particularidade nestes textos recai sobre a forma com que Deus proclama essa mulher: “Ao vê-la, as donzelas proclamam-na bem-aventurada”. Nessa frase Deus está afirmando que a mulher “bela, como a lua e brilhante como o sol”, segundo o livro dos cânticos, e “revestida do sol com a lua debaixo dos pés”, condiz com a descrição do “sinal” do céu, no livro do Apocalipse (Ap 12,1,5), e com o “sinal” que Isaias diz que Deus daria (7,14), mostrando a grandiosidade de Maria no plano salvítico de Deus.

Não é nenhum pastor capaz de se equivocar dizendo que João Batista esteve no ventre de Ana, que vai mudar a vontade de Deus em relação à Maria Santíssima, mãe de Deus.

Pela honra e glória devida à Maria, santa mãe de Deus, aqui encerro essa refutação, e aviso ao pastor, que seu rio vomitado foi engolido.

“A terra, porém, veio em socorro da Mulher: abriu a boca e engoliu o rio que o Dragão tinha vomitado. Cheio de raiva por causa da Mulher, o Dragão começou a combater o resto dos filhos dela, os que observam os mandamentos de Deus e guardam o testemunho de Jesus. “ (Ap 12,16-17)

Deus tenha piedade do que levado pelo ódio, não sabe o que diz.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 03/09/2014 em Uncategorized

 

Que Jesus é esse ?

O JESUS DA BÍBLIA ME BASTA, NÃO PRECISO DE OUTRO CRISTO
Não me convide pra ir a qualquer igreja crente, evangélica seja lá o que for, todas inventadas por homens, porque a minha, a Católica, foi criada pessoalmente por Jesus Cristo. Além disso não aceito nenhuma igreja inventada por qualquer homem, pois a Bíblia diz: Maldito o homem (ou mulher) que no outro confia (Jeremias 17,5). Qualquer pessoa que sai da igreja Católica e passa pra outra inventada por homens já comete de início dois pecados: O primeiro é o pecado contra a fé, por ter passado para uma heresia; o segundo pecado foi desobedecer a Bíblia que diz: “Não deixemos de freqüentar as nossas reuniões, como é costume de alguns”, ou “Não deixemos nossas congregações como é costume de alguns” (Hebreus 10,25). Aqueles que vão a uma igreja crente, ou evangélica, mesmo só para visitar, comete mais um pecado que é: Não tentarás o Senhor teu Deus”. Ninguém precisa saltar de um viaduto pra saber que isso é perigoso.


As pessoas “viram” crentes ou evangélicas por qualquer motivo.

Alguns dizem que “agora” encontraram Jesus,
Outros dizem ter descoberto que a Igreja Católica está errada,
Outros que o Catolicismo pratica idolatria
Outros que os católicos adoram santos,
Outros que a Igreja Católica não ensina a Bíblia,

Alguns dizem que foram maltratados na igreja,
ou que os padres são sem-vergonhas,
ou, quando precisaram não foram atendidos,
ou que a Igreja “cobra” para batizar, casar etc,
ou que a Igreja é a mais rica do mundo, enquanto pessoas morrem de fome
Que é  o Papa e não o Espírito Santo que dirige a Igreja
Que a Igreja Católica é falsa e não segue o que a Bíblia ensina

E existe ainda a turma do prato de lentilha,
aqueles que trocaram a igreja pela cura de doença, ou na esperança de ainda serem curados,
ou trocaram a Igreja porque alguém na família foi curado de um vício de bebida, droga, seja lá o que for, ou pelo menos prometeram que ainda o serão,

temos ainda os romântico-sentimentais,
que na igreja crente se sentem “bem” e a missa era muito chata,

Também existem os materialistas declarados,
que buscam nas igrejas evangélicas
um emprego,
pagamentos de dívidas,
socorro para a situação financeira de qualquer forma,
enfim, precisam e confiam que vão conseguir dinheiro.

Outros ainda descobriram que Nossa Senhora teve mais filhos além de Jesus (mesmo que “tais “filhos apareçam depois com outras mães e outros pais),
Outros dizem que Maria é uma pecadora como qualquer outra mulher, (mesmo que o Anjo a tenha chamado de “Agraciada, cheia de graça”) – (Lucas 1,28)
Alguns outros falam que Maria é adorada pelos católicos (mesmo que não saibam a diferença entre adoração e veneração, ou latria, dulia e hiperdulia),

São muitos os motivos pelos quais muitas pessoas abandonam a Igreja Católica,
e todos dizem que:

AGORA SIM ENCONTRARAM JESUS!

Algumas dúvidas porém:
Que Jesus é esse que rejeita a própria mãe? (os pastores e magos encontraram o menino com Maria sua mãe – (Lucas 2,16+Mat.2,11). Pelo jeito, não é o mesmo Jesus da Bíblia.

Que Jesus é esse que rejeita a própria Igreja, à qual ele mesmo fundou pessoalmente? (pela Bíblia e pela História, Jesus só fundou uma Igreja, a primeira (Mat.16,18-19), católica, na sua missão (Mat.28,19) e não adianta nenhum pastor falar o contrário. Uma verdade existe sempre, mesmo que não se creia nela). Pelo jeito, não é o mesmo Jesus da Bíblia

Que Jesus é esse que prometeu enviar à Sua Igreja o Espírito da Verdade para guiá-la (João 14,16-17) de modo que não errasse e agora REJEITA a própria promessa? Jesus mentiu?, Falhou? Ou será que o Espírito Santo, o Espírito da Verdade (João 14,19) não conduziu direito e a Igreja e falhou? (João 14,18-19). Pelo jeito, não é o mesmo Jesus da Bíblia

Que tipo de Jesus é esse que nos dá a Bíblia como Palavra de Deus, Bíblia esta que diz, pelo Espírito Santo, que a Igreja e “coluna e fundamento da verdade” (1 Timóteo 3,15) e agora REJEITA a própria igreja e a cobre de mentiras? Pelo jeito, não é o mesmo Jesus da Bíblia

Que tipo de Jesus é esse que REJEITA praticamente toda a Lei do Amor, a Lei do Evangelho, para voltar atrás, voltar ao Vômito (Prov.26,11), voltar à Lei de Moisés já rejeitada pela Igreja Primitiva, (Atos), para atacar a Igreja que Ele próprio fundou (Mateus 16,18-19)?, acusando-a de idolatria, usando uma Lei (Êxodo 20,3-4 + Deuteronômio) editada séculos antes de existir o catolicismo, uma lei já abolida em Lucas 16,16, pois durou até João, declarada ainda que está morta e, portanto, estamos livres dela (Romanos 7,4 e 7,6)?, uma lei que, segundo a própria Bíblia, quem a segue está debaixo de maldição?(Gálatas 3,10). Que Jesus é esse que apóia estas barbaridades e aceita isso como certo nas igrejinhas inventadas por homens?   
Pelo jeito, não é o mesmo Jesus da Bíblia

Que Jesus é esse que aceita como verdadeiras a mais de 100.000 igrejinhas inventadas por homens pecadores e nega como verdadeira a única Igreja que ele pessoalmente fundou (Mateus 16,18), e a Escritura afirma ser ela a “Coluna e fundamento da verdade”(1Tim.3,15)? Pelo jeito, não é o mesmo Jesus da Bíblia

Que Jesus é esse que nega a autoridade dada por ele mesmo, ao chefe da Igreja também escolhido pessoalmente por ele mesmo, o papa (apascenta as minhas ovelhas – por 3 x – João 21,16,16,17) em favor do qual ele orou pessoalmente ao Pai, para que sua fé não desfalecesse (Lucas 22,31-32)? Será que agora esse chefe é o condutor de uma fraude, de uma mentira? Será que a oração de Jesus em favor do papa foi vã, que não teve valor e que o Pai não atendeu? Pelo jeito, não é o mesmo Jesus da Bíblia

Que Jesus é esse que, depois de ter dito que “seu reino não é deste mundo” (João 18,36), volta atrás na sua palavra e agora, ele mesmo oferece bens, vitórias materiais, riquezas NESTE MUNDO, oferece tudo aquilo que ELE mesmo RECUSOU-SE A RECEBER DO DEMÔNIO na tentação do pináculo (Mateus 4,1-10). Pelo jeito, não é o mesmo Jesus da Bíblia

Que Jesus é esse que Ordena sacerdotes (Sacramento da Ordem), Sagra apóstolos (bispos), dá-lhes poder espiritual, até o poder divino de, em nome de Jesus, perdoar pecados, um Jesus que confirma em sua Igreja a presença de sacerdotes (João 20,22-23) e, por fim, agora RENEGA a própria palavra e aceita como verdadeiros os pastores, cooperadores seja lá o que for, dirigentes das centenas e milhares de igrejetas que homens e mulheres inventam por aí todos os dias? Pelo jeito, não é o mesmo Jesus da Bíblia
Que Jesus é esse que rejeita, não aceita a Bíblia que diz sobre o padre: “Os lábios do sacerdote devem guardar o conhecimento, e de sua boca devem os homens buscar instrução, pois ele é o mensageiro (anjo) do Senhor dos Exércitos.(Malaquias 2,7). Será que esse Jesus é verdadeiro? Um Jesus que nega a própria Bíblia?

Que Jesus é esse que disse que seriam seus amigos os que fizessem aquilo que ele mandou (João 15,14). E agora RENEGA a própria palavra, aceitando como certos aqueles que fazem o que o pastor mandou, mesmo contra a vontade do próprio Cristo? Pelo jeito, não é o mesmo Jesus da Bíblia

Que Jesus é este que, pela Escritura (Atos 8,18-23), seu Apóstolo rejeita receber dinheiro de Simão em troca de dons sagrados, lançando inclusive maldição sobre ele por este ato indigno, e agora permite que pastores que se dizem de Cristo, que se dizem homens de Deus, criem igrejas e façam pregações pedindo dinheiro e mais dinheiro em troca de riquezas e um dízimo falso de 10% do que se ganha? Pelo jeito, não é o mesmo Jesus da Bíblia

Que Jesus é esse que rejeita e não respeita os sacramentos que Ele mesmo criou como o casamento, a Eucaristia, o batismo em criança (“Deixai vir a mim as criancinhas” – Mateus 19,14), a penitência e confissão, a unção dos enfermos (Tiago 5,14-16) e a Ordem (João 20,22-23)? Pelo jeito, não é o mesmo Jesus da Bíblia

Que Jesus é esse que aceita um fundador de igreja, que, em nome do próprio Cristo, cita Suas santas palavras “Deixai vir a mim os pequeninos” (Mateus 19,14) para defender o aborto, assassinato de crianças? (Artigo de Edir Macedo pela “Folha Universal”de 31.08.2008), certamente não é o mesmo Jesus da Bíblia.

Que Jesus é esse que apóia e aceita como corretos e como verdades de fé os ataques ininterruptos que fazem contra a Igreja Católica, Sua Igreja, a primeira e única registrada na Bíblia? Sim, porque a Bíblia foi organizada pela Igreja Católica no ano 381, com o Papa Dâmaso I enquanto as demais inventadas por homens e nascidas de brigas e discórdias doutrinárias, só apareceram após 1517, mais de 1000 anos depois que a primeira, a Católica já era sinal de Deus no mundo. Certamente não é o mesmo Jesus da Bíblia.

Que Jesus é esse que aceita como verdade as acusações interesseiras de pastores e cooperadores, seja lá o pregador que for, que arrastam atrás de si  uma multidão de pessoas sem conhecimento, levando-as pelos caminhos da calúnia e da mentira, fechando os olhos para o lamento do Senhor: “Meu povo se perde pela falta de conhecimento” (Oséias 4,6). Certamente não é o mesmo Jesus da Bíblia

Que Jesus é esse que aceita que o povo, suas ovelhas deixem de confiar Nele, Único mediador entre Deus e os homens (1 Timóteo 2,5), único nome dado aos homens para a salvação (Atos 4,12), para confiar em homens, fechando os olhos para as Escrituras que dizem: “Maldito o homem que no outro confia”(Jeremias 17,5) .Certamente não é o mesmo Jesus da Bíblia

Que Jesus é esse que fecha os olhos ao comércio que fazem em igrejinhas inventadas por homens, que baseados em leis antigas, cobram um dízimo de 10% de seus fiéis, fazendo com que se pague prestação para ter uma religião, enquanto Lucas 16,16, Romanos 7,4, Romanos 7,6 ensinam que a lei antiga durou até João, está morta e estamos livres dela? Certamente não é o mesmo Jesus da Bíblia

Não acredito que estejamos falando do mesmo Jesus da Igreja Católica.

Dá-nos a impressão que esse Jesus ao qual eles seguem, não nasceu na gruta de Belém, mas nasceu sim, como nasce todos os dias, no coração deles mesmos. Um Jesus que, depois de morrer com seus criadores, não vai ressuscitar, porque é falso. O verdadeiro é um só: Jesus de Nazaré, o filho de Maria. (Mateus 2,11) O Cristo real é aquele que, depois de morto, ressuscitou e não morre mais!

Eu fico com o Jesus da Bíblia, com aquele que tanto os pastores de Belém (Lucas 2,16), como os magos (Mateus 2,11) encontraram com Maria, sua mãe.

Eu fico com o Jesus que escolheu nosso primeiro chefe, primeiro Papa (Mateus 16,18)

Eu fico com o Jesus que nos deu Maria como mãe (João 19,27)

Eu fico com o Jesus que depois de consagrar os primeiros apóstolos (bispos –João 20,22), deu a Pedro a ordem de confirmar na fé os demais irmãos, o que acontece até hoje (Lucas 22,31-32)

Eu fico com o Jesus, da Eucaristia, Corpo e Sangue verdadeiros de Cristo, Eucaristia esta que, longe de ser uma simples metáfora, uma linguagem simbólica ou figurada, o próprio Jesus a confirma como verdadeira quando diz: “Meu corpo é verdadeira comida e meu sangue é verdadeira bebida” (João 55,56)

Eu fico com o Jesus que tem mãe e tem amigos, declarados “santos” pela Igreja que de Jesus recebeu autoridade para fazê-lo: “Tudo o que ligares na terra será ligado no céu…” (Mateus 16,19)

Por amor a Jesus eu respeito e amo a Sua e nossa Mãe (João 19, 26-27, a Virgem Maria.

Por amor a Jesus eu respeito e amo seus amigos, contra quem os hereges crentes e evangélicos acusam a Igreja de idolatria, sem ao menos saberem o que significa isso, pois IDOLATRIA é culto a deuses, com ou sem imagem, enquanto o culto de veneração aos santos e anjos chama-se DULIA. O que falta aqui é conhecimento da língua portuguesa. O que sobra é ignorância da língua portuguesa. Não seria bom ver um dicionário antes de falar besteira sobre fé e sobre a língua portuguesa?.

Por amor a Jesus eu respeito relíquias, fotos, quadros e esculturas que representam simbolicamente a Ele, Jesus, ÚNICO MEDIADOR ENTRE DEUS E OS HOMENS, para nossa salvação,

Bem como tais, relíquias, quadros ou imagens simbolicamente representam Sua e nossa mãe, seus amigos, seus anjos, pois, meu coração, longe da idolatria, sabe bem Quem é Deus, quem é o homem e quem é o objeto representativo feito pela mão do homem.
JESUS e os Apóstolos, nos alertaram e alertam pela Bíblia, tantas e tantas vezes:
“Acautelai-vos dos falsos profetas” (Mateus 7,15)
“Levantar-se-ão muitos falsos profetas” (Mateus 24,11)
“Surgirão falsos cristos e falsos profetas” (Mateus 24,24)
“Surgirão falsos cristos e falsos profetas” (Marcos 13,22)
“Haverá entre vós falsos mestres” (2 Pedro 2,1)
“Muitos falsos profetas…” (1 João 4,1)

E esse povo iludido, herege, continua cego?

LAMENTO
Lamento considerar assim todos esses irmãos separados, que abandonaram a Igreja de Jesus, a família de Jesus, a Palavra de Jesus. Abandonaram a Bíblia, todos em fuga de alguma coisa, ou busca de bens materiais, ou apenas porque lá se sentem bem, à semelhança de Esaú que trocou o direito de primogenitura por um prato de lentilha, eles trocaram tudo POR UM PUNHADO DE NADA.
 
Deixe um comentário

Publicado por em 03/09/2014 em Jesus